“Grupo Articulador Primeira Infância no Centro” debate o enfrentamento ao racismo  em Audiência Pública na Câmara Federal

Enviado por / FonteThais Rodrigues

A reunião teve como objetivo chamar à responsabilidade os Três Poderes para que possam compor a luta em defesa de direitos básicos de crianças negras, quilombolas, indígenas e de terreiro

A audiência pública “Ações de Enfrentamento ao Racismo na Primeira Infância”, que ocorreu nesta quinta-feira (29), levou para a Câmara dos Deputados, em Brasília, uma ampla discussão que reflete como proteger e garantir direitos e políticas públicas antirracistas para crianças. A sessão foi resultado da incidência política do Grupo Articulador “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil a partir do enfrentamento ao racismo”, composto por Geledés Instituto da Mulher Negra e mais 10 entidades da sociedade civil.

 

Suelaine Carneiro -Geledés, Deputada Federal Erika Kokay/PT, Laís Helena Queiroz  – Secretária de Ações Afirmativas e Combate ao Racismo (MIR), Letícia Carvalho Silva – Instituto Alana, Miram Alves – RENAFRO

A reunião teve como objetivo chamar à responsabilidade o Executivo, o Legislativo e Judiciário, para que possam fazer o enfrentamento ao racismo e à luta em defesa de direitos básicos para crianças negras, quilombolas, indígenas e de terreiro. Presidida pela deputada federal Érika Kokay (PT-DF), a sessão aconteceu por meio da Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial.

No evento, Kokay garantiu a realização de uma Política Nacional de Enfrentamento ao Racismo na Primeira que vai reunir, no parlamento, a sociedade civil, os congressistas e representantes dos ministérios para elaborar um conjunto de políticas públicas que discuta o racismo em seu contexto estruturante – saúde, educação, mobilidade, direito à cidade etc. 

“Vamos combater um formato do passado, que tenta impor de forma hegemônica uma higienização dos espaços públicos”, expõe Kokay.

Ao todo, 11 pessoas compuseram a mesa-redonda, entre membros do governo e da sociedade civil. 

Suelaine Carneiro, de Geledes, enfatizou a importância de reivindicar compromissos e ações que garantam os direitos dessas crianças no presente e no futuro. Para ela, é necessário desconstruir as indiferenças que cercam os debates e marcam a vida de crianças negras e indígenas do país. 

“Suas trajetórias [das crianças] são marcadas pelo não pertencimento, implicando no acesso diferenciado aos bens sociais”, afirmou. E enfatizou ainda que “abordar os efeitos socioeconômicos e psicossociais do racismo desde a primeira infância, possibilita alterar as relações”. 

Suelaine Carneiro durante a audiência

Ocupar o Parlamento

As representantes das organizações ressaltaram a necessidade de ocupar o parlamento e exigir políticas públicas para a população infantil. Com isso, em médio e longo prazo, há a possibilidade de minimizar o processo de adoecimento que vai permear toda a vida adulta das crianças. 

Damiana Neto, da Ação de Mulheres pela Equidade – AME – pontuou que a necessidade de estar presente nesse espaço cria a possibilidade de resgatar a infância de cada criança do Brasil. Para ela, as políticas públicas que abarcam a realidade de crianças negras e indígenas são diferentes em cada parte do país. 

O destaque que o racismo na primeira infância infringe diversos marcos legais e legislações nacionais e internacionais foi abordado por Letícia Silva, advogada do Instituto Alana, que dentre os Pactos, cita o não cumprimento da Convenção sobre o Direito da Criança, que foi um tratado ratificado pelo Brasil, e que traz o princípio da não-discriminação assim como o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

No telão, Andrey Lemos,  Diretor do Departamento de Promoção da Saúde/Ministério da Saúde.
Na mesa, da esquerda para direita: Isabela Cruz (CONAQ),  Damiana Neto (AME),  Suelaine Carneiro (GELEDÉS), Maria Luiza Oliveira – Diretora de Proteção da Criança e do Adolescente (MDHC).

Direito à terra e à cultura

“A importância de manter a cultura tradicional é fundamental para se construir uma sociedade livre da discriminação”, é o que defende Rosijane Tukano, da Makira Eta. Segundo ela, crianças indígenas, quilombolas e de terreiro, por exemplo, diuturnamente são vítimas de racismo e preconceitos na escola. O espaço escolar foi criado para ser um ambiente onde todas as crianças, independentemente de língua, credo e raça deveriam ser acolhidas e respeitadas. 

Porém, de acordo com a liderança, para que sejam incluídas em uma escola convencional, as crianças indígenas, quase sempre, precisam abdicar da sua cultura e da sua língua. 

“As crianças são violentadas para se integrar à sociedade racista. O português não é a primeira língua dos indígenas, e sim a língua de cada povo”, explica Rosijane. 

Representante da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas – Conaq – Isabela Cruz expôs que é preciso garantir às crianças quilombolas o direito fundamental de conviver com a terra, pois “a terra não é apenas um espaço geográfico, mas uma entidade espiritual que compõe todos os aspectos da vida”.

“Precisamos garantir a titulação quilombola para assegurar a vida, a continuidade do povo tradicional. Devemos também garantir os direitos das mulheres, porque elas são as grandes cuidadoras”, disse Isabela. 

O direito à vida também pode ser estendido às crianças de religiões de matrizes africanas e de terreiro. Miriam Alves, representante da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde e do Conselho Regional de Psicologia, diz que entender a complexidade da dinâmica civilizatória que constitui as comunidades tradicionais de matrizes africanas é fundamental para as políticas públicas.

Participação do governo

Entender e ouvir as necessidades daqueles que estão marginalizados, muitas vezes pela ação da máquina pública, também é papel do Judiciário, afirma Laura Lúcia, representante da Defensoria Pública da União. Para ela, a legislação sempre traz nuances individuais de forma generalizada. Portanto, ouvir e compreender cada particularidade, “nos permite de fato conquistar a igualdade por meio dos recortes de raça, religião e etnia”.

“O racismo na infância está diretamente ligado à necropolítica que atinge a juventude negra”, é o que aponta Laís Helena Queiroz, representante da Diretoria de Combate ao Racismo da Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas, Combate e Superação ao Racismo do Ministério da Igualdade Racial. Durante o debate ela apresentou um mecanismo de enfrentamento ao racismo na infância: um canal de denúncia dentro da escola. Porém, ele somente funciona “desde que os profissionais que farão o acolhimento sejam afrocentrados e tenham letramento racial”. 

Já Maria Luiza Oliveira, diretora na Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania, reiterou a importância de projetos de lei que pensem a longevidade das crianças e, portanto, dos adultos negros e negras. De acordo com ela é importante que todas as crianças negras e indígenas fiquem velhas. “ A gente morre muito cedo. Envelhecer significa que a gente está vivendo”, disse. 

Planos e propostas

Prestigiando a audiência, a deputada Carol Dartora (PT-PR) pontuou a necessidade de garantir os direitos das mulheres, que são as principais responsáveis pelo cuidado. A parlamentar reiterou que infância e racismo são dois conceitos que se complexificam. “Assim, há a dificuldade de traçar e traduzir a identidade da criança negra em diversos ambientes sociais”. 

Eduardo Fernandes, coordenador-geral de Educação Étnico-Racial e Educação Quilombola do Ministério da Educação mostrou que o governo federal está focando em pautas e trabalhos centrais no combate ao racismo na infância, como o Criança Alfabetizada. Para o dirigente, só é possível entender o local do gestor ao pensar a política pública de forma estrutural, continuada e com financiamento e previsão orçamentária.

Versando sobre as questões de saúde e refletindo sobre a situação socioeconômica das crianças do país, Andrey Lemos, diretor na Secretaria de Atenção Primária, do Ministério da Saúde, pontuou que quase metade das crianças com até 7 anos de idade são assistidas pelo Bolsa Família, o que mostra situações de pobreza na infância. Ele destacou que, ainda assim, o projeto do atual governo está apontando uma direção que abarca todas as diversidades. 

Crianças no Centro

Grupo de crianças do projeto Territórios, realizado pela organização CEDECA/DF

O momento contou com a participação de crianças e adolescentes que integram o projeto Territórios Amigos das Crianças e Adolescentes, realizado pela CEDECA/DF, que atua na garantia e defesa dos direitos de crianças e adolescentes. Foi a primeira participação delas e deles em uma audiência pública.

Leia Também:

Primeira Infância no Centro

Grupo Articulador apresenta propostas para o enfrentamento ao racismo na primeira infância

ECA e os direitos de crianças e adolescentes negras e negros

+ sobre o tema

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

para lembrar

Lançamento analisa herança do educador Paulo Freire

Conceitos do pernambucano são tema de obra, que apresenta...

Lei que veta cursar 2 faculdades públicas juntas entra em vigor

A partir do ano que vem, um estudante não...

Câmara pode votar Plano Nacional de Educação em setembro

Os líderes de partidos na Câmara dos Deputados fizeram...

Monólogo paciente

COM APENAS UMA FALANTE FLUENTE, O IDIOMA POIANAUA É...
spot_imgspot_img

Taxa de alfabetização chega a 93% da população brasileira, revela IBGE

No Brasil, das 163 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 15 anos, 151,5 milhões sabem ler e escrever ao menos um...

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...
-+=