‘Mentalidade’ é obstáculo para empreendedoras brasileiras, diz especialista

Arancha González é diretora do International Trade Centre – órgão ligado à OMC e à Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD)

Do BBC

Para González, setor privado deve ter papel mais ativo no crescimento de mulheres empreendedoras

A diretora do International Trade Centre – órgão ligado à Organização Mundial do Comércio (OMC) e à Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) –, Arancha González, acredita que “a cultura e a tradição” no Brasil são obstáculos maiores para as mulheres empreendedoras do que a burocracia.

Dedicado a ajudar economias em desenvolvimento a promover suas exportações, o ITC agora concentra seus esforços nas pequenas e médias empresas lideradas por mulheres. Em setembro, o órgão realizará em São Paulo, em parceria com a Apex-Brasil, o Women Vendors Exhibition and Forum, a maior feira negócios para empresas lideradas por mulheres no mundo.

Em São Paulo para promover o evento – que aconteceu anteriormente na China, no México e em Ruanda –, González disse à BBC Brasil que a discussão sobre a participação das mulheres no mercado deve sair do âmbito ideológico e concentrar-se nos benefícios à economia. “Se sabemos que as empresas com mais diversidade de gênero têm melhores resultados e que colocar dinheiro nas mãos das mulheres equivale a reduzir pobreza, não é difícil concluir que interessa aos países ajudar a impulsionar o empresariado da mulher.”

Confira os principais trechos da entrevista.

BBC Brasil – Um estudo da empresa de consultoria Serasa Experian, publicado no último mês de fevereiro, afirma que cerca de 6 milhões de mulheres brasileiras são empreendedoras. Quase a totalidade delas é sócia de micro ou pequenas empresas ou empreendedora individual. O que é preciso para aumentar a participação destas mulheres na economia brasileira?

Arancha González – O que falta principalmente no Brasil é uma boa discussão – que é necessária – sobre quais os obstáculos que a mulher enfrenta no empresariado. Ao explicitar estes obstáculos, o público e o privado podem fornecer as soluções.

“Se sabemos que as empresas com mais diversidade de gênero têm melhores resultados e que colocar dinheiro nas mãos das mulheres equivale a reduzir pobreza, não é difícil concluir que interessa aos países ajudar a impulsionar o empresariado da mulher”, Arancha González

Nem todas as soluções é o governo quem pode dar. Há muitas que têm que vir do setor privado. Por exemplo, grande parte da solução pode ser que grandes empresas passem a comprar mais de pequenas empresas lideradas por mulheres e isso não é o governo que faz.

BBC Brasil – Quais seriam os principais obstáculos, em sua análise, que as empresárias enfrentam no Brasil?

Arancha González – Quando se olha para os obstáculos específicos do Brasil, acho que estão mais no campo da mentalidade, da tradição e da cultura do que nas leis.

Além disso, há o chamado “custo Brasil”, que é um obstáculo mais importante para as pequenas e médias empresas, onde há mais mulheres, do que para as grandes empresas. Em todos os países a burocracia, em geral, é um problema maior para as pequenas e médias empresas do que para as grandes.

BBC Brasil – Se os principais obstáculos são culturais, você acredita que esta discussão deve questionar o papel da mulher na sociedade brasileira de modo geral?

Arancha González – Eu sou uma pessoa muito pragmática nestas coisas. Não gosto de tratar da questão de gênero de um ângulo ideológico ou moral. Há um ângulo moral, porque em 90% dos países do mundo há pelo menos uma lei específica que limita a habilidade da mulher de participar na economia. E isto não me parece muito moral.

Mas eu dirijo uma organização de desenvolvimento, então deixo de lado a moralidade e passo ao campo econômico. E o que nos diz a economia? Que as empresas que têm mais mulheres nos conselhos administrativos, mais diversidade nos escalões superiores e mais participação das mulheres em geral são as que obtêm melhores resultados econômicos. Isso não sou eu que estou dizendo. São a McKinsey e a Credit Suisse (empresas internacionais de consultoria financeira), para que não haja dúvidas.

Também sabemos, e isso é o que diz o Banco Mundial, que . O Brasil sabe disso porque é o criador do Bolsa Família, que se baseia nesta ideia.

Então se sabemos que as empresas com mais diversidade têm melhores resultados e que colocar dinheiro nas mãos das mulheres equivale a reduzir pobreza, não me parece muito difícil chegar à conclusão de que interessa ao país ajudar a impulsionar o empresariado da mulher. Então acho que a chave é ter uma discussão menos ideológica e mais pragmática, baseada na contribuição à economia.

“Cada dólar que colocamos nas mãos de uma mulher são sete dólares que geramos em educação, em saúde e em alimentação”“Cada dólar que colocamos nas mãos de uma mulher são sete dólares que geramos em educação, em saúde e em alimentação”

Insisto, não é que seja preciso deixar de lado a moralidade, mas acho que para ter uma discussão desse tipo no Brasil, um país que está buscando gerar crescimento – porque ainda tem que tirar muita gente da pobreza e manter as que tirou na classe média –, é preciso falar de como conseguir um crescimento inclusivo.

Não conheço nenhum país que não queira isso e isso não se faz somente com caridade.

BBC Brasil – O evento em setembro pretende conectar pequenas empresárias com possíveis grandes compradores, principalmente nos setores de café, serviços, TI e alimentos gourmet. Mas as grandes empresas brasileiras destes setores têm demonstrado interesse em comprar mais de mulheres?

Arancha González – Sim. E não somente as brasileiras, mas as grandes multinacionais instaladas no Brasil. Teremos Google, Coca-Cola, Intel… Todas demonstraram interesse em participar. Queremos mostrar que é possível.

+ sobre o tema

“Black Money”, o movimento que enfrenta o racismo empresarial no Brasil

Os negros movimentam cerca de R$ 1,7 trilhão por...

Lançamento do Edital das Relatorias Nacionais em Direitos Humanos

A Plataforma Dhesca Brasil lançou dia 17 o Edital...

Radioagência Nacional ganha Prêmio Líbero Badaró de Jornalismo

A Radioagência Nacional, veículo gerido pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC),...

Transexuais superam barreiras e conquistam lugar no mercado de trabalho

No início deste ano, Radija saiu de Araçuaí para...

para lembrar

Seis em cada dez crianças brasileiras vivem na pobreza, diz Unicef

Dos 32 milhões de brasileiros de até 17 anos...

Nova CLT dificulta combate ao racismo e a intolerância religiosa, diz ministro do TST

O ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Cláudio...

Natura abre estágio com 50% das vagas destinadas à estudantes negros

A Natura anunciou nesta quinta-feira (8) a abertura do...

Barroso diz em sabatina que acredita na diversidade e no respeito aos direitos humanos

Indicado para vaga de ministro do STF, advogado passa...
spot_imgspot_img

‘Geração ansiosa’: transtornos mentais em crianças que vivem grudadas no celular aumentam no mundo todo

Veja o vídeo da matéria Crianças e adolescentes do mundo todo estão em perigo. É o que diz o livro “A geração ansiosa”, do psicólogo...

Unicef lança campanha para reforçar o combate à violência sexual contra crianças e adolescentes

No último sábado (18) foi celebrado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Em um esforço...

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...
-+=