Lucia Murat desmente jornal e declara voto em Dilma

A cineasta veio a público desmentir insinuações de que votaria em Aécio Neves

Por Redação

A cineasta Lucia Murat (Quase dois irmãos) veio a público desmentir uma reportagem veiculada no jornal O Globo. O impresso publicou uma nota em que tratava de um manifesto de profissionais do audiovisual destinado aos candidatos à presidência Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB). Segundo a diretora, a publicação descontextualizou a iniciativa e deu a entender que ela apoiaria o candidato tucano.

“Assinei um documento apartidário sobre problemas na área de audiovisual que deveria ser entregue aos dois candidatos e que foi publicado no jornal O Globo de hoje. Infelizmente, com meu nome em destaque, a matéria insinua que esse seria um manifesto pro-Aécio”, explica a diretora.

Posteriormente, Lucia Murat diz, em sua carta, que foi publicizada pela também cineasta Tata Amaral (Antônia), que vota em Dilma “não em causa própria”, mas por conta das transformações ocorridas no interior do Brasil.

“Voto em Dilma porque cada vez que viajo para o interior, vejo que as coisas mudaram. Onde antes era miserável, as pessoas hoje comem. Voto em Dilma porque quando chego no aeroporto vejo os ex-imigrantes nordestinos viajando para visitar suas famílias. Voto em Dilma porque em Buenos Aires já encontrei um grupo de empregadas domésticas que economizaram para lá passar suas férias”, explica Lucia Murat.

A seguir, confira a carta da cineasta na íntegra:

“Assinei um documento apartidário sobre problemas na área de audiovisual que deveria ser entregue aos dois candidatos e que foi publicado no jornal ‘O Globo’ de hoje. Infelizmente, com meu nome em destaque, a matéria insinua que esse seria um manifesto pro-Aécio.

Queria esclarecer primeiro que esse era um documento sobre problemas da nossa atividade e que não havia qualquer intenção de apoiar qualquer candidato. Além disso, eu voto em Dilma.

Não voto em Dilma em causa própria. Minha vida de elite, classe média, branca, cineasta vai muito bem obrigada e não deverá mudar com uma mudança de governo.

Voto em Dilma porque cada vez que viajo para o interior, vejo que as coisas mudaram. Onde antes era miserável, as pessoas hoje comem. Voto em Dilma porque quando chego no aeroporto vejo os ex-imigrantes nordestinos viajando para visitar suas famílias. Voto em Dilma porque em Buenos Aires já encontrei um grupo de empregadas domésticas que economizaram para lá passar suas férias. Com uma felicidade indescritível. Voto em Dilma porque os estudantes universitários brasileiros hoje tem acesso ao exterior com inúmeras bolsas.

Tem correções a fazer? Muitas. Não gosto de burocracia, aparelhamento e muito menos de um desenvolvimentismo à custa da ecologia. Mas se todos nós, preocupados com a realidade social e mais tudo isso, votarmos em Dilma, seremos uma força de pressão e de diálogo para que todas essas questões estejam em pauta no próximo Governo.

Lúcia Murat”.

Foto: UFRJ

 

 

 

Fonte: Revista Fórum 

+ sobre o tema

Leonardo Boff: Dez lições da crise brasileira

Toda crise acrisola, purifica e faz madurar. Que lições...

Bolsonaro para os pobres, Paulo Freire para os ricos

A elite brasileira, que adora odiar Freire, compra a...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

Hélio Santos rebate artigo de Serra sobre raça

Fonte: Folha de São Paulo – Painel do leitor...

para lembrar

Delfim Netto pede desculpas às empregadas domésticas

Termo usado por ele em programa de TV foi...

A “empregada” no centro de uma sociedade cindida

“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, segue linhagem...

Número de domésticas diminui no País

Fatia dos empregados domésticos na população ocupada caiu para...

Líder de luta das domésticas receberá título de doutora honoris causa

Uma das pioneiras da luta das trabalhadoras domésticas no Brasil, a sindicalista e ativista Creuza Oliveira vai receber o título de doutora honoris causa concedido pela...

Acúmulo de funções e falta de registro: domésticas relatam dificuldades para conseguir direitos básicos

Dez anos depois da PEC das Domésticas, trabalhadoras do setor em todo o país ainda lutam por direitos básicos. Em Salvador, a equipe conversou várias...

Diarista é proibida de esquentar marmita no RJ: ‘Só pra moradores’

A faxina programada para segunda-feira (27) não durou nem até a metade do dia. A diarista Marcelle Oliveira, 34, tinha ido fazer seu trabalho...
-+=