Luana Génot: estar em um relacionamento inter-racial não é sinônimo de que o racismo acabou

Temos colocado a discussão sobre o racismo estrutural em nossas mesas e tentado quebrar vários tabus todos os dias

Por Luana Génot, do O Globo

Luana Génot  (Foto: Alexandre Cassiano/Agência O Globo)

“O futuro é mestiço”, gritou um senhor, quando me viu passando de mãos dadas com o Louis, anos atrás. Aquele homem não estava de todo errado. Louis, homem branco, e eu, mulher preta, casamos e tivemos Alice, que é parda. Temos colocado a discussão sobre o racismo estrutural em nossas mesas e tentado quebrar vários tabus todos os dias. Fácil não é.

Não é incomum perguntarem ao Louis se Alice é adotada ou atrairmos olhares de curiosos quando vamos nós três a um restaurante. E essa não é uma história só nossa. Muitos casais inter-raciais já passaram por situações parecidas. Não podemos normalizar esse estranhamento e o tratamento diferenciado.

Será que estamos todos juntos e misturados mesmo? Seria impossível explicar a complexa lógica de relacionamentos inter-raciais no Brasil em poucas linhas, sob uma única perspectiva e, ainda por cima, levando em conta um histórico de quase quatro séculos de escravidão somados às subjetividades que incidem sobre a construção das relações sociais e afetivas.

Entendo que não dá para romantizar o histórico da mistura das raças no Brasil. Trata-se de algo também atrelado a uma estratégia de embranquecimento da população, que tinha como ideal uma “melhoria racial” do país, a partir do gradativo clareamento da pele, associado a uma lógica equivocada de aprimoramento intelectual. Essa história, muitas vezes, não é contada.

Hoje, o relacionamento inter-racial é, inclusive, medido pelo IBGE. As pesquisas sobre nupcialidade estudam os perfis de união das pessoas, seus sexos, raças e idades, entre outras questões, para a produção de dados e análise de informações sobre as dinâmicas sociais. Será que o amor realmente não vê cor?

Idealmente, pessoas são mais do que as cores de suas peles. E o amor (ah, o amor) aproxima indivíduos independentemente da raça ou da condição social. Mas não é só o que acontece: 70% dos brancos se relacionam com pessoas da mesma cor. Esta mesma lógica tende a ser também reproduzida nos crushes dos aplicativos. Não é incomum ouvir de amigas brancas: “Miga, ontem peguei um Deus grego”, que é sempre um homem branco. Por que será?

Endeusar a beleza branca não é um acaso. Amigas e estudiosas observam que, por conta do racismo e da matriz eurocêntrica estabelecida, homens brancos seriam o padrão preferencial de beleza e nos relacionamentos. Outras defendem que o afeto entre negros fica mais forte, conforme aumenta o letramento racial. “Pretos e pretas estão se amando”, diria Rincon Sapiência. Algumas apontam que as mulheres negras são preteridas, inclusive por homens negros, ainda como consequência da lógica escravocrata. Elas defendem, portanto, que relacionamentos inter-raciais para mulheres negras não seriam necessariamente uma questão de preferência por brancos, mas também alternativa à solidão. Não é dois mais dois.

Existem, inclusive, termos que ganharam popularidade nessa discussão. Se o homem negro tem uma mulher branca, ele pode ser vulgarmente chamado de “palmiteiro”. A expressão seria, portanto, atribuída aos que preferem o “fruto branco”, o palmito. Há quem defenda o uso extensivo do termo a mulheres negras em relacionamentos inter-raciais, mas não é uma unanimidade.

Certa vez, uma moça disse que deixaria de me seguir nas redes sociais por ter descoberto que eu tinha um relacionamento inter-racial. Respeito. Recebo, ainda, outras tantas histórias de pessoas que, ao descobrirem nossa composição familiar, compartilham suas histórias. Também respeito. De todo modo, acredito que, quando julgamos pessoas só com base em seus relacionamentos, nos limitamos muito e perdemos o jogo contra o racismo.

Aprendi nessa jornada que um casal inter-racial não é sinônimo de que o racismo acabou nem de que o antirracismo venceu. Os discursos e as atitudes são construídos diariamente. Há um combate a piadas racistas nos grupos de família, por exemplo, ou apenas deixam para lá? Mais do que amar, é possível sair da passividade e ir para a atividade. Amar pode ir além do verbo intransitivo.

+ sobre o tema

‘Sense8’, série da Netflix, terá cenas gravadas em São Paulo durante a Parada do Orgulho LGBT

Os fãs paulistanos de Sense8 podem comemorar. Em breve a cidade...

Desfazendo Gênero reunirá 1.500 pesquisadores e ativistas em Salvador

Faltam poucos dias para Salvador receber o II Seminário...

Escolas unidocentes e turmas multisseriadas em escolas urbanas

ELAS SÃO UMA DAS MAIORES INOVAÇÕES NO ENSINO NO...

para lembrar

Site busca voluntários para atacar feministas com ácido sulfúrico

Administradoras da página Feminismo Sem Demagogia e familiares receberam...

Conversa de Portão #4: A literatura de Cidinha de Silva

Cidinha da Silva, 53, é uma escritora prolífica e...

Empresa de João Pessoa seleciona travestis e transexuais; veja como concorrer

Para participar da seleção os interessados devem ser maiores...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=