Justiça Federal barra deportação de migrantes vulneráveis na pandemia

Enviado por / FonteConectas

A Justiça Federal do Acre decidiu liminarmente nesta quarta-feira (19) impedir o governo brasileiro de deportar ou repatriar migrantes vulneráveis que cheguem às fronteiras e obrigou o país a aceitar pedidos de refúgio e de residência durante a pandemia de Covid-19.

A atual portaria interministerial sobre fronteiras proíbe a entrada de migrantes por via terrestre e aquaviária e estabelece que aqueles que tenham ainda assim entrado no país sejam impedidos de pedir refúgio.

A decisão da Justiça é uma resposta a uma Ação Civil Pública movida pela DPU (Defensoria Pública da União), Ministério Público Federal, Conectas Direitos Humanos e Cáritas Arquidiocesana de São Paulo. De acordo com as entidades, a portaria viola a Lei de Refúgio, a Lei de Migração e uma série de compromissos internacionais assumidos pelo Brasil em matéria de migração.

Em sua decisão, o juiz Jair Araújo Facundes, da 3a Vara Federal do Acre suspende os atos de deportação, repatriação e qualquer outra medida compulsória de saída de migrantes em condição de vulnerabilidade e interessados em obter acolhida humanitária ou refúgio no Brasil. Para o magistrado, novas deportações como as que ocorreram recentemente no estado “resultaria em severo risco à vida, à saúde e à integridade de pessoas aparentemente refugiadas, sendo parte delas formada por mulheres, grávidas, crianças e adolescentes”.

“Em uma situação de pandemia como a que estamos vivendo, acolher estas pessoas é uma decisão não apenas necessária, como humanitária. É perfeitamente possível conciliar o respeito às leis nacionais de migração e refúgio com protocolos sanitários de contenção da Covid-19”, declarou Camila Asano, diretora de programas da Conectas. “A Justiça Federal evita, assim, que se repitam situações lamentáveis de retiradas compulsórias ilegais de pessoas que se viram obrigadas a deixar seus países, justamente num momento tão grave de pandemia.”

De acordo com Asano, o governo já flexibilizou as restrições para permitir a entrada de estrangeiros com visto de residência de investidor e liberou a entrada de turistas, mas o mesmo não aconteceu com migrantes em situação de vulnerabilidade

“Os interesses econômicos estão sendo conciliados com as preocupações sanitárias. Infelizmente essa preocupação não acontece quando se trata de refugiados”, afirmou Asano. “A liminar concedida cria ainda maior pressão no governo federal para que a próxima portaria não tenha mais aspectos violadores de direitos humanos como a proibição do direito de se pedir refúgio no Brasil nem a discriminação contra quem venha da Venezuela.”

A atual portaria de fronteiras tem validade até o final do mês de agosto. O novo texto deve ser publicado pela Casa Civil na semana que vem.

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Comércio entre Brasil e África cresce 416% em 10 anos

  Os números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio...

Dilma sobre a campanha: ‘Sou outra pessoa, muito melhor’

Esbanjando bom humor, candidata petista diz que campanha foi...

para lembrar

Os migrantes e a tragédia do século

Numa semana repleta de fatos relevantes para o Brasil...

Premiê finlandês oferece sua casa de campo a refugiados

O primeiro-ministro da Finlândia, Juha Sipilä, afirmou neste sábado...

Angela Merkel sugere acordos com norte da África para enviar migrantes

Angela Merkel sugeriu fazer acordos parecidos com o acertado...

Pessoas sem pátria e terra: a crise mundial de migrantes e refugiados em 2021

Das multidões sob uma ponte na fronteira dos Estados Unidos com...

De migrante à empreendedora, ex-executiva impactou a vida de 10 mi de mulheres

Em abril de 1970, dona Maria Laudice dos Santos partiu com seis filhos, com idades que variavam de seis meses a oito anos, para...

Os 130 anos de uma família negra na Alemanha

O auditório está completamente lotado, quem não conseguiu assento apoia-se nas paredes ou na soleira da porta. O público absorve com atenção a história...

Pessoas sem pátria e terra: a crise mundial de migrantes e refugiados em 2021

Das multidões sob uma ponte na fronteira dos Estados Unidos com o México e venezuelanos caminhando pela América Latina aos campos de migrantes na Belarus e os esforços para realocar milhares de...
-+=