Jovens dançarinos vão levar o passinho para a Sapucaí

Enviado por / FontePor Fabíola Ortiz, do UOL

A Imperatriz Leopoldinense, a penúltima a desfilar na Marquês de Sapucaí no Rio de Janeiro na segunda-feira (16), pretende unir a dança do passinho que tem origem no funk ao samba. A ideia foi do coreógrafo Fabio Batista que garante que o passinho tem tudo a ver com as danças negras contemporâneas.

“O funk e os movimentos do passinho são muito tribais. A batida dos pés, a maneira como dançam e saltam, tem também elementos do frevo e da polca. É uma dança de estilo próprio, espontânea e de improviso”, observou Fabio.

Oito jovens, entre 14 e 22 anos, de um grupo de dança do Andaraí, na zona norte do Rio, irão fazer performances do passinho na primeira ala da escola, antes mesmo do carro abre-alas. Três meninas dançarinas e cinco rapazes irão compor a ala de 96 guerreiros zulus. “Haverá momentos na ala que os jovens se revelam e vão para a lateral dançar o passinho. Acho bacana o diálogo entre o passado tribal e a dança negra contemporânea”, disse ao UOL o coreógrafo.

Em homenagem ao negro, a Imperatriz Leopoldinense vai levar para a avenida o enredo “Axé, Nkenda! Um ritual de liberdade e que a voz da igualdade seja sempre a nossa voz”, sobre o preconceito racial, além de fazer um tributo a Nelson Mandela.

De início, Fabio admitiu que o carnavalesco Cahê Rodrigues teria ficado desconfiado, mas depois topou a ideia. “Todo ano falam do negro escravo (nos desfiles), a gente agora tem que apontar para as novas tendências. O enredo fala do negro na sua fase contemporânea e o passinho é uma nova tendência”, argumentou.

Ainda não é possível prever qual o impacto que o passinho vai causar na passarela do samba, mas Fabio se diz confiante ao arriscar. “Realmente será muito diferente em razão do impacto rítmico. O pessoal vai se surpreender. Já apresentamos para a própria comunidade da escola que aplaudiu muito”, contou.

O passinho tem feito sucesso nos ensaios da agremiação de Ramos. “Se soubesse que haveria tanta gente querendo dançar, eu já teria montado uma ala inteira de funk”, brincou.

Apesar de ritmicamente diferentes, na opinião de Fabio, o passinho e o samba guardam muitos elementos em comum. O samba já foi marginalizado assim como o passinho ainda é hoje ao enfrentar preconceito.

“Os dois têm muita similaridade. O samba começou como hoje é o funk, no gueto. E é dançando que o funk através do passinho será valorizado”, disse.

Leia Também:

Clipe do Passinho – Todo Mundo Aperta o Play

Jovens de favelas do Rio dançam em Nova York

Funkeiros protestam contra o racismo com duelo de passinho e MCs neste sábado, em Vitória

+ sobre o tema

Heidi Klum e Seal renovam os votos de casamento pela sexta vez

O casal marcou seu sexto aniversário de casamento com...

Festival Back2Black traz Prince ao Brasil após 20 anos

O cantor Prince foi anunciado nesta segunda-feira (11) como...

Novo disco de Shakira terá sons africanos

Shakira começou a trabalhar em seu oitavo álbum. A...

Snoop Dogg pode estrelar sitcom do canal NBC

Snoop Dogg pode estrelar uma comédia no canal norte-americano...

para lembrar

Morre Tia Dodô, a porta-bandeira do primeiro título da Portela

Morreu, nesta terça-feira, Maria das Dores Alves, a Tia...

Destaque da Vai-Vai Alexandra Loras fala sobre racismo: ‘Ricos veem negros como empregados’

Alexandra Loras, consulesa da França, foi destaque do abre-alas...

Observatório identificará situações racista ou violência contra a mulher e LGBTs

Essas estruturas permitem ampliar o campo de visão e...

Mangueira anuncia samba-enredo em homenagem à Marielle e mulheres que lutaram por direitos

  A Mangueira anunciou para 2019 um samba-enredo que homenageia...
spot_imgspot_img

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba do país, vai homenagear o cantor e compositor Milton Nascimento no carnaval de 2025. A...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria Lata D’Água’ – morreu na noite dessa sexta-feira (23), em Cachoeira Paulista, no interior de São...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A temperatura da cidade de São Paulo bate 33°C, mas lá fora, longe do meu ventilador,...
-+=