Ludmilla inicia transição capilar: “chegou a hora de ser eu mesma”

A cantora Ludmilla revela que está em transição capilar – processo que consiste em recuperar a forma natural dos fios e abandonar de vez a química. Com a necessária queda de diversas regras capilares, o número de mulheres que passam por esse momento é cada vez maior. “Eu acho isso maravilhoso, transformador. As mulheres estão mais corajosas e se aceitando como naturalmente são”, diz a cantora em entrevista à ELLE. Os fios naturais muitas vezes têm uma história de delicadeza e força: o primeiro alisamento da cantora, por exemplo, foi feito aos sete anos de idade, sendo essa escolha uma etapa importante em sua vida. Ela tem o acompanhamento da Salon Line, que produz cosméticos experts em tratamento para cabelos crespos, cacheados e em transição, da qual ela é a nova embaixadora. Confira, abaixo, como está sendo este momento para a cantora e sua motivações:

Como é a sua relação com o cabelo? O que ele significa para você?

É uma relação de amor, ele me deixa confiante, melhora minha autoestima. Sempre me importei com o cabelo, desde criança, mas não aceitava os meus cachos. Estudava em colégio particular, e sofria preconceito por não ter o cabelo liso, não entendia por que eu era diferente. Hoje eu sei que ser diferente é maravilhoso, libertador. 

Desde quando você era adepta do alisamento, por que decidiu iniciar a transição e de onde veio essa ideia? 

Há um ano eu resolvi passar pela transição capilar. Cortei meu próprio cabelo curtinho e tirei toda química fora. Desde criança eu não usava meu cabelo natural, nem sabia muito bem como ele era. Resolvi passar pela transição para redescobrir a minha beleza natural, meu cabelo estava muito quebrado e sem vida. Como já conhecia os produtos da Salon Line, tomei essa decisão para que meu cabelo crescesse de forma saudável. Não quero mais ser refém das laces, apliques e acessórios, amo mudar, mas chegou a hora de ser eu mesma também.

Alguma mulher te inspirou a tomar essa decisão?

Não me inspirei em ninguém especificamente. Mas vejo tantas mulheres com o cabelo black power ou cacheados e acho tão lindo, estiloso, e isso me fez pensar. É uma decisão muito difícil, precisa ter muita paciência porque o processo é demorado, mas com certeza vale a pena.

Você já sofreu preconceito pelo seu cabelo natural?

Sim, muitas vezes, principalmente na época do colégio. Descobri que ele é diferente, e que eu não preciso seguir padrões para ser quem eu sou. Respeitar as diferenças deveria ser um sentimento obrigatório na nossa sociedade. Infelizmente o preconceito existe, mas tenho fé que um dia isso irá mudar.

Quais são suas expectativas para o período? Tem algum receio? 

Eu sou mulher, eu sou vaidosa. Uso apliques, laces, lenços, isso tudo porque ainda estou me descobrindo, me transformando! Foi assim que escolhi passar por essa fase. A expectativa é muito grande, não é um período muito fácil. Tem todo um processo para a recuperação do fio, tem que hidratar, nutrir e fazer a reconstrução dos fios. Não é só cortar e esperar crescer, requer muito trabalho e paciência para que o cabelo cresça saudável e bonito. Então é natural ficar ansiosa, ficar imaginando como ele vai ficar, quanto tempo vai demorar, qual será o resultado. Mas meu cabelo vai crescer e eu tenho certeza que vou arrasar com o meu black

+ sobre o tema

A SAGA DE MANOEL CONGO

Fonte: IPAHB - Um escravo de nome Pedro,...

Musical mostra a nobreza e o fino do samba

"Tudo foi pensado para ser simples. Para ser direto,...

IZA, Ciara e Major Lazer arrasam no deserto em clipe de Evapora; veja

A brasileira IZA juntou forças com Ciara e Major...

União Africana atribui crise a instituições financeiras

Fonte: Lusa Agência de Portugal Luanda, 25 mai (Lusa)...

para lembrar

Literatura afrodescendente: uma proposta de diálogo entre Maria Firmino dos Reis e Conceição Evaristo

por Robson Lacerda Dutra1Vanessa Figueiredo2  no e-Scrita RESUMO: Baseados em...

12 depoimentos que mostram que vale a pena discutir música e racismo no Brasil

Semana passada postei um artigo no Medium sobre como...

Quvenzhané Wallis 9 anos, é a atriz mais jovem indicada na categoria de Melhor Atriz ao Oscar

Quvenzhané Wallis entrou para a história do cinema , com...

Evento Diálogos Insubmissos de Mulheres Negras leva autora Conceição Evaristo à Flipelô

Escritora, poetisa, romancista e ensaísta, Conceição Evaristo, 70 anos,...
spot_imgspot_img

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...
-+=