sexta-feira, maio 27, 2022
InícioQuestões de GêneroLGBTQIA+LGBTfobia na política pode se agravar em 2022

LGBTfobia na política pode se agravar em 2022

Em desvantagem nas pesquisas, Bolsonaro deve concentrar ataques nesse grupo. Políticos assumidamente gays também temem que aliados do presidente ressuscitem "pauta de costumes" para agitar eleitorado conservador.

O clima de hostilidade, ataques e ameaças a políticos assumidamente homossexuais ou LGBTQI+ tem ficado evidente em vários episódios recentes dentro das instituições políticas do Brasil, ainda que, para o eleitor médio, a preferência sexual ou a identidade de gênero do candidato afete cada vez menos o voto na urna – pelo menos se considerados os grandes centros urbanos do país.

Políticos LGBTQI+ são alvos preferenciais da extrema-direita e devido ao clima polarizado deste ano de eleição presidencial no Brasil muitos deles já temem que a pauta de costumes e a ideologia de gênero sejam temas ressuscitados no Congresso Nacional pelos aliados de Jair Bolsonaro, o que serviria de munição contra a centro-esquerda e contaminaria o debate eleitoral.

A maior rejeição a Bolsonaro, segundo mostrou sondagem do Instituto Datafolha, feita em dezembro do ano passado, se concentra exatamente em homossexuais e bissexuais: 83% não votarão no atual presidente em hipótese alguma.

Com a crítica situação econômica do país, Bolsonaro tem perdido espaço entre o eleitor evangélico de baixa renda para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e deve utilizar esse debate conservador para tentar segurá-los em seu entorno.

“Bolsonaro tenta assustar esse público evangélico com bizarrices, como dizer que ‘seu filho pode virar mulher com 7 anos’. Hoje existe, entre os evangélicos não ideológicos, um respeito muito maior com a causa LBGTQ, mas é claro que eles são resistentes ao tema”, explica Renato Dorgan, especialista em marketing político-eleitoral, pesquisas qualitativas e quantitativas e sócio-proprietário do Instituto Travessia-Estratégia e Marketing.

Dorgan acredita que o homossexualidade na política tem gradualmente deixado de ser um grande tabu, sobretudo depois de 2015, 2016, algo que observa nas pesquisas qualitativas que conduz com o eleitor brasileiro. Mais da metade da população aprova a união homoafetiva, de acordo com pesquisas recentes.

“Tanto que agora o Eduardo Leite (governador do Rio Grande do Sul) se assumiu homossexual, mesmo sendo pré-candidato à Presidência”, pontuou o especialista. Leite perdeu as prévias no PSDB para o governador de São Paulo, João Doria, mas assumiu a opção sexual sem constrangimento no meio de 2021, quando tentava se credenciar como o candidato à Presidência da República.

Logo após a declaração do governador do Rio Grande do Sul, uma sondagem feita pelo Instituto Paraná Pesquisas, em julho de 2021, revelou que 75,9% dos brasileiros não alterariam seu voto se o candidato à Presidência fosse gay: 13,7% admitiram que vontade de votar no candidato diminui, enquanto para 5,8%, aumenta. A pesquisa foi feita em municípios das 27 unidades da Federação, com margem de erro é de 2 pontos percentuais. A sondagem apontou que a maior resistência a um candidato homossexual vem de homens com mais de 60 anos e residentes no sul do país.

Extrema-direita usa homofobia como estratégia por votos, diz Jean Wyllys

“O atual governo se elegeu por meio da homofobia”, disse à DW Brasil o ex-deputado federal Jean Wyllys, recém-filiado ao PT. Gay, Wyllys tinha embates diretos com Bolsonaro no período em que ambos eram deputados e chegou a cuspir na cara do hoje presidente quando ele exaltou o torturador Brilhante Ustra ao votar pelo impeachment de Dilma Rousseff, em 2016. O jornalista e escritor abriu mão do mandato por sofrer ameaças de morte e inúmeros ataques. Wyllys advoga que “parte da extrema-direita usa a homofobia para ascender eleitoralmente”, tema que já abordou em livros e artigos recentes.

Ele explica que renunciou ao mandato por ter recebido ameaças de morte, que se estenderam inclusive a membros de sua família, além de ter sido alvo de uma “pesada e bem financiada campanha de difamação e assassinato” de sua reputação através de “mentiras sórdidas”.

“Estava óbvio para mim que, depois do assassinato covarde e brutal de Marielle Franco, as ameaças não se restringiriam a ameaças. Estava igualmente claro para mim – mas não para a esquerda em geral e muito menos para meu antigo partido, infelizmente, apesar das sucessivas denúncias que eu fiz – que aquele ataque não era apenas a um indivíduo ou ao indivíduo Jean Wyllys. Tratava-se de um ataque brutal a tudo que eu representava e represento”, diz.

O fato de ser um político gay assumido e ativista, complementa Wyllys, o transformou num “catalisador fácil de ódios e ressentimentos de uma sociedade historicamente homofóbica e racista”. Para ele, a esquerda não compreendeu que ataques a pessoas com o seu perfil “obedecem à mesma lógica da tentativa de destruição da imagem de Lula”.

“A hostilidade homofóbica era mais explícita da parte dos homens heteros parlamentares, principalmente os evangélicos neopentecostais e/ou ligados às forças de segurança. O que não quer dizer que não houvesse atitudes homofóbicas por parte de alguns parlamentares de esquerda e por parte de mulheres de direita”, contou.

A despeito dos indicativos de pesquisas de marketing eleitoral, Wyllys assegura que os brasileiros não elegeriam hoje um presidente gay e que os que agora estão no poder querem evitar que isso também seja possível no futuro.

“O atual governo se elegeu por meio da homofobia”, diz o ex-deputado federal Jean Wyllys/DW/C. Neher

Para senador gay, “é preciso ter coragem para esse enfrentamento”

Foram marcantes algumas cenas, na Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia (CPI da Covid), no Senado, em que o senador capixaba Fabiano Contarato, na época filiado ao Rede, falou sobre sua opção sexual e sua família. Casado, ele e o companheiro adotaram duas crianças.

“O Brasil precisa começar a reverter séculos de políticas estruturais machistas, racistas e LGBTfóbicas. Entrei na política com a visão de que é preciso ter coragem para esse enfrentamento.”

Contarato, agora filiado ao PT e possível candidato da sigla ao governo do Espírito Santo, enfatiza que todas as conquistas recentes no país para a comunidade LGBTQIA+ foram resultado de decisões judiciais, e não surgiram pela via política.

“O direito de adoção é, sem dúvida, um dos mais importantes. Assegura um direito básico às famílias homoafetivas e possibilita que estas se constituam em pé de igualdade com as demais. O fato, no entanto, de este ainda não ser um direito inscrito na legislação brasileira gera insegurança quanto a uma possível reversão.”

O Congresso, na visão do senador, negligencia o debate sobre proteções e direitos LGBTQI+. “Sou o primeiro senador abertamente gay, e espero ter aberto portas para que outros venham em futuro próximo. Humildemente, espero que o nosso mandato sirva de inspiração para outros homens gays, para mulheres lésbicas, para pessoas transexuais e travestis. A política é para todos e todas, ainda que nós tenhamos que lutar muito mais para chegar lá.”

Como pautas vitoriosas ele cita a aprovação do aumento de pena para quem cometer crime motivado por discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional ou orientação sexual. “A Casa também aprovou o projeto de lei 2353/2021, de minha autoria, que proíbe a discriminação de doadores de sangue com base na orientação sexual.”

“Sou o primeiro senador abertamente gay, e espero ter aberto portas para que outros venham em futuro próximo”, diz Contarato/Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Resistência é maior na Câmara

Já na Câmara, diz o deputado federal David Miranda (Psol-RJ), suplente que assumiu o mandato na vaga de Wyllys, as pautas LGBTQI+ pouco avançam, sobretudo pela resistência das bancadas evangélicas, armamentista e da ala conservadora do agronegócio. Ele estima que há cerca de 40 projetos de interesse dessa população tramitando na Câmara, sendo 50% com uma abordagem mais progressista, e 50% com visão preconceituosa e pejorativa.

“Essa pauta não anda, e se for para o plenário paralisa o Congresso. Tanto parlamentares progressistas quanto os conservadores tentam usar essas pautas para se promover. Nesse ano vai acontecer isso, com certeza.” Miranda prevê que o grande embate se dará em torno do projeto que determina que banheiros públicos sejam unissex, o que evitaria constrangimentos para as pessoas trans. “Bolsonaro vai tentar usar esse debate do banheiro transgênero para falar mal de um eventual governo Lula”, afirma Miranda.

O deputado é casado com o jornalista Glenn Greenwald, que trouxe à tona no site The Intercept Brasil mensagens do ex-juiz Sergio Moro com procuradores que atuaram na Operação Lava-Jato. A “Vaza Jato”, como o caso ficou conhecido no Brasil, propiciou a desmoralização da Lava-Jato e culminou na decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a suspeição de Moro para julgar Lula.

A Vaza Jato, diz o deputado, o transformou num alvo específico da extrema-direita;. “Recebemos ameaças de morte, eu, meu marido, meus filhos, minha mãe. Fomos atacados em todos os níveis. Fizeram fake news com nossos nomes, nossas vidas. Mas também houve muita defesa, e foi bonito ver um campo acolhedor e de bastante respaldo”, afirmou.

David Miranda anda com escolta de segurança privada, diariamente. Ele diz que não recebeu autorização da presidência da Câmara, comandada pelo deputado bolsonarista Arthur Lira (PP-AL), para contar com a segurança da Polícia Legislativa. “A Câmara parou de me dar segurança, embora tenha um parecer favorável da Comissão Parlamentar em Genebra. Estou pagando com meu dinheiro, não reclamo. Mas exerço uma função pública e sou ameaçado por isso, e não tenho proteção no estado do Rio.”

A DW Brasil solicitou informações à presidência da Câmara sobre o número de parlamentares que contam com segurança da Polícia Legislativa por sofrerem ameaças e questionou o caso de Miranda. “Por questões de segurança, as informações sobre escolta de parlamentares têm caráter sigiloso”, informou, por e-mail, a assessoria de imprensa da Casa.

Artigos Relacionados
-+=