Minicurso abordará história das religiões afro-brasileiras

As religiões afro-brasileiras, que foram introduzidas na cultura brasileira por meio dos negros trazidos da África como escravos, serão tema de um minicurso oferecido pelo Movimento Negro de Rondonópolis (MNR). O minicurso “Religiões Afro-brasileiras” será ministrado pelo professor pós-Doutor Flávio Nascimento, fundador do MNR, e fazem parte da programação da 8a Semana da Segunda Abolição, que debate a situação dos negros no País.

Por Denilson Paredes, do A Tribuna

Pós-Doutor Flávio Nascimento: “Vamos oferecer uma visão histórica e explicar o que são religiões afro-brasileiras, de onde surgiram, quais são os princípios religiosos, quais são seus valores” – Foto: Deivid Rodrigues

De acordo com o professor Flávio Nascimento, o minicurso tem como objetivo oferecer uma visão histórica e sociológica das religiões de matrizes africanas. “É bom que se diga que a nossa intenção não é de ensinar religião para ninguém, nós acreditamos na liberdade religiosa e que cada um tem o direito de escolher sua religião. O que nós vamos tentar fazer no pouco tempo que temos é oferecer uma visão histórica e explicar o que são religiões afro-brasileiras, de onde surgiram, quais são os princípios religiosos, quais são seus valores. As Umbandas e os Candomblés são as principais que existem e essas religiões têm por volta de cinco mil anos, ou seja, são bem antigas. Nosso intuito é esclarecer as pessoas sobre elas, pois acreditamos que o conhecimento ajuda a evitar uma série de problemas”, afirmou.

Ainda de acordo com ele, a ideia é mostrar que essas religiões são produto da História e que são o resultado dos movimentos sociais, da ação humana ao longo do tempo. “A ideia é mostrar para as pessoas que nós precisamos respeitar todas as religiões, tendo um intercâmbio pacífico, baseado na tolerância, principalmente no nosso país, que tem como signo a diversidade cultural”, completou Flávio Nascimento.

O palestrante faz questão de esclarecer que o curso oferecerá uma visão histórica e sociológica do tema e que não se trata de um evento voltado para os seguidores das religiões de matrizes africanas. “O nosso público é todo aquele que quer saber quem é o outro, é para quem se preocupa em saber quem é o próximo, em conhecer. Até para o caso de discordar de alguma a respeito do assunto, que seja com conhecimento de causa, pois todos são livres para discordar, mas é melhor quando se tem conhecimento de causa”, esclareceu.

Atualmente morando em São Paulo, o professor e pós-Doutor Flávio Nascimento, que residiu por muitos anos em Rondonópolis, também é idealizador do Cursinho Pré-Vestibular Zumbi dos Palmares, que até hoje prepara jovens carentes para o vestibular e provas como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

O minicurso “Religiões Afro-brasileiras” acontecerá entre os dias 23 a 25 próximos, no Auditório do Neat, no campus da UFMT, no período noturno e as inscrições podem ser feitas pela internet no endereço eletrônico https://goo.gl/forms/5ULdemYMcgfh9z7W2. O curso é gratuito e aberto a toda a comunidade.

+ sobre o tema

20 de novembro: Marcha da Consciência Negra por nenhum direito a menos

XIII Marcha da Consciência Negra com concentração, ás 11...

Consciência Negra em estado de sítio? Que conversa é essa, tio?

A corneta da alvorada tocou cedo em meu bairro...

Marinha agride, intimida e ameaça comunidade quilombola na Bahia

OS POUCOS QUILÔMETROS que separam a guarita fortemente vigiada...

para lembrar

SPFW Carta Aberta à Imprensa e Sociedade Brasileira

SPFW Carta Aberta à Imprensa e Sociedade Brasileira Nesta...

TJ cria comissão de enfrentamento à desigualdade racial

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) vai...

Plenária do Quilombo Raça e Classe defende unidade para combater racismo

  Representantes dos Quilombos Família Silva, Rio Grande do Sul;...
spot_imgspot_img

Geledés discute racismo religioso na ONU

Geledés – Instituto da Mulher Negra segue com sua agenda nas Nações Unidas neste ano. Neste dia 8 de março, o instituto realiza na...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...

Intolerância religiosa: Bahia tem casos emblemáticos, ausência de dados específicos e subnotificação

Domingo, 21 de janeiro, é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta data, no ano 2000, morria a Iyalorixá baiana Gildásia dos...
-+=