Luedji Luna e Margareth Menezes amplificam as vozes das mães pretas do Brasil em show no Rio

Enviado por / FontePor Mauro Ferreira, do G1

Cantoras baianas se encontram em apresentação altiva no festival 'Doce maravilha'.

♪ DOCE MARAVILHA – Com programação pautada por encontros e orquestrada pelo curador Nelson Motta sem os vícios de escalação de eventos similares, a primeira edição do festival Doce maravilha – atração da Marina da Glória, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), neste fim de semana – promoveu a inédita reunião em cena de Luedji Luna com Margareth Menezes, cantora e Ministra da Cultura do terceiro mandato do presidente Lula.

Separadas por gerações, mas amalgamadas pela mesma origem soteropolitana e pela negritude, as cantoras baianas reforçaram o elo entre solos e duetos do show apresentado na noite de ontem, 12 de agosto, no Palco Mangolab.

Luedji e Margareth entraram abraçadas em cena ao som de Cordeiro de Nanã (Mateus Aleluia e Dadinho, 1977), música dos grupos Os Tincoãs que soou como canto de superação do povo preto após séculos de luta por justiça e igualdade.

Foi o início do que Luedji caracterizou no palco como “noite extremamente simbólica onde a gente celebra as vozes das mulheres negras do Brasil”.

A teoria foi posta na prática quando Margareth, após reviver o hit tribalista do qual é coautora, Passe em casa (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Marisa Monte e Margareth Menezes, 2002), chamou Luedji de volta ao palco para juntas darem vozes à música Mãe preta (2019), composta por Luedji – em parceria com Ravi Landim – para o mais recente álbum de Margareth, Autêntica (2019).

Antes, em momento solo, Luedji Luna tinha evocado a força ancestral feminina das águas ao cantar É d’Oxum (Gerônimo e Vevé Calazans, 1985).

Saudada pelo público com o coro de “Ministra! Ministra!”, Margareth amplificou a força do afro-pop-brasileiro ao reverberar o samba-reggae Faraó (Divindade do Egito) (Luciano Gomes, 1987) – com direito a improviso em verso para encaixar na letra o nome do festival Doce maravilha – e ao dividir com Luedji Luna o canto de Dandalunda (Carlinhos Brown, 2001), outro grande sucesso da cantora projetada em 1987. Fecho de ouro para show altivo que expôs a fraternidade entre duas belas vozes da Bahia preta.

+ sobre o tema

Rihanna posa à la Marilyn Monroe para revista

Rihanna posa à la Marilyn Monroe para revista. Rihanna gostou...

Oprah recebe um Oscar por seu trabalho humanitário

A apresentadora, atriz e produtora Oprah Winfrey, que dominou...

Nasce Ivy Blue Carter filha de Beyoncé e Jay Z

A cantora Beyoncé e o rapper Jay-Z tiveram sua...

Cabelos de Sheron Menezzes são referência fashion para a moda da mulher negra

Cabelos de Sheron Menezzes são referência fashion para a...

para lembrar

Salvador: Projeto oferece show da nova black music baiana na Barroquinha durante Carvaval

Shows gratuitos de Nara Couto, Larissa Luz, Opanijé, O...

Todos saúdam a rainha: Beyoncé reina após quebrar recordes do Grammy

Beyoncé chegou ao Grammy nesse domingo (14) com nove...

Morre o Maestro Estevão Maya-Maya aos 78 anos

O maestro, cantor, compositor, escritor e professor Estevão Maya-Maya morreu na...
spot_imgspot_img

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos festivais de música no país, terá como uma de suas atrações, no dia 2 de...

Lauryn Hill, YG Marley e Mano Brown tocam em festival em SP; saiba como comprar ingressos

O Chic Show, projeto que celebra a cultura negra e realizava bailes que ficaram clássicos na São Paulo da década de 1970 e 1980, vai...

Filhos de Bob Marley anunciam primeira turnê coletiva em duas décadas

Bob Marley teve, ao total, 11 filhos, e cinco deles preparam a turnê coletiva The Marley Brothers: A Legacy Tour, que percorrerá a América do Norte...
-+=