Três anos sem Marielle Franco

Era uma quarta-feira, 14/03, jantávamos em um pequeno restaurante em Salvador depois de um dia intenso de atividades no Fórum Social Mundial que em sua 13ª edição, em 2018, acontecia naquela cidade, na Universidade Federal da Bahia. Na tv do restaurante o Jornal Nacional noticiou: A vereadora Marielle Franco foi assassinada à tiros, quando saía de uma atividade na Casa das Pretas, região central do Rio de Janeiro.

Um reboliço se instalou em nossa mesa. As pessoas alí presentes (defensoras e defensores de Direitos Humanos), passados alguns minutos de torpor, algumas já chorando, levantavam-se para correr para o aeroporto e ir para o Rio de Janeiro.

Foi assim que recebi a notícia da morte de Marielle Franco e de Anderson Gomes. Eu não conheci Marielle Franco pessoalmente, tinha essa expectativa pois, em abril daquele fatídico ano, participaríamos de um evento organizado pela ALARI – Afro-Latin American Research Institute, na Universidade de Harvard, sobre Racismo e Movimentos Negros no Brasil, onde eu representaria o Geledés-Instituto da Mulher Negra numa mesa para discorrer sobre Movimentos Sociais e Estado e ela estaria lá na mesa sobre Direito à biodiversidade, à cidade e a outras territorialidades.¹

Hoje, passados três anos da morte de Marielle Franco, sem que tenhamos respostas para as perguntas: “Quem mandou matar Marielle? Qual a motivação do crime? pensei escrever sobre esse brutal assassinato sob a minha perspectiva, neste pequeno relato.

A dica de leitura para hoje é UPP – A redução da favela à três letras: Uma análise da política de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro (Marielle Franco – UFF).

#MariellePresente
#QuemMandouMatarMarielleFranco
#3anossemrespostas
#MarielleVive
#JustiçaporMarielleEAnderson


¹Universidade de Harvard recebe evento sobre racismo e movimentos negros no Brasil – Uneafro Brasil

Maria Sylvia de Oliveira – Presidenta de Geledés-Instituto da Mulher Negra

+ sobre o tema

Você é feminista e não sabe com Lívia de Souza

Série de entrevistas do projeto Você é feminista e...

Justiça Militar absolve sargento homossexual do crime de injúria

Laci Araújo criticou uma procuradora após ter sido preso...

Senado abre consulta pública sobre legalização do aborto

O Senado Federal lançou uma consulta pública para saber...

Projetos propõem vagão exclusivo para mulheres em SP

Dois projetos de lei que tramitam na Assembleia Legislativa...

para lembrar

Transição capilar e produção de conhecimento

10 anos atrás, se você quisesse saber alguma coisa...

Minha cor chega primeiro. Reflexões sobre a experiência de ser uma mulher negra

Desde o momento do meu nascimento até meus derradeiros...

‘Não quero ser exceção’, diz a escritora Conceição Evaristo

A escritora mineira Conceição Evaristo venceu uma série de...

Enfrentar o racismo é necessário para consolidar a democracia e reduzir as desigualdades, afirma ministra

Fonte:  Blog Planalto  A necessidade de se assegurar oportunidades a...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=