Mohamed Mbougar Sarr, o novo fenômeno literário da língua francesa

‘La plus secrète mémoire des hommes’, a ficção sobre a busca de um escritor lendário e esquecido, conquista o Goncourt, prêmio de maior prestígio das letras francesas

O novo fenômeno das letras francófonas, Mohamed Mbougar Sarr (Dakar, 31 anos), é um escritor com estilo acelerado e torrencial, um romancista que escreve sobre romancistas africanos perdidos na Europa e doentes de literatura, um narrador que agarra o leitor na primeira linha e não o solta ao longo de mais de 600 páginas. Seu modelo literário, seu ídolo, como proclamou em romances e como se adivinha em cada parágrafo de La plus secrète mémoire des hommes (A mais secreta memória dos homens), premiado na quarta-feira com o Goncourt, é Roberto Bolañrobeo (1953-2003), o último clássico da literatura latino-americana, o último com uma verdadeira irradiação global.

“Um mestre da escrita, um mestre da leitura”. É assim que o vencedor do prêmio de maior prestígio da literatura na França define o autor de Os detetives selvagens. Bolaño, explicou em uma entrevista ao jornal Libération, mudou sua vida como leitor e como escritor. Uma longa citação sobre a perenidade e o ocaso das grandes obras, extraída de Os detetives selvagens, abre o romance premiado. O título sai desta citação. Tanto a estrutura —um misto de diários, depoimentos, relatos— quanto o tom e os temas —exilados ou expatriados que sonham ser escritores, jovens românticos e atrevidos atrás do rastro de um autor lendário e esquecido— são devedores do escritor e poeta chileno.

Mohamed Mbougar Sarr cresceu no Senegal, ex-colônia francesa. É o mais velho de uma família de sete irmãos; seu pai é médico. Foi educado em uma prestigiosa escola militar de seu país e na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris. Mora na França e sua língua literária é o francês. Escreveu três romances que receberam o aplauso da crítica e prêmios, mas obtiveram pouca repercussão pública. O Goncourt, concedido a um romance publicado no ano em curso por um júri de dez escritores durante um almoço no restaurante parisiense Drouant, muda tudo. O vencedor recebe um cheque de 10 euros, mas o verdadeiro prêmio são as vendas: o Goncourt de 2020, Hervé Le Tellier, que venceu com L’anomalie (A anomalia, ainda sem edição no Brasil), vendeu mais de um milhão de exemplares.

+ sobre o tema

Elza Soares ataca de DJ e faz mixagem durante show; veja

A cantora Elza Soares, ícone da música brasileira, provou...

Escritor baiano vence prêmio internacional com júri formado por vencedor de Oscar

O escritor e jornalista baiano Flávio VM Costa foi...

Johnny Alf continua cult – Por: Tamára Baranov

Johnny Alf (Alfredo José da Silva)(Rio de Janeiro,...

Gilberto Gil é internado para fazer exames em hospital de SP

Gilberto Gil, 72 anos, foi internado na última terça-feira...

para lembrar

O Negro da senzala ao soul: Um documentário da TV Cultura 1977

Gabriel Priolli resgata um vídeo que conta a história...

A importancia do Negro

Essa é a história de um garoto chamado...

Livro: Frantz Fanon – Um revolucionário, particularmente negro

Lançamento no dia 11/05, ás 19h30, no Al Janiah Por Anderson...

Santa Isabel: Celebraçao 20 de Novembro

Santa Isabel, 10 de Novembro de 2009.   ...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=