Fórum em Barbados discute as grandes temáticas do feminismo negro 

Artigo produzido por Redação de Geledés

Geledés esteve na ilha caribenha que reuniu feministas negras do mundo inteiro

“O que o poder do feminismo negro significa hoje?”. Essa pergunta intrigante e provocativa foi temática de um dos painéis do Fórum dos Feminismos Negros, que aconteceu entre os dias 4 e 7 de fevereiro, na cidade caribenha de Bridgetown, em Barbados, do qual participou Geledés – Instituto da Mulher Negra.

“Para além de responder a essa pergunta, diante do que acontece no mundo, é preciso conectar as mulheres negras de maneira transnacional. A diversidade e inclusão foram bem contempladas neste fórum. A ideia do encontro era que feministas negras de todo o mundo pudessem compartilhar experiências sobre estratégias de luta contra o racismo, sexismo, homofobia, capacitismo e todas as formas de opressão vividas por mulheres negras”, avalia Maria Sylvia de Oliveira, coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade de Gênero e Raça, que esteve no evento ao lado de outra coordenadora de Geledés, Nilza Iraci, da área de Advocacy e Incidência.

O fórum foi patrocinado pelo Fundo Feminista Negro que financia movimentos feministas negros liderados por mulheres, meninas negras e pessoas de gênero expansivo nas Américas, Oriente Médio, Europa e África.

Entre os painéis destacados por Maria Sylvia está o que abordou o uso de tecnologias feministas negras. O debate girou em torno de como criar novas tecnologias que deem conta das agendas e ideias feministas e de como as mulheres negras podem contribuir para a construção de bens tecnológicos que serviam aos movimentos feministas negros.

O fórum também evidenciou as comunidades negras que estão mais à frente da justiça climática no planeta. Outra tema importante foi o debate sobre o que fazer diante da manutenção do imperialismo, do patriarcado e dos interesses coloniais mesmo com a derrubada de regimes autoritários. Para este painel foram convidadas feministas negras da África do Sul, Sudão, Granada e Tunísia, países que vivenciaram estas situações políticas. Não à toa, o local escolhido, Barbados, foi “a primeira ‘sociedade escravista negra’ da Grã Bretanha colonial, com uma emblemática história de resistência. Segundo Hilary Beckles, historiadora barbadense e presidente da Comissão de Reparação da Comunidade do Caribe (CARICOM), Barbados foi “uma das sociedades mais sistemicamente violenta, brutal e racialmente desumana da modernidade.

+ sobre o tema

“A escravidão não oferece resposta para tudo”

Neste 13 de maio, são 132 anos da assinatura...

“Ser líder negra é ser infinita, como toda grande força”, diz Neon Cunha

Geledés no Debate inicia 2019 entrevistando Neon Cunha, ativista,...

Kelly se tornou professora na pandemia e luta por inclusão na sala de aula

Kelly Aparecida de Souza Lima, de 46 anos, tornou-se...

Use sua arma mais poderosa: o voto!

Há poucos dias do pleito, a cédula eleitoral é...

para lembrar

O desastre não é natural, é político

O cenário é devastador. Relatos absurdamente trágicos e tristes...

O racismo e o desconhecimento sobre as culturas e espiritualidades dos africanos

“O racismo e o desconhecimento sobre as culturas e...

Quilombolas do Rio Grande do Sul pedem socorro para receber alimentos

“Os alimentos não estão chegando às comunidades quilombolas. Estamos numa corrente de solidariedade dentro do Estado em razão da condição das estradas. Além disso,...

Mãe-solo, Inaihe se torna empreendedora na pandemia

Em fevereiro de 2021, em plena pandemia, Inaihe Nainhana Aparecida Vieira Izaias, de 23 anos, abriu sua clínica de estética e gerou emprego para...

“Nos acostumamos por demais à violência do Estado” diz Bernard Attal

Em 2 de agosto de 2014, no bairro da Calçada, em Salvador, Geovane Mascarenhas de Santana estava em sua moto, quando foi abordado por...
-+=