‘Meu pai entrou no tráfico para eu virar advogado’

Criança brinca com pipa em rua da favela Jardim Batam, no Realengo, zona oeste do Rio de Janeiro. Foto: Rafael Andrade/Folhapress

NASCI E FUI criado até os 6 anos pela minha avó na favela do Jacarezinho, zona norte do Rio, o 121° IDH entre os 126 listados na cidade carioca. Filho de empregada doméstica, sempre que lembro da infância recordo da minha mãe contando as dificuldades de trabalhar em “casa de madame”, levando pão duro para casa no final do expediente. Meu pai trabalhou na fábrica de tecidos Nova América, que posteriormente virou o Shopping Nova América, famoso pelos outlets, na zona norte carioca. Após isso, ele trabalhou como terceirizado na Petrobras, não sei qual a função, mas me recordo da foto que ele ostentava com alegria onde usava o uniforme da empresa.

por Joel Luiz Costa, do The Intercept

Leia a matéria completa aqui 

 

+ sobre o tema

O crime de existir

"Vida de negro é difícil, é difícil como o...

Racismo científico, definindo humanidade de negras e negros

Esse artigo foi pensado para iniciar um diálogo sobre...

Michael Jordan condena mortes de negros por policiais

O ídolo do basquete Michael Jordan falou sobre violência...

para lembrar

Câmara aprova cota de 30% para negros nos concursos

O projeto de lei que estabelece cotas de 30%...

Ufes conclui processo administrativo contra professor acusado de racismo

É esperada para a próxima semana a entrega do...

STF obriga Rio de Janeiro a criar plano de redução da letalidade policial

O STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou nesta quinta-feira (03)...

“Professora gritou que eu seria empregada doméstica para limpar o chão das filhas dela” diz aluna cotista da UFMG

(foto: Reprodução/ Facebook) Lorena Cristina de Oliveira Barbosa, de 20...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=