Programa de pesquisa britânico é condenado por racismo contra médicos quenianos

Pesquisadores teriam sido passado para trás em promoções e financiamentos

Seis médicos quenianos foram indenizados em cerca de R$ 700 mil, no total, em compensação por terem tido suas carreiras “empacadas” por “racismo institucional” em um programa de pesquisa em parceria com o Reino Unido, noticiou na terça-feira a revista Nature.

A decisão foi proferida no dia 18 pelo tribunal industrial do Quênia, que considerou que os médicos enfrentaram “discriminação sistemática” enquanto trabalharam no Instituto de Pesquisa Médica do Quênia – Programa de Pesquisa do Wellcome Trust, maior instituição de caridade em saúde do Reino Unido.

Samson Gwer, Michael Mwaniki, Nahashon Thuo, John Wagai, Moses Ndiritu e Albert Komba alegaram que foram passado para trás em promoções e financiamentos do programa, tocado em parceria com a Universidade de Oxford. Os médicos também relataram que não recebiam o devido crédito por sua pesquisa e que eram sucessivamente submetidos a contratos de curto prazo enquanto seus colegas europeus subiam rapidamente os degraus da vida acadêmica.

O instituto acabou sendo a única organização condenada, já que a Universidade de Oxford e o Wellcome Trust não são reconhecidos juridicamente no Quênia.

Entre outras recriminações, a sentença afirma que o instituto “perpetrou práticas de trabalho injustas” ao suspender os pesquisadores quando eles se queixaram, além de estabelecer “condições” para a readmissão dos médicos.

Gwer disse que a decisão prepara o terreno para um exame rigoroso da forma com que as parcerias científicas são administradas entre os países em desenvolvimento e os desenvolvidos.

Fonte: Planeta Ciência

+ sobre o tema

Coronel Telhada, do PSDB, quer o fim da democracia na Câmara de São Paulo

O ex-comandante da "humanitária" Rota, o não menos "humanitário"...

Rita Cristina de Oliveira: O salário psicológico como projeto de governo

“Antes eu vejo essas almas despidas e por todos...

Batalha jurídica no julgamento de neonazis em Munique

O maior julgamento de neonazis da Alemanha do...

para lembrar

Rivais em campo, mas unidos contra a extrema direita

Em tempos de xenofobia, populismo e antissemitismo em alta,...

Sarah Baartman: a chocante história da africana que virou atração de circo

Há dois séculos, Sarah Baartman morreu após passar anos...

Diálogo: O Estereótipo do Suspeito

WAPI Brasil Convida à todas e todos à participarem  ...

Mães de Maio: Solidariedade e orientações aos familiares e amigos de vítimas da violência em SP

IMPORTANTÍSSIMO: SOLIDARIEDADE E ORIENTAÇÕES AOS FAMILIARES E AMIGOS...
spot_imgspot_img

Novo Selo de Igualdade Racial será lançado para incentivar diversidade nas empresas, anuncia Anielle Franco

O governo federal planeja introduzir, até o final do ano, um "Selo de Igualdade Racial" destinado a reconhecer empresas públicas e privadas que implementam...

Professora denuncia aluno por injúria racial após estudante escrever ‘preto não é gente’ em folha de papel

Uma professora denunciou um estudante de 14 anos à polícia após ele escrever "preto não é gente" em uma folha de papel, em uma...

5 por dia: Bahia lidera ranking de mortes em ações policiais no primeiro quadrimestre

Enquanto a localização de lideranças criminosas aumentou na Bahia no início de 2024, a letalidade das ações policiais também registrou crescimento. De acordo com o Ministério...
-+=