Geledés propõe a criação de um Major Group de Afrodescendentes na ONU

Enviado por / FonteKátia Mello

Artigo produzido por Redação de Geledés

Encontro promovido pela organização em Nova York, paralelo à Cúpula dos ODSs, contou com a presença da ministra Anielle Franco e especialistas internacionais

A criação do Major Group de Afrodescendentes na ONU foi uma meta anunciada nesta segunda, 18, por Geledés – Instituto da Mulher Negra durante o evento “Não há desenvolvimento sustentável sem enfrentar o racismo”, promovido pela organização com o apoio da Comunidade Bahá’í dos Estados Unidos, do NGO Major Group e do Major Group de Juventudes.  O evento aconteceu no escritório da Comunidade Internacional Bahá’í em Nova York, paralelamente à Cúpula dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODSs).

A ministra Anielle Franco do Ministério da Igualdade Racial e Hawa Diallo, oficial do Departamento de Informação Pública da ONU, foram as únicas a participar de forma virtual no evento que contou ainda com a presença de Maria Gabriela Feitosa, do Major Group Juventudes, Rosario Garavito, do NGO Major Group, Carl Murrel, representante da Comunidade Bahá’í dos Estados Unidos e de Leticia Leobet, socióloga e representante de Geledés.

A própria execução do evento sinalizou por parte de Geledés uma aproximação da organização com outros Major Groups na ONU. Nesta direção, outro passo importante foram as conversas entre o instituto liderado por mulheres negras e o Itamaraty na sede da ONU em Nova York neste domingo,17.

Para se entender a relevância dos Major Groups é preciso saber que eles participam ativamente do processo anual de acompanhamento e revisão em nível global da Agenda 2030, que culmina no Fórum Político de Alto Nível anual para o Desenvolvimento Sustentável. Eles têm acesso, por exemplo, às informações e documentos oficiais relacionados aos 17 ODSs e suas 169 metas que traduzem o consenso possível entre os países sobre os principais desafios contemporâneos para o desenvolvimento sustentável. Um Major Group ainda pode realizar intervenções nas reuniões oficiais das Nações Unidas.

“O Major Group é um desses caminhos para as organizações participarem ativamente na ONU. Nosso papel é fazer com que as diferentes organizações possam fazer parte deste processo”, explicou Rosario Garavito, do NGO Major Group. Gavarito defendeu justamente estes novos espaços para que assuntos como a discriminação racial e a crise climática estejam alinhados. Falou ainda sobre a importância de novas e fortes vozes nos fóruns da ONU, com a inclusão de mecanismos específicos que possam dar conta de novas demandas.

No encontro, a ministra Anielle Franco destacou o trabalho de Geledés de longa data no combate ao racismo e ressaltou a “ausência de textos dos ODSs em relação ao Plano de Durban”. Neste cenário, a ministra anunciou a intenção do governo brasileiro em “avançar no desenho de um novo ODS, o 18º”, com recorte racial. Sublinhou ainda a temática do encontro promovido por Geledés ao dizer que “não há sustentabilidade para todos se não houver o combate ao racismo em todas as suas manifestações”. “Acredito na luta coletiva e só com ela a gente muda esse mundão”, disse Anielle Franco sobre o esforço em conjunto de organizações internacionais em abordar o racismo sistêmico.

Hawa Diallo, que falou após a ministra, com sua experiência em Major Groups, abordou a necessidade de haver a interseccionalidade de raça e gênero nos ODSs. Relatou a ausência de populações negras e indígenas nos processos de realização dos Objetivos Sustentáveis e a necessidade de haver intervenção nesta situação com urgência para se construir um novo caminho. “Se não for agora, quando será? Este é o momento oportuno”, disse Diallo.

Já Maria Gabriela Feitosa, que destacou a participação das juventudes em sua fala, entrelaçou a transição energética com as questões do combate ao racismo. Feitosa apontou a necessidade destas populações de gerar suas próprias energias.

O último a discursar foi Carl Murrel, representante da Comunidade Bahá’í dos Estados Unidos, que elegeu a ampliação da justiça como principal tema. Ressaltou a interdependência dos membros da sociedade na promoção do bem-estar e o propósito de se estabelecer uma justiça climática que possa beneficiar a todos.

No final, a representante de Letícia Loebet agradeceu as contribuições e reafirmou o compromisso de Geledés com estas discussões e na criação de um Major Group de Afrodescendentes.

+ sobre o tema

para lembrar

Fábrica de revelações – Futebol Brasileiro

A semifinal entre Palmeiras e São Paulo, dia 07/04, mostrou definitivamente que futebol é um esporte em que todas as previsões, não passam realmente...

“Separar as crianças de suas mães em situação de rua não resolve. Só fará com que não as vejamos nas ruas, uma situação que...

Históricas dramáticas de separações de crianças e mães em situação de rua acontecem em nosso país, mais especificamente na cidade de São Paulo, como...

Use sua arma mais poderosa: o voto!

Há poucos dias do pleito, a cédula eleitoral é arma mais eficaz e poderosa para levar à lona o neofascismo vigente. É certamente a...
-+=