Geledés passa a integrar o GT da Sociedade Civil para a Agenda 2030

Artigo produzido por Redação de Geledés

Entidade se posiciona em defesa de mulheres e pessoas negras em razão das desvantagens e discriminações que sofrem no acesso às oportunidades sociais

O Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030 (GTSC A2030) dá as boas vindas ao novo integrante, o Geledés Instituto da Mulher Negra. A entidade, fundada em 1988 e sediada em São Paulo, posiciona-se em defesa de mulheres e pessoas negras em razão das desvantagens e discriminações que esta parcela da população sofre no acesso às oportunidades sociais decorrentes do racismo e do sexismo, tão presentes na sociedade brasileira.

A entrada do Geledés no grupo fortalecerá ainda mais as agendas de enfrentamento ao racismo e de promoção dos direitos das mulheres.

“Estamos comprometidas com propostas e ações que possibilitem novas configurações sociais, que assegurem o direito à igualdade, equidade, liberdade, democracia e o bem-estar das futuras gerações”, afirma a vice-presidenta do Instituto e representante da entidade no GT, Suelaine Carneiro. O Geledés também se posiciona contra todas as demais formas de discriminação que limitam a realização da plena cidadania, a exemplo da lesbofobia, a homofobia, os preconceitos regionais, de opinião, de credo e de classe social.

O GTSC A2030 é uma coalizão formada por cerca de 40 entidades de todas as regiões do Brasil que, juntas, cobrem todas as áreas dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O grupo incide sobre o Estado brasileiro e as organizações multilaterais, promovendo o desenvolvimento sustentável, o combate às desigualdades e às injustiças e o fortalecimento de direitos universais e indivisíveis, com base no pleno envolvimento da sociedade civil em todos os espaços de tomada de decisão.

+ sobre o tema

#Geledes30anos: Projeto Rappers: reflexão sobre o movimento hip hop – vídeo completo

Resgate das ações desenvolvidas pelo Projeto Rappers, da participação...

#Geledés30anos – Programação dos eventos de celebração de 30 anos do Geledés

Geledés Instituto da Mulher Negra, em parceria com o...

#Geledes30anos – Raquel Preto: Obrigada Geledés

#Geledes30anos - Raquel Preto: Obrigada Geledés Raquel Preto: Advogada e...

#Geledes30anos – Deise Benedito: ” Lideranças extraordinárias do nosso país saíram de Geledés “

Lideranças extraordinárias do nosso país saíram de Geledés. Deise Benedito...

para lembrar

Mulheres Negras do Cone Sul apresentam estudos na CEPAL

Nos marcos do Fórum dos Países da América Latina...

#Geledés30anos: Saudações a Geledés – por Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva

Com alegria, junto-me às celebrações dos 30 anos de...

Ela transformou sua indignação em luta contra o racismo

 “Indignação sempre foi a palavra que mais me impulsionou....

Nem tudo era italiano …

Este brilhante trabalho foi apresentado originalmente em 1995 como...

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma presencial, nesta terça-feira, 16, às 12h (horário de Brasília) em Santiago, no Chile, um evento...

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....
-+=