Morre Nilcea Freire, ex-ministra e líder feminista

A ex-ministra Nilcea Freire (Políticas para as Mulheres) morreu neste sábado (28), aos 66 anos, no Rio de Janeiro. Médica, professora, pesquisadora e ex-reitora da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), ela tinha câncer e recebia assistência médica em casa.

Por Cristina Camargo, da Folha de S.Paulo 

A morte foi confirmada pelo PT do Rio de Janeiro, que lamentou em nota a perda da militante feminista.

Nilcea foi ministra durante o governo Lula (de 2004 a 2010) e se torno líder na área de políticas públicas para mulheres. Foi responsável pela realização da primeira Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, que teve como um dos resultados o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres.

Nilcéa Freire na época em que foi ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, em 2009 Foto: Givaldo Barbosa / Agência O Globo

“Deixa uma lacuna na militância feminista brasileira”, diz a nota divulgada pelo PT do Rio.

Nilcea teve uma longa trajetória de ativismo social e feminismo. Foi, por exemplo, a primeira mulher reitora de uma universidade pública no estado do Rio de Janeiro. Ex-militante do PCB (Partido Comunista Brasileiro), foi ameaçada por órgãos de repressão durante a ditadura militar e viveu exilada no México de 1975 a 1977.

Ao voltar ao Brasil, participou de movimentos pela redemocratização e começou a a atuar como professora do Departamento de Patologia e Laboratório da Uerj e, em paralelo à carreira acadêmica, representava os professores em diversos conselhos.

Durante sua gestão na reitoria (2000-2004) foi votado e implantado na Uerj, de forma pioneira, o sistema de cotas para estudantes egressos de escolas públicas e negros. O projeto foi intensamente debatido nos anos seguintes e acabou adotado em outras dezenas de universidades públicas.

Também médica, a deputada federal Jandira Feghali (PC do B) lamentou a morte de Nilcea.

“Sem palavras para a notícia da morte da querida Nilcea Freire. Triste demais saber que partiu tão cedo. Sempre fez parte das fileiras daqueles que não se acomodam com as injustiças do mundo. Foi ministra das Mulheres, ativista, sempre atuante na causa feminista. Muita falta!”, escreveu nas redes sociais.

A deputada federal Benedita da Silva (PT) também lamentou a morte da ex-ministra, a quem chamou de “grande guerreira”. O ex-prefeito Fernando Haddad (PT) escreveu: “Uma grande mulher. Tristeza”.

Em uma longa postagem nas redes sociais, a ativista feminista Manoela Miklos descreveu Nilcea como “uma mulher sem igual”. As duas conviveram quando Nilcea representava a Fundação Ford no Brasil e Manoela implantava a Open Society Foundations no Rio.

“Ela era essa mulher genial, feminista, com uma longa história de lutas e conquistas, ministra que fez a agenda dos direitos das mulheres avançar um infinito”, recorda a ativista.

Nilcea deixa dois filhos e três netas.

+ sobre o tema

Se a vida te der limões, espreme-os nos olhos dos inimigos

Agora que "Lemonade", o novo álbum de Beyoncé, está...

Maternidade no jogo perverso da vida

A maternidade muitas vezes é cruel, perversa e um...

Prorrogadas inscrições para o ‘Prêmio Lélia Gonzalez’

O prazo para postagem de propostas para o 'Prêmio...

para lembrar

“Uma negra furiosa”: Quem é Shonda Rhimes, o cérebro mais cobiçado da TV

“Uma mulher negra furiosa”. Assim uma colunista do New Tork...

I Diálogo Nacional sobre Violência Doméstica

Todos os 31 projetos selecionados no XIX Concurso de...

Nova curadora de moda do MASP: “Roupas podem ser armadura contra o racismo”

"Sempre fui curiosa". É com essa frase que a...
spot_imgspot_img

Elogio ao estupro e ódio às mulheres

Nem sempre é fácil dizer o óbvio. Mesmo porque, quando essa necessidade se impõe é fundamental entender as razões que estão por trás dela. Mas...

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...
-+=