Juventude do PSDB reage a Coronel Telhada em Comissão de Direitos Humanos

No sábado (9), setores tucanos divulgaram nota em que “solicitam” que a bancada dos deputados do PSDB reveja a indicação do ex-oficial da Rota. Bancada da minoria questionará presidência da Casa

Por Eduardo Maretti, da Rede Brasil Atual

A indicação do deputado tucano Coronel Telhada para a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo não contrariou apenas os partidos de oposição ao governador Geraldo Alckmin, correligionário do ex-oficial da Rota. No sábado (9), a Juventude do PSDB em São Paulo divulgou nota em que solicita que a bancada reveja a indicação “em respeito ao compromisso histórico do partido com o tema”. O documento é assinado em conjunto com movimentos que atuam em assuntos de raça, LGBT e outros.

“A Juventude Estadual do PSDB, o Tucanafro, a Diversidade Tucana e o PSDB Esquerda para Valer, conjuntamente, através dessa nota, solicitam que a bancada dos deputados do PSDB reveja a indicação do Coronel Telhada para a Comissão de Direitos Humanos em respeito ao compromisso histórico do partido com o tema”, diz o texto.

O presidente do Diversidade Tucana estadual, Wagner Tronolone, afirmou que Telhada já fez declarações consideradas de cunho homofóbico pelo próprio PSDB e disse que a sigla tinha nomes melhores para indicar para a comissão. “Tem declarações dele que o próprio partido considerou homofóbica. Isso vai contra o programa do PSDB”, disse Tronolone.

A líder da minoria na Assembleia Legislativa de São Paulo, deputada estadual Beth Sahão (PT), se reúne nesta terça-feira (12) com o presidente da Casa, Fernando Capez (PSDB), para questionar a indicação do deputado tucano Coronel Telhada para a Comissão de Direitos Humanos. Telhada foi indicado por seu partido para o colegiado que se notabilizou, na última legislatura, presidida pelo ex-deputado Adriano Diogo (PT), por uma atuação importante, voltada à defesa dos direitos humanos.

Beth Sahão vai dizer a Capez que a presença de Telhada na comissão é uma “afronta”. “Pleitear é um direito de todos nós, só que temos a consciência de que a presença dele nessa comissão não vai se traduzir na defesa do que a gente vem conquistando a duras penas nessa área de direitos humanos no Brasil e no estado de São Paulo”, afirma.

O PT busca um acordo que mantenha o partido na presidência do colegiado na nova legislatura. Mas a tarefa ficou mais difícil pelo fato de a bancada da legenda (e da própria oposição) estar menor do que na legislatura passada. O PT tem hoje 14 deputados, ante 22 na legislatura encerrada em março.

Em caso de negociações levarem um petista à presidência da comissão, a própria Sahão seria forte candidata. Entre os governistas, o deputado Carlos Bezerra Jr., que tem bom trânsito entre setores “progressistas do PSDB” e também bom diálogo com a oposição, é um nome que agradaria alas mais arejadas dentro do próprio PSDB.

Leia Também:

Coronel Telhada é nomeado para Comissão de Direitos Humanos em São Paulo

A PM-SP revela sua ideologia em nota oficial

+ sobre o tema

STF anula títulos de fazendas em reserva indígena da Bahia

Ação protocolada pela Funai tramitava no Supremo desde 1982....

A promoção da igualdade racial pelas empresas – Por Reinaldo Bulgarelli

Neste artigo, o educador Reinaldo Bulgarelli, especialista em diversidade,...

A grande mídia e a desigualdade racial

Fonte: Carta Maior - Por Venício Lima Pesquisa do...

A hipocrisia do aborto no Brasil

A médica Neide Machado foi achada morta dentro de seu carro...

para lembrar

A imprensa e a luta contra o racismo

Esquizofrenia. Essa foi a doença utilizada para justificar a...

Fundadora da Feira Preta vence o Troféu Grão do Empreendedor Social 2019

Empresária acelera negócios criados por empreendedores negros por meio...

Entre sucessos e fracassos, ONU repensa Objetivos do Milênio

Trata-se de um plano ambicioso que as Nações Unidas...

Pesquisadores propõem nova pílula no SUS para prevenir Aids

Uma pílula que previne o HIV é a nova...
spot_imgspot_img

Cimi registra ataques a povos indígenas em três estados

Os conflitos entre produtores rurais e grupos indígenas continuam no Mato Grosso do Sul e Paraná. De acordo com publicação feita neste sábado (20) pelo Conselho...

Movimento Negro cobra e Brasil se posiciona na ONU sobre agenda racial

Nesta quarta-feira, 17, durante a sessão do Fórum Político de Alto Nível nas Nações Unidas, em Nova York, Geledés – Instituto da Mulher Negra...

46º Prêmio Vladimir Herzog: inscrições prosseguem até 20 de julho

Termina no próximo sábado, 20 de julho, o prazo para inscrições ao 46º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos (PVH).  A premiação...
-+=