Geledés discute racismo religioso na ONU

Artigo produzido por Redação de Geledés

Geledés – Instituto da Mulher Negra segue com sua agenda nas Nações Unidas neste ano. Neste dia 8 de março, o instituto realiza na sede da organização em Genebra, na Suíça, o evento paralelo “Estratégias para enfrentar o racismo religioso”.

Os palestrantes convidados são Nazila Ghanea, relatora especial da ONU sobre liberdade de religião ou crença e professora de Direito Internacional de Direitos Humanos da Universidade de Oxford, Ivanir dos Santos, professor do Programa de Pós-Graduação em História Comparada da UFRJ, Arquias Cruz, assessor internacional da Conectas Direitos Humanos, Jamil Chade jornalista, com intermediação da assessora internacional de Geledés, Carolina Almeida.

O evento acontece de forma paralela à 55ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em que Geledés apresenta dados sobre a intolerância religiosa no Brasil entre 2019 e 2021 que comprovam o impacto do racismo nos adeptos das religiões de matriz africana.

Ivanir dos Santos (Foto: Bruno Rodriguês)

Nesta quarta-feira, 6, Ivanir dos Santos como representante de Geledés – Instituto da Mulher Negra do Brasil e do Centro de Articulação de Populações Marginadas, falou na ONU chamando a atenção da relatora especial e do Conselho das Nações Unidas para a situação dos afrodescendentes que professam e praticam religiões de origem africana no Brasil.

“Essas pessoas enfrentam intolerância religiosa no Brasil juntamente com a interface prejudicial do racismo estrutural e institucional”, disse ele.

Segundo dados colocados por Ivanir na sessão, a linha direta do governo para denúncias de direitos humanos recebe até cinco chamadas por dia sobre racismo religioso.

O caso de Mãe Bernadette Pacifico, ialorixá e líder quilombola brasileira, assassinada com 17 tiros aos 72 anos de idade em 2023, foi citada como um caso não isolado entre os que acontecem no país. No final de seu pronunciamento, Ivanir dos Santos convidou a relatora especial da ONU para uma visita ao Brasil com o objetivo de observar e avaliar como os afrodescendentes têm sua liberdade religiosa afetada.

+ sobre o tema

Geledés propõe na ONU mudanças complementares no texto da Declaração de Durban

Geledés – Instituto da Mulher Negra é a única organização da sociedade...

Grupo estabelece urgência no combate ao racismo global

Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta terça-feira,...

para lembrar

Emma Watson faz discurso por igualdade de direitos na ONU

Atriz foi responsável por lançar campanha da entidade em...

ONU faz oficina de gênero, raça e etnia no 34º Congresso Nacional dos Jornalistas

 Além da participação no evento, UNIFEM-ONU Mulheres propõe parceria...

Agências da ONU divulgam nota sobre PEC 181/15

Agências das Nações Unidas no Brasil manifestaram no domingo...

“Temos de lembrar que crimes de ódio são precedidos por discurso de ódio”, diz Adama Dieng

O Conselheiro Especial para a Prevenção do Genocídio da...

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da terceira sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes, que reúne ativistas antirracismo, pessoas defensoras dos direitos...

Brasil finalmente considera mulheres negras em documento para ONU

Finalmente o governo brasileiro inicia um caminho para a presença da população afrodescendente no processo de negociação de gênero na Convenção-Quadro das Nações Unidas...

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes, promovido pela ONU, em Genebra, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, destacou a importância...
-+=