Heróis negros “invisíveis”

Brasil afora, sempre houve e há homens e mulheres pretos e pardos abrindo caminhos

Quando pensamos em antirracismo no Brasil é mais fácil lembrar de nomes do século 19 (como o do abolicionista Luiz Gama) ou de ícones do cenário internacional (como Martin Luther King) do que de nossos “heróis” contemporâneos?

A indagação foi feita pelo cientista político Ivair Augusto Alves dos Santos ao ler minha coluna “Os 60 anos de um sonho” (27/8). Segundo ele, a reiterada citação de personagens históricos ou estrangeiros apaga a atuação de figuras contemporâneas que estão na luta antirracista.

Reconheço a tendência de relativização do valor (ou será desvalorização?) da prata da casa. Então aproveito este espaço para fazer deferência a dois dos “heróis negros contemporâneos e invisibilizados” citados por Ivair.

Eduardo de Oliveira é um deles. Dedicou a vida à causa da equidade. Em 1963, sagrou-se o primeiro vereador negro eleito pela cidade de SP. Não é preciso esforço para imaginar a grandeza e o impacto desse feito. Homem de opiniões fortes, foi autor do “Hino à Negritude” e fundou o Congresso Nacional Afro-Brasileiro (CNAB). Tinha plena cognição sobre a falácia democracia racial e suas implicações: “Dizem que não existe raça e que o povo não tem mais referência racial, mas até pouco tempo tinha, para ser escravo, para trabalhar muito, para ficar na senzala, era a raça que servia.” Morreu em julho de 2012.

O outro é Ari Cândido Fernandes. Seu currículo abrange uma trajetória profissional com feitos nas áreas cinematográfica, literária e do fotojornalismo. Entre outras coisas, esteve exilado em Estocolmo, na Suécia, onde manteve contato com integrantes do movimento Panteras Negras. Como correspondente da guerra da Eritreia, na África, expôs a brutalidade de uma realidade pela qual poucos se interessam. Morreu no mês passado, no ostracismo.

Brasil afora, sempre houve —e felizmente há cada vez mais— homens e mulheres pretos e pardos abrindo caminhos, lutando por justiça social e servindo de inspiração.

+ sobre o tema

Brasil finalmente considera mulheres negras em documento para ONU

Finalmente o governo brasileiro inicia um caminho para a...

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas...

Instituto Geledés promove evento sobre empoderamento econômico para população negra

O Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta...

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

para lembrar

Um (singelo) tributo a Luiz Gama

Não sou eu graduado em jurisprudência, e jamais frequentei...

Obras completas de Luiz Gama são lançadas na Faculdade de Direito

Nesta sexta-feira, dia 1º, às 17h30, a Faculdade de...

15 poderosas fotos de Martin Luther King Jr.

15 poderosas fotos de Martin Luther King Jr. Nascido no...

Conheça Calvin Ellis, personagem que pode ser 1° Superman negro dos cinemas

As produções da Warner Bros. com heróis da DC...
spot_imgspot_img

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

O Brasil branco é um produto de cotas

Quem observa a oposição às cotas raciais nas universidades e no serviço público é capaz de pensar que o Brasil nunca adotou cotas anteriormente. Errado. O...

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...
-+=