ECA e os direitos de crianças e adolescentes negras e negros

#primeirainfanciasemracismo 

No dia 13 de julho de 2022 comemora-se 32 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Trata-se de um momento de celebração, afinal é um direito conquistado pela sociedade, marcado pela participação popular e é um avanço na cultura de direitos. A celebração gira em torno de contemplar um instrumento jurídico-político que reelabora o olhar social sobre os direitos das crianças e adolescentes e sua participação na sociedade. O ECA demarca a transição entre a Doutrina da Situação Irregular, em que crianças e adolescentes eram vistas como sujeitos de direito apenas em contextos de irregularidades e ilegalidades, para a Doutrina da Proteção Integral, que representa um avanço no que diz respeito aos direitos sociais de crianças e adolescentes, referendado nacionalmente pela Constituição Federal de 1988 e por mecanismos internacionais como a ONU.

Ao falar do ECA em sua fundamentação, é importante olhar para o artigo 227 da Constituição Federal que declara:

“É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.” (Redação dada Pela Emenda Constitucional nº 65, de 2010)

Ao longo desses 32 anos foi possível perceber a importância do ECA, e também suas lacunas, principalmente no que diz respeito às crianças e adolescentes negros e negras, pois são eles e elas que permanecem muito próximos da doutrina da situação irregular, e afastados de todos os direitos sociais assegurados constitucionalmente e declarados no artigo 227. 

Convivemos com o fato de que a cada 23 minutos morre um jovem negro no Brasil; as crianças negras têm muito mais chances de morrer por causas evitáveis do que crianças brancas; as meninas negras são as principais vítimas de violência sexual; crianças e adolescentes negros são maioria nos índices de trabalho infantil, são também os mais desassistidos no acesso e permanência na educação básica; estão mais expostas e expostos aos conflitos territoriais seja nas periferias, nas comunidades quilombolas ou nos territórios indígenas; sofrem os impactos ambientais, a exemplo de crianças atingidas por barragens e grandes empreendimentos ambientais; foram as principais vítimas da orfandade causada pela  Covid-19, entre outras desigualdades que se estendem para todas as áreas de direitos  sociais. 

Nesse sentido, é imprescindível que haja um compromisso no engajamento de todos os agentes responsáveis pela garantia dos direitos de crianças e adolescentes, assim como por ações de proteção e cuidado a partir das desigualdades raciais, com políticas públicas direcionadas a crianças e adolescentes negros e negras, articuladas com as políticas e programas de enfrentamento ao racismo para a garantia de direitos e a prioridade absoluta.

Como saída para o rompimento com a invisibilização e tornar eficaz ações de proteção e a garantia de direitos de crianças e adolescentes negros, destaca-se a atuação política dos movimentos negros, que segundo Letícia Carvalho (2022), com sua atuação nos espaços de deliberação e proposição de políticas inclusivas e equânimes, em que a primeira infância negra é colocada no centro, todas as crianças e adolescentes são beneficiados. (CARVALHO, 2022, p.12)

Além do necessário fortalecimento da participação social, outro fator que evidencia a gravidade do cenário vivenciado por crianças e adolescentes no Brasil, em especial negras e negros, é a falta de investimento público. Esse é um cenário que se agrava a cada dia impactado pelo atual contexto político do país, pois há um desmantelamento de políticas públicas voltadas à promoção dessa parcela da população, em razão da negligência do governo na promoção e manutenção de políticas sociais, além de um posicionamento hostil aos movimentos sociais e as/os defensores de direitos humanos. Como se não bastasse, identificamos também no atual contexto uma narrativa de incitação ao ódio e à violência, além de outros posicionamentos em defesa de políticas de retrocessos, como a redução da maioridade penal. 

Em resposta a todas essas ameaças que os direitos das crianças e adolescentes vêm sofrendo no Brasil, é importante destacar a resistência da sociedade civil organizada e dos movimentos sociais. No dia 11 de julho, aconteceu uma audiência pública no Congresso Nacional com o tema: Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil: 32 anos do ECA, com a presença de representantes do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda): Diego Alves, Maria Fernandes do Couto e Erik Jonathan; representando a sociedade civil na coordenação da Frente Parlamentar Mista de Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente no Congresso Nacional a Letícia Leobet, de Geledés; o representante da Agenda 227, Veet Vivarta;  o médico pediatra do Hospital Presidente Vargas (Porto Alegre/RS), Alexandre Bublitz; e a Procuradora do Trabalho, Ana Maria Villa Real. A ação teve como objetivo apresentar o preocupante cenário, exigir o compromisso dos parlamentares com o enfrentamento dos retrocessos nos direitos das crianças e adolescentes, assim como com ações de ampliação e garantia de direitos.

Outra importante ação a destacar é a Agenda 227, um movimento da sociedade civil que tem como objetivo colocar crianças e adolescentes no centro da construção de um Brasil mais justo e inclusivo a partir das eleições de 2022, que de forma coletiva elaborou um conjunto de propostas políticas e de ações de governo a serem apresentadas às candidaturas à presidência da república, visando a incorporação nos planos de governo e sua execução a partir de 2023.

Quanto às ações de Geledés, é importante afirmar que sempre estivemos muito atentas e atuantes na garantia de direitos de crianças e adolescentes negras e negros. Atualmente, estamos em articulação com outras dez organizações, de todas as regiões do Brasil, que pactuam e elaboram estratégias de incidência política para a valorização das diversidades na infância, bem como para a efetivação do pleno desenvolvimento infantil a partir do enfrentamento ao racismo. São elas: AME, CEDENPA, COLETIVA MAHIN, CONAQ, CRIOLA, MÃE ANDRESA, IMENA, NZINGA, MAKIRA ETA E RENAFRO.

Entendemos que não é possível a efetivação da garantia de direitos sociais sem que haja como prioridade o enfrentamento ao racismo, desde a primeira infância. 

Para conhecer um pouco mais sobre essa iniciativa e outras relacionadas à garantia dos direitos das crianças e adolescentes recomendamos algumas de nossas publicações:

Primeira infância no centro: só existe o pleno desenvolvimento infantil a partir do enfrentamento ao racismo – https://www.geledes.org.br/primeira-infancia-no-centro/

Grupo Articulador faz incidência na Câmara dos Deputados para combater racismo na primeira infância – https://www.geledes.org.br/grupo-articulador-faz-incidencia-na-camara-dos-deputados-para-combater-racismo-na-primeira-infancia/

Infâncias indígenas e interculturalidade no Alto Rio Negro – https://www.geledes.org.br/infancias-indigenas-e-interculturalidade-no-alto-rio-negro/

Infância negra: uma (re)construção necessária – https://www.geledes.org.br/infancia-negra-uma-reconstrucao-necessaria/

Enfrentamento do racismo na primeira infância – https://www.geledes.org.br/enfrentamento-do-racismo-na-primeira-infancia/

Enfrentamento ao racismo desde a primeira infância: uma análise dos marcos legais sobre o tema – https://www.geledes.org.br/enfrentamento-ao-racismo-desde-a-primeira-infancia/


Referência:


CARVALHO, Leticia.  Enfrentamento ao Racismo desde a primeira infância: uma análise dos Marcos Legais sobre o tema. São Paulo, 2021. Disponível em: https://www.geledes.org.br/enfrentamento-ao-racismo-desde-a-primeira-infancia/ . Acesso em 13 jul. 2022

Leia Também:

https://www.geledes.org.br/infancias-indigenas-e-interculturalidade-no-alto-rio-negro/
https://www.geledes.org.br/infancia-negra-uma-reconstrucao-necessaria/

+ sobre o tema

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

CNU: governo decide adiar ‘Enem dos Concursos’ em todo país por causa de chuvas no RS

O governo federal decidiu adiar a realização das provas...

Geledés participa do I Colóquio Iberoamericano sobre política e gestão educacional

O Colóquio constou da programação do XXXI Simpósio Brasileiro...

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas,...

para lembrar

Símbolo de combate ao racismo, escola quer levar nome da escritora Carolina Maria de Jesus

"Os visinhos de alvenaria olha os favelados com repugnancia....

Unb oferece curso preparatório para candidatos negros à Pós-Graduação

Inscrições vão de 25 de fevereiro a 1º de...

Cresce presença de negros entre candidatos do Enem 2014: 58% dos inscritos

 Mais de cinco milhões de estudantes que farão o...

Desigualdades impõem grandes desafios à escola na ‘cidade-continente’

  Na capital paulista, desigualdade, concentração de serviços e especulação...
spot_imgspot_img

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a educação, formação, apoio a juventude e esportes, está com inscrições abertas para a edição 2024/25...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista), que atua em coalizão por meio da realização de pesquisas, incidência política, formações e campanhas...

CNU: governo decide adiar ‘Enem dos Concursos’ em todo país por causa de chuvas no RS

O governo federal decidiu adiar a realização das provas do Concurso Nacional Unificado (CNU), conhecido como "Enem dos Concursos", que seriam aplicadas neste domingo...
-+=