Gilberto Gil dá atestado de vida em ‘OK OK OK’, disco cercado pela família

Álbum mostra busca pela melhor rima e decisão de não fazer música simples

por Thales de Menezes no Folha de São Paulo

Há décadas que todo disco novo de Gilberto Gil é cercado de grande expectativa. Mas agora a ansiedade dos fãs era compreensivelmente maior.

Depois de atravessar um período de repetidas internações hospitalares, com problemas renais e cardíacos, gravar era mais do que ampliar seu cancioneiro já consagrado. Era um atestado de vida.

O álbum “OK OK OK” cumpre muito bem essa função. Produzido por Bem Gil, seu filho, traz a melhor safra de canções do compositor neste século. Toca em questões íntimas, como saúde, filhos, velhice, finitude. E também recupera um Gil que faz dançar.

 

A faixa que dá título ao trabalho é uma declaração do compositor diante do constante questionamento a que ele e outros de sua geração estão expostos, chamados a se posicionar sobre questões políticas e sociais.

Gil se mostra consciente de seu papel de farol para os seguidores: “Alguns sugerem que eu saia no grito/ Outros que eu me quede quieto e mudo/ E eis que alguém me pede ‘encarne o mito’/ ‘Seja nosso herói, resolva tudo'”.

Mas, numa letra de intrincada construção poética, não cede à inquisição: “Sei que não dei minha opinião/ É que eu pensei, pensei, pensei, pensei/ Palavras dizem sim, os fatos dizem não”.

Em oposição aos confrontos na rede, Gil pode oferecer uma singela canção como “Prece”. Balada belíssima, só voz e guitarra, e versos claros: “Rezaremos na hora marcada/ Às seis da tarde como reza a lei/ No encontro entre o dia, a noite e o nada/ Salve rainha amada, amado Cristo rei”.

A família cerca o patriarca na produção. Está presente dentro do estúdio e também aparece como tema de várias canções. “Sereno” é um quase sambinha para seu décimo neto, com o coro cantado por alguns dos outros nove.

“Sol de Maria” é uma balada para a primeira bisneta. E “Uma Coisa Bonitinha”, parceria com o pianista João Donato, fala de mamãe e vovó. O próprio Donato foi ao estúdio tocar e cantar ao lado de Gil.

Duas faixas remetem ao Gil da virada dos anos 1970 para a década seguinte, quando uma urgência dançante disparou hits como “Realce”.

O clima retrô impera em “Na Real” e “Tartaruguê”, músicas com banda parruda, batida para levantar plateias nos shows. Algo que Gil sempre fez bem e parece estar de novo pronto para isso.

“Yamandu” é homenagem explícita ao violonista Yamandu Costa, a maior expressão do instrumento em atividade no Brasil e que foi ao estúdio para gravar com Gil.

Essa louvação resgata o exímio tocador de violão que Gil tantas vezes demonstrou ser. Uma faceta de seu talento que costuma ficar à sombra do grande cantor e compositor.

“Quatro Pedacinhos” é uma bem-humorada descrição da biópsia cardíaca realizada pela médica Roberta Saretta. E “Kalil”, esta ausente da edição em vinil e presente como faixa bônus do CD, foi feita para Roberto Kalil Filho, médico que se tornou grande amigo.

Talvez o momento em que Gil mais se exponha no disco seja em “Jacintho”, uma canção sobre doença e velhice: “Já sinto aqui no meu peito/ Alguns sinais de defeito/ Coração, pulmões e afins”.

Nessa, e em todas as faixas, está a persistente busca pala melhor rima e a decisão de não fazer música simples, por mais singela que seja. Gil, aos 76 anos, está inquieto.

Acesse o Deezer de Gilberto Gil

+ sobre o tema

‘Queria coisas novas e autorais’, diz Larissa Luz sobre saída do Ara Ketu

Ex-vocalista do grupo fala sobre carreira em entrevista ao...

Conheça as inspirações por trás do Rei Leão – O Musical

O MUSICAL INSPIRADO NO DESENHO DA DISNEY É UMA...

Gaby Amarantos fará show durante a 66ª edição do Festival de Cannes

O show da principal representante do tecnobrega foi confirmado...

Tiger Woods é vítima de racismo e rival se desculpa após repercussão

O golfista Tiger Woods, líder do ranking mundial,...

para lembrar

Fifa escala Maicon no ‘Time dos Sonhos’ da Copa da África do Sul

Melhores foram escolhidos através do site da entidade; Espanha...

Goleiro homossexual é xodó de time da 2ª divisão potiguar

O goleiro Jamerson --também conhecido como Messi-- se...

Paula Brito

por: Mauro Rosso Francisco de Paula Brito, "o primeiro editor...

Garoto da capa black power

Eleito pelos torcedores do Shakhtar Dontesk como o melhor...
spot_imgspot_img

Reação de IZA ao saber de indicação ao Grammy Latino viraliza na web

Após ser indicada ao Grammy Latino 2023 na categoria Melhor Interpretação Urbana em Língua Portuguesa pela música Fé, IZA viralizou nas redes sociais, nesta terça-feira (19), após aparecer em um vídeo...

Sesc Belenzinho recebe a cantora Maíra Baldaia

O Sesc Belenzinho recebe a cantora Maíra Baldaia no dia 23 de setembro, sábado, no Teatro, com ingressos de R$ 12 (Credencial Sesc) a R$ 40 (inteira).  O show apresenta canções do último álbum lançado OBÍ, que...

Filme sobre Claudinho e Buchecha é pré-indicado ao Oscar 2024

A Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais anunciou, nesta terça-feira (5/9), a lista com os seis longas-metragens pré-selecionados para concorrer a uma vaga...
-+=