“A menina é a mãe do mundo”, por Hamilton Borges dos Santos (Walê)

São 23 horas e 33 minutos de uma sexta-feira. Escrevo a noite, estou só e contemplando meu passado. Como cheguei até aqui ? Pergunto ao menino que fui , vivendo numa cidade tão suja, tão perversa , tão violenta e racista como Salvador e esse menino apenas diz que brincou o quanto pôde. Sendo assim, se livrou do Leviatã.

Explico: na quinta-feira me dirigi a Oi Kabum para participar da abertura do Roda Gigante, promovido pela Rede Nacional Primeira Infância e Avant*. Este evento pretende dar visibilidade a situação da infância, ao cuidado e o abandono, as leis e ao afeto que devemos dedicar a esses seres superiores. Eles, que nos dão proteção divina enquanto cantam, brincam , reequilibrando esse planeta. Como diz Roquinho: ” Omi, a criança é o pai da humanidade”. Ele me ensinou a brincar pelas terras alterosas das Minas Gerais.

Nós temos lutado contra o empreendimento industrial carcerário, que é um empreendimento bem sucedido na prática de nos eliminar em vida. Em doses colossais e leves, vai diminuindo nossas almas em meio ao quadrado do cimento e grade. É uma poderosa instituição de seqüestro retroalimentada pelo racismo, irmão siamês do capitalismo, que dá seu bote numa nova ordem que é de privatizar, lucrar e encobrir a barbárie.

Há tempos temos olhado para dentro das prisões, numa perspectiva cultural, na acepção da palavra , para além do evento e da erudição. Nos recusamos a ser tratados como aqueles da cultura popular, enquanto o erudito é o outro, europeu e cristão, macho e violento, dominando todos os recursos e nos deixando subalternos, enquadrados numa cultura menor , num caixote multicolorido que eles chamam de diversidade.

Cultura é ação cultural , dinâmica , viva , arteira. Não a fabricação cultural que ronda Salvador em meio ao lixo, ao abandono e as execuções sumárias e extrajudiciais que nos eliminam.

Somos portadores de uma cultura erudita: o canto celestial de uma roda de Xangô que emerge da distante Praia Grande, da voz de minha Yalorixá Mãe Senhora, que me ensinou alguns segredos. O olhar e majestade de Obaraí que enfeita o mundo desde os lados do Aganju…pense!!!

“kaa já loni ago Masá”

Bom o fato é que, há uns 10 a 12 anos eu fui apresentado por Roquinho e Sônia Augusto, minha querida amiga e mestra, à linda e meiga Lydia Hortélio . Uma brincante que, há mais de 50 anos, encanta o Brasil e o mundo com suas receitas de vida baseadas na cultura das crianças. Fundamentadas nos elementos da natureza contidos nos corpos, nas mãos , nas cantigas e nas invenções dos meninos e meninas.Uma solução para a barbárie. Lidya é uma sacerdotisa.

Fui presenteado essa noite, com a dádiva de rever Lydia Hortélio, e ouvi-la falar de brinquedos e brincadeiras, da alma doente do mundo que pode ser curada se cuidarmos de nossos meninos, se aprendermos a ouvi-los.

Falei com ela.

Disse de nossas brinquedotecas espalhadas pelas cadeias da Penitenciária Lemos Brito; das nossas manhãs com os filhos dos prisioneiros e prisioneiras; de nossos inventos de brinquedos. Que estamos montando bibliotecas infantis, que os homens esquecidos e enterrados naqueles muros altos que geram lucro, brincam com seus filhos e, se não tem filhos, brincam também. Que eles e elas resgatam suas crianças esquecidas, por vezes amarguradas, machucadas e lembram brincadeiras antigas. Que eles se pintam, correm, gritam querendo falar como eu , com as crianças que foram um dia . Como sobreviveram?

Agradeci a Lydia Hortélio por ter ido tão longe ensinar a um baiano em seu exílio de Salvador o valor dos brinquedos e das brincadeiras. E agradeço a Dra. Andreia Beatriz, a Zilda Souza , a Ricardo Andrade e Marcus Alessandro, a Maria de Fátima e Milena, ao Superintende Tenente Coronel Paulo Cezar, ao Major Júlio e Capitão Marcelo Amorin, a Clésio, Daniel, Gilberto e Pereira, aos prisioneiros e familiares dos mesmos dos módulos 1, 2 3, 5 , as prisioneiras do Conjunto Penal Feminino, sobretudo as que amamentam, aos prisioneiros da Lafaiete Coutinho , a Dexter e Patrícia Omena e aos meninos do mundo representados pelo meu melhor professor no brincar: Onirê, MEU FILHO que agora dorme com um mapa na mão entregue pelo menino que fui …talvez para a nossa liberdade.

Hamilton Borges dos Santos (Walê)

Brincante da Quilombo Xis- Ação Cultural Comunitária

[email protected]

+ sobre o tema

Por que mandaram matar Marielle Franco? Essa agora, é a pergunta que não se cala…

Seis anos depois e finalmente o assassinato de Marielle...

Mulheres sambistas lançam livro-disco infantil com protagonista negra

Uma menina de 4 anos, chamada de Flor de...

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo...

para lembrar

White people: the normative social standard

Note from BW of Brazil: Over the past few...

Um dia na vida de uma pessoa negra

Perguntamos para pessoas negras quais são as situações mais...

Shonda Rhimes faz um discurso poderosíssimo sobre inclusão na TV

Já está podendo colocar a coroa de “Rainha da...
spot_imgspot_img

Por que mandaram matar Marielle Franco? Essa agora, é a pergunta que não se cala…

Seis anos depois e finalmente o assassinato de Marielle Franco e Anderson Borges, parece estar chegando a um final, pelo menos em relação aos...

Com a mão erguida e o punho cerrado eu grito: fogo nos eurocêntricos cientistas-cientificistas

A verdade é que esse mundo é uma Ameaça. Uma Ameaça a certas gentes. Uma Ameaça a certas não-gentes. Uma Ameaça a redes, a...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no que tange a sua organização, estrutura produtiva e relações hierárquicas. Essa transição está sob forte...
-+=