sexta-feira, janeiro 27, 2023
InícioÁfrica e sua diásporaAfro-brasileiros e suas lutasMoradores protestam contra interrupção de obra no Quilombo Rio dos Macacos

Moradores protestam contra interrupção de obra no Quilombo Rio dos Macacos

Moradores da comunidade remanescente do Quilombo Rio dos Macacos protestam nesta terça-feira, 10, em Simões Filho, na divisa com Salvador. Eles alegam que militares do Exército estão recolhendo material da obra que era realizada no local sem ter finalizado o serviço.

Por Paulo Pitta, para A Tarde

“A gente conseguiu que o Exército abrisse uma estrada na nossa comunidade, mas hoje (nesta terça) eles vieram para retirar as manilhas e todo material que estava no local. Disseram que foi uma ordem dos chefes deles após uma reunião entre o Exército, a Marinha e o Governo Federal”, disse Rosemeire Silva, que pertence a uma das 85 famílias que moram no local.

“A Marinha faz o muro para cercar o rio, mas a gente não pode ficar sem água”

Rosemeire Silva, moradora da comunidade remanescente do Quilombo Rio dos Macacos

De acordo com ela, a suspensão da obra no local acontece após eles reclamarem da construção de um muro para restringir o acesso dos moradores ao rio dos Macacos, de onde atualmente eles retiram a água para subsistência.

“A Marinha faz o muro para cercar o rio, mas a gente não pode ficar sem água. O governo está negociando nossas vidas e não vamos aceitar”, reclamou Rosemeire.

Os moradores alegam que vão impedir que o Exército recolha o material sem a conclusão da obra, que foi iniciada no final do ano passado. Eles pedem uma reunião com representantes do Ministério Público Federal (MPF), do Defensoria Pública e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para discutir como será o uso coletivo da água do rio dos Macacos.

O Comando da 6ª Região Militar informou por meio de nota que o Exército Brasileiro está realizando a obra de vias nas proximidades da Base Naval de Aratu, em Salvador, por meio do 4º Batalhão de Engenharia de Construção e em consonância com os acordos federais e comunitários, a fim de favorecer o acesso e o trânsito de pessoas e veículos na redondeza.

Região de conflito

Os moradores do quilombo vivem em conflito com a Marinha, que disputa judicialmente a posse a terra. A Marinha se instalou nesta localidade na década de 1970, ficando com a responsabilidade de gerir 196,2 hectares, incluindo a área do rio dos Macacos. Contudo, há mais de um ano, a União reconheceu uma área de 301 hectares na região como quilombola.

O acesso para a comunidade seria por dentro da Vila Naval, por isso os moradores solicitaram a construção desta estrada pelo Exército. Sem a via, os moradores vivem sem acesso a melhorias e não são autorizados a passar com materiais para reformas. As casas não possuem rede de esgoto, energia elétrica e água encanada.

A regularização fundiária é essencial para que o governo da Bahia realize obras de melhorias no local. A previsão é que isso aconteça no prazo de seis meses, segundo a Secretaria da Presidência da República.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench