Influenciadoras que deram banana e macaco de pelúcia para crianças são indiciadas por racismo

O caso veio à tona após a advogada Fayda Belo, especialista em direito antidiscriminatório, denunciar o fato. A advogada destacou que o vídeo apresenta o chamado 'racismo recreativo'.

A Delegacia de Crimes Raciais e de Delitos de Intolerância (Decradi) indiciou nesta segunda-feira (13) por racismo as influenciadoras Kérollen Cunha e Nancy Gonçalves, que deram uma banana e um macaco de pelúcia para duas crianças negras.

O indiciamento é referente à criança que recebeu o bicho de pelúcia. Atualmente, mãe e filha são investigadas em outros três inquéritos na Decradi.

O caso veio à tona em maio deste ano após a advogada Fayda Belo, especialista em direito antidiscriminatório, denunciar o fato. A advogada destacou que o vídeo apresenta o chamado “racismo recreativo”, que ocorre quando alguém usa de “discriminação contra pessoas negras com intuito de diversão.”

Rita Salim, delegada da Decredi e responsável pelo inquérito, afirma que a conduta da dupla foi considerada racismo, já que elas escolheram crianças negras e usaram dos artifícios de banana e macaco para presenteá-las.

“”A conduta delas é considerada como racismo, por conta da cor da pele, da raça [das crianças]. Mas, dentro do contexto, elas realizaram uma conduta que chamamos de racismo recreativo. Não é admitido você discriminar, constranger e usar de meios vexatórios para expor uma pessoa por meio de diversão. Isso é crime. Além disso, expor ao racismo é um agravante”, disse Salim.

“Esse indiciamento é da criança que recebeu como presente um macaco de pelúcia. Existem outros procedimentos que estão em fase de investigação.”

De acordo com a delegada, mãe e filha negaram que cometeram algum tipo de crime.

“Elas alegam que selecionam crianças para fazer uma brincadeira e que esses menores podem escolher dinheiro ou presente, e a criança ao abrir encontrou um bicho de pelúcia, um macaco. Elas disseram que era por brincadeira e não houve a intenção de ofender. Mas o fato é que existe uma brincadeira reiterada e elas sempre publicaram, nesse contexto [imagens] de crianças negras, pretas, bananas, macacos de pelúcia. O que se vê é que elas fazem isso só com crianças negras.”

A defesa afirmou que, em sua visão, a conclusão da investigação “não considerou devidamente a versão das acusadas e os elementos apresentados em seus depoimentos”. “Ressaltamos que os vídeos originais, sem edição, demonstram a ausência de dolo discriminatório, um aspecto fundamental que poderia justificar o arquivamento do inquérito. Esta falta de consideração por parte da investigação é uma preocupação significativa para nós e para o princípio da justiça imparcial”, acrescentou.

“Kérollen e Nancy estão firmes em sua crença na inocência e repudiam qualquer ato de racismo. Elas têm plena confiança na justiça e estão comprometidas em colaborar com as autoridades para assegurar um exame justo e completo de todos os aspectos deste caso”, disse outro trecho da nota da defesa.

Os vídeos que circularam nas redes sociais são de Kerollen, que tem um canal no qual publica vídeos junto com a filha, Nancy. As duas vivem no Rio de Janeiro. A dupla tem mais de 1 milhão de seguidores no Instagram, 13 milhões de inscritos no Tiktok e postam vídeos de assistencialismo, testes de maquiagem e pegadinhas.

Em um dos registros, Kérollen conversa com um menino negro em uma calçada e questiona se ele gostaria de ganhar um presente ou R$ 10. Ele opta pelo pacote, mas, ao perceber que se tratava de uma banana, responde “só isso?”, afirma que não gostou e sai andando. Nancy ainda diz: “Você gosta”.

Em outra gravação, Nancy para uma menina na rua e faz uma proposta similar, oferecendo a opção de a criança escolher entre R$ 5, ou uma caixa. A criança opta pelo “presente”, abre a caixa, vê que se trata de um macaco de pelúcia, aparenta ter ficado feliz, abraça o brinquedo e agradece à influencer.

O vídeo onde as duas crianças aparecem foram apagados.

Influenciadoras sem redes sociais

Em junho, a juíza Juliana Cardoso Monteiro de Barros, da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso da Comarca de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, determinou o bloqueio das redes sociais das influenciadoras Kérollen e Nancy.

O bloqueio foi para atender o pedido do deputado estadual Vitor Junior (PDT), que é membro da Comissão de Assuntos da Criança, do Adolescente e do Idoso da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Na decisão, a juíza ainda pediu investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) para apurar possíveis infrações ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em razão de “vídeos expondo crianças, adolescentes e idosos a situações vexatórias e degradantes”.

O pedido de bloqueio nas contas de Kérollen e Nancy é valido por seis meses. A determinação também impede que as influenciadoras criem novos perfis nas plataformas digitais. Caso a ordem seja descumprida, elas poderão ser multadas em R$ 5 mil por dia.

A decisão pelo bloqueio dos perfis nas plataformas YouTube, Instagram e TikTok da dupla indica ainda que os vídeos com conteúdo discriminatórios e vexatórios possam ter sido “monetizados”, gerando lucros para as influenciadoras. Além do bloqueio dos perfis das duas, a liminar pede a remoção dos vídeos suspeitos.

+ sobre o tema

Coração de bananeira

Quando eu tinha nove anos de idade, minha avó...

O Ladrão de Bicicleta e a nossa sociedade racista

Uma experiência didática sobre o privilégio de se nascer...

para lembrar

Tom Morello: “o racismo é tão americano quanto a torta de maçã e o beisebol”

O guitarrista Tom Morello falou sobre racismo e sua relação com...

O extermínio de jovens negros é projeto do governo do Rio

É assentada no extermínio dos jovens negros moradores de...
spot_imgspot_img

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...
-+=