Inscrições abertas para acolhimento psicológico de mulheres (gratuito)

De agosto a janeiro de 2022, a equipe da Casa de Marias vai acolher, de forma completamente gratuita, até 288 mulheres maiores de 18 anos nos serviços de atendimento psicológico* por meio de canais e/ou ferramentas adequadas para cada mulher atendida. O público alvo do projeto são mulheres negras, indígenas e/ou periféricas de todo o Brasil e será conduzido pelas profissionais da Casa de Marias, coordenada por um grupo de mulheres negras que atuam com olhar especial para as questões que envolvem classe, gênero, raça e território nas práticas de cuidado oferecidas.

As vagas são ofertadas em duas modalidades: os 1) grupos de acolhimento emergenciais e os 2) plantões de emergência, sendo disponibilizadas 40 vagas por mês nos grupos de acolhimento emergenciais abertos, com 1 encontro semanal com 10 vagas por semana, e até 8 vagas por mês de plantão psicológico ou triagem emergencial, realizando de 1 a 2 atendimentos por semana.

A primeira modalidade, o plantão psicológico para mulheres em situação de vulnerabilidade, é importante para acolher e compreender demandas pontuais e emergenciais. O plantão, nessa estruturação de serviço, funcionará como uma porta de entrada para outras modalidades de atendimento, com encaminhamentos para o trabalho terapêutico individual ou de grupo, quando necessário.

Já os grupos abertos de acolhimento emergencial, a segunda modalidade do projeto, uma equipe de três profissionais (duas psicoterapeutas e uma supervisora) irá conduzir um grupo rotativo de acolhimento, com frequência semanal, com no máximo dez participantes. Este grupo será constantemente aberto e poderia acolher diversos perfis diferentes de pacientes, e permite maior flexibilidade de adesão e continuidade por parte das mulheres atendidas.

INSCRIÇÕES

Para se inscrever no plantão psicológico entre em contato através do Whatsapp para fazer a inscrição, e verifique a disponibilidade para atendimento em até 24h. As vagas são abertas de acordo com a disponibilidade de agendamento. Para se inscrever no grupo de acolhimento emergencial aberto entre em contato através do mesmo canal e verifique a disponibilidade de vagas para o próximo encontro, no dia 1 de agosto. As vagas para o grupo reabrem toda segunda-feira e permanecem abertas até uma hora antes do encontro, na quarta-feira. 

* O projeto é coordenado por quatro psicólogas. O grupo de acolhimento emergencial será liderado pela psicóloga Camila Generoso (CRP 06/82630). Psicóloga e psicopedagoga, possui especialização em Desenvolvimento Infantil e aprimoramento em Psicanálise da Criança pela PUC-SP; e pela psicóloga Deisy Pessoa (CRP 06/157161), graduada em Psicologia com ênfase Clínica e Saúde Pública, com atuação na Atenção Psicossocial, trabalhando com a comunidade local do Capão Redondo em ações de inclusão de diversidades nas atividades artísticas terapêuticas oferecidas pelo CECCO.O plantão psicológico é liderado pela psicóloga Eneida de Paula (CRP 06/135390), psicóloga formada pela FMU, com especialização em Psicologia e Relações Raciais – Instituto AMMA Psique e Negritude e em Técnica de Estresse Pós-Traumático segundo Modelo Francine Shapiro – EMDR; e pela psicóloga Lucila Xavier (CRP 06/141984), psicóloga formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, com experiência de 5 anos como Acompanhante Terapêutica de crianças e adolescentes com TEA e estágios nas áreas de psicologia jurídica e clínica. Atualmente em formação no curso teórico vivencial de Psicologia e Relações Raciais do Instituto AMMA.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Ana Maria Gonçalves fala de leituras, escritas e produção literária negra

Em outubro, a Fundação Pedro Calmon/Secretaria de Cultura do...

25 de julho: A visibilidade da mulher negra e a luta para romper o silêncio

Mesmo pertencendo a maior parcela da população, uma vez...

Mãe Beata de Iemanjá

Beatriz Moreira Costa, nascida em 20 de janeiro de...

Tema recorrente na política, o aborto é um problema grave de saúde

Uma romaria de mulheres procura diariamente os hospitais públicos...

para lembrar

Djamila Ribeiro indica livros para ler durante isolamento por coronavírus

A filósofa e colunista de Marie Claire sugere obras...

Observatório identificará situações racista ou violência contra a mulher e LGBTs

Essas estruturas permitem ampliar o campo de visão e...

Onde está a bebê de Janaína, a mulher que sofreu laqueadura compulsória?

Há quatro meses, Janaína Aparecida Quirino, 36 anos, foi...

Paim anuncia lançamento da campanha Outubro Rosa, contra o câncer de mama

Em discurso no Plenário nesta terça-feira (4), o senador...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=