Maria José Anacleto Cunha

Vítima: MARIA JOSÉ ANACLETO CUNHA

Ação de Indenização pó dano Moral e material.

Ré: Denise Conti Bristotti

Preambulo –

A vítima teve sua honra, dignidade e decorro atingidas por ato ilícito cometido ofensora, que utilizou-se de elementos inerentes a raça e cor da vítima com o objetivo de desmoraliza-la em público, expondo-a a situação vexatória.

Síntese dos fatos –

O fato que deu origem à ação penal ocorreu em março de 2000, quando a vítima transitava pela calçada do bairro onde residem ambas e a ofensora passeava com seu cão e este ao ver a vítima avançou-lhe, o que prontamente a vítima teve a reação de se proteger, passando a ofensora a proferir as seguinte frase:

“Meu cão só avançou em você, porque você é preta, e eu e meu cão não gostamos de negros….”

A vítima procurou o 46 Distrito Policial, onde lavrou boletim de ocorrência e posteriormente procurou o Geledés, que encaminhou a autoridade policial o pedido de instauração de inquérito, e após o relatório houve a propositura da ação penal privada (queixa crime), que tem tido se trâmite perante a 27 Vara Criminal do Foro Central da Capital de São Paulo, sob o n.º: 583/00.

Houve a audiência de tentativa de conciliação, o que restou infrutífera, posteriormente foi formula do pelo membro do Ministério Público, a suspensão condicional do processo nos termos do art. 89 da Lei 9099/95, o que não foi aceito pela ré. Seguiu-se o interrogatório e toda a fase de instrução, com oitiva de testemunhas de acusação, não foi apresentado rol de testemunhas de defesa.

O Ministério público após a instrução, já em fase de memoriais, manifestou-se pela condenação da ré por prática do crime previsto no art. 140, § 3º do Código Penal, conforme a vítima através do Geledés sustentou, e a ofensora manifestou-se no sentido do pedido de absolvição

Em sentença o juiz da 27ª Vara Criminal, deu por procedente a ação condenando a ré, em razão da pratica do delito previsto no artigo supra, com a pena de 1 ano de reclusão (substituída por prestação de serviços a comunidade, e a pena de 10 dias multa no valor de 1/30 do salário mínimo vigente a época do fato, a ser atualizada na ocasião do pagamento.

A sentença transitou em julgado e a vítima através do SOS racismo ingressou com ação de indenização pelo dano moral suportado, este tramita perante a 1ª Vara Cível do Foro Regional da Lapa, na cidade de São Paulo, processo n.º 583.00.2005.018714-3. após a instrução processual em sentença o juízo deu procedência parcial a vitima, condenando a ré ao pagamento de R$ 6.000,00 (Seis mil reais)) pelo dano moral suportado pela vítima.

A ré dentro do prazo legal ofereceu recurso e agora o Sos aguarda sua intimação para em contra razões requerer ao Tribunal de Justiça de São Paulo que de provimento total a ação. O recurso foi julgado parcialmente procedente para minorar o valor da indenização arbitrada pelo juízo de primeira instância, fato que se deu ao inicio de 2008. Após o retorno dos autos não houve mais recursos de parte a parte, houve o transito em julgado da decisão e em novembro pedimos que fosse feito bloqueio de valores de contas correntes em nome da ré, para após serem levantados em favor da vítima.

+ sobre o tema

Como maternidades brasileiras estão conseguindo reduzir taxa de cesáreas

Há anos o Brasil vinha tentando implementar medidas para...

Átila Roque: “Somos um país intolerante, racista e violento”

Diretor da Anistia Internacional, que teve pai assassinado num...

O Brasil tem metade dos médicos que precisa

Conheça o retrato dramático da saúde pública no Brasil...

Aprovação do aborto na Argentina pode pressionar STF em votação no Brasil

Na disputa pelo direito ao aborto legal, seguro e...

para lembrar

Pepsi, o mundo está muito chato mesmo! E isso é maravilhoso

Recentemente a Pepsi lançou o seu novo comercial, trazendo...

Edson Cardoso fala da imprensa negra e da luta pela consciência negra

Dentro da ideologia vigente, que oculta as desigualdades raciais,...

Resposta à pandemia deve considerar condições de saúde da população negra, diz sanitarista

Karine Santana é docente de Saúde Coletiva, doutoranda em...

Medo vira pretexto para destituir a liberdade e criminalizar pobres

Para advogado, "a violência do Estado é necessária para...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=