Marcha pede reconhecimento do Hip-Hop como patrimônio cultural nesta segunda (17) em Brasília

Enviado por / FonteBrasil de Fato

Mobilização parte da Praça Zumbi dos Palmares 13h em direção ao Iphan, onde entregará o dossiê para registro do pedido

A marcha pelo reconhecimento, preservação e valorização da Cultura Hip-Hop, que acontecerá nesta segunda (17) com concentração, a partir das 13h, na Praça Zumbi dos Palmares e saída em direção ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tem como objetivo a entrega do dossiê que pleiteia o registro do Hip-Hop como patrimônio cultural e imaterial pelo órgão. O texto será entregue ao presidente Leandro Grass. 

Para o deputado distrital Max Maciel (PSOL), autor da lei que declara o Hip-Hop como Patrimônio Cultural Imaterial do Distrito Federal, o evento será fundamental para ressaltar a importância dessa cultura para a juventude negra e periférica de todo o país.

“Reconhecer a importância do Hip-Hop a nível nacional é garantir a sua preservação, é fazer com que o Poder Público crie mecanismos para a sua valorização e meios para que artistas do Hip-Hop continuem se expressando e salvando milhares de vidas de jovens pretos e periféricos pela arte”, afirmou Max.

Para o MC e ativista social, Rafa Rafuagi, a marcha também pedirá ao governo federal que assine o decreto de reconhecimento e fomento do hip hop no dia 11 de agosto, data em que se comemora os 50 anos do surgimento da cultura Hip-Hop no mundo.

“Queremos que o governo Lula assuma e fortaleça a participação da cultura Hip-Hop, que incorpore as favelas e periferias e, sobretudo, a população preta e as suas lideranças nos espaços de construção de políticas públicas”, ressalta o artista

Para Cláudia Maciel, jornalista e uma das facilitadoras gerais da Construção Nacional da Cultura Hip Hop, o ato será um momento simbólico de união entre os artistas do hip hop. “Vamos marchar de braços dados pedindo a sensibilidade do Iphan para que o Hip-Hop obtenha esse título e, assim, a gente consiga proteger uma das culturas mais importantes do mundo”, acrescenta.

Construção Nacional do Cinquentenário da Cultura Hip-Hop

A Construção Nacional é uma coalizão de hip-hoppers de todo o país que pretende ajudar na reconstrução e transformação do Brasil. O grupo de trabalho defende e recomenda ideias de projetos que combatam a pobreza e promovam a equidade racial, social e de gênero por meio de políticas públicas de educação, cultura, igualdade racial, segurança cidadã, comunicação, turismo e fortalecimento das relações interinstitucionais entre a sociedade organizada e o Estado brasileiro. 

“Estamos falando do destino da nossa democracia e da luta contra o fascismo, supremacismo branco mundial, uma das expressões mais macabras e cruéis da emergência da extrema direita, com base popular, lamentavelmente, brasileira. São reclamos emergenciais para voltarmos a ter o devido protagonismo e reconhecimento pelo Estado de Direito das inúmeras e diversas mudanças sociais que já promovemos, como instituições da sociedade civil e agentes da cultura Hip-hop, em nível nacional”, explica Marcelo Rebello, um dos integrantes da Construção. 

O grupo trabalha também na perspectiva de cobrança ao governo, para que a democracia brasileira incorpore as favelas e periferias e, sobretudo, a população preta e as suas lideranças nos espaços de construção de políticas públicas, assim como na promoção da reconstrução e da transformação do Brasil.  

O movimento esteve em Brasília, de 15 a 19 de maio, dialogando com os poderes Legislativo, Judiciário e Executivo para propor políticas públicas para as periferias e favelas brasileiras e enfatizar o reconhecimento da cultura Hip-Hop.

Em reunião com o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), os representantes da Construção Nacional do Cinquentenário apresentaram um plano de trabalho para a criação de um Museu Nacional da Cultura Hip-Hop e o reconhecimento de casas do movimento cultural como pontos de memória.

Como forma de celebrar os 50 anos do Hip-Hop no mundo, a articulação organiza uma série de atividades que vai acontecer entre os meses de agosto a dezembro deste ano, em todas as regiões do país, com celebrações, oficinas, workshops, capacitações e seminários nas periferias.

+ sobre o tema

Taís Araújo, sobre o filho: É tanto amor que tive medo

Taís Araújo, que voltará à TV em "Marias do...

Exposição na Biblioteca Parque do Rio lembra trajetória de Martin Luther King

A mostra itinerante Martin Luther King – Legado &...

Nigéria inicia investigação após atentados contra igrejas no Natal

De Ola AWONIYI  ABUJA — As autoridades nigerianas investigam...

para lembrar

Não existe amor em SP, por Anelis Assumpção

A partir de um convite para fazer parte da...

Movimentos negro e indígena defendem demarcação de terras e luta contra o racismo na COP-27

A Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças...

Toussaint Louverture, o general negro que libertou o Haiti

Toussaint Louverture liderou a revolução haitiana que conquistou a...

Harry Potter: Em peça de teatro, Hermione será negra e adulta

O universo do bruxo Harry Potter voltou a ser...
spot_imgspot_img

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...

iAMO lança seu programa de residência artística audiovisual durante Festival de Cannes

O Instituto Audiovisual Mulheres de Odun (iAMO), presidido pela cineasta Viviane Ferreira, anuncia na sexta-feira, 17 de maio, o lançamento do seu Programa de...
-+=