Geledés e OEA juntas em Washington

Artigo produzido por Redação de Geledés

Encontro discute o empoderamento econômico de mulheres afrodescendentes no Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial

Em parceria com a Missão Brasileira na Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Missão Colombiana na OEA, Geledés – Instituto da Mulher Negra promove nesta quinta-feira, 21, às 11h (horário de Brasília), em Washington, EUA, o encontro “Estratégias para o empoderamento econômico das mulheres afrodescendentes”.

O objetivo do encontro é discutir esta temática no mesmo dia em que a OEA promove atividades em celebração ao dia 21 de março, instituído pela ONU como Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial. A discussão se dá no contexto de América Latina, em consonância com o documento de Consenso de Montevidéu, que incluiu, em 2013, mais de 120 medidas sobre oito temas identificados como prioritários para dar seguimento ao Programa de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD) das Nações Unidas, entre eles a igualdade de gênero e os direitos dos povos afrodescendentes, combate ao racismo e à discriminação racial.

“Para Geledés, esta é uma oportunidade para debater o impacto das questões fundamentais relacionadas à (in)visibilidade da raça, quando falamos em gênero, refletir sobre pobreza intergeracional, apresentar nossas preocupações, com os desafios para a construção de estratégias que possibilitem a emancipação econômica e financeira de mulheres afrodescendentes, fugindo da armadilha da narrativa mercadológica do empreendedorismo, que não tem conexão com a realidade social dessa parcela da população”, afirma Maria Sylvia de Oliveira, mediadora do evento e coordenadora de Geledés – Instituto da Mulher Negra na área de Políticas de Promoção da Igualdade de Gênero e Raça.

Participam presencialmente deste encontro Maricarmen Plata, secretária de Acesso a Direitos e Equidade (SADE) da OEA, Ana Míria Carinhanha, diretora de Ações Governamentais, Ministério da Igualdade Racial do Brasil, Beatriz Piñeres, especialista da Comissão Interamericana de Mulheres (CIM), Judith Morrison, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID),Yirlehan Ramirez Murillo, líder social colombiana e presidente da Alianza Global de Mujeres Afrodescendientes e Indígenas Empreendedoras .

Virtualmente estarão na reunião Roberta Clarke, presidente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH); Gaynel Curry, integrante do Fórum Permanente sobre Afrodescendentes da ONU e professor Marcelo Paixão, Universidade do Texas em Austin.

+ sobre o tema

para lembrar

Mudanças climáticas e os impactos na saúde da população negra

Em 1989, Spike Lee lançou “Faça a Coisa Certa”,...

8 de março: os desafios por justiça racial e de gênero

Ao refletirmos sobre a situação das mulheres negras na...

Na pandemia, Viviani descobriu sua vocação de professora

Antes da pandemia, Viviani de Sousa Gomes, de 41...

Na pandemia, Viviani descobriu sua vocação de professora

Antes da pandemia, Viviani de Sousa Gomes, de 41 anos, acumulava uma série de trabalhos: assistente de loja freelancer em uma loja de departamento,...

O emblemático caso do jovem Robson, morto pela ditadura, está aberto ao público. O que isso significa em tempos de genocídio da população negra?  

O desarquivamento do emblemático processo judicial de Robson Silveira da Luz no Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo, neste dia 31 de...

“A chapa 11 é o direito à voz e a vez das advogadas negras”, diz Raquel Preto

Raquel Preto compõe como tesoureira a chapa "Coragem e Inovação", liderada pelo atual secretário-geral da OAB de São Paulo, Caio Augusto, para concorrer à...
-+=