Mulher é presa e pode responder por injúria racial depois de chamar taxista de “negro de m…”

Ministério Público ofereceu denúncia à Justiça, mas pena deve ser de prestação de serviços

O MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal) denunciou à Justiça a gerente Marlucia Aureniva Coelho, de 34 anos, por desacato e injúria racial. A mulher foi presa na madrugada de segunda-feira (2) depois de xingar o taxista Wagner de Sousa Vieira, de 39 anos, de “seu negro de m…”  e “negro ladrão” porque não queria pagar o valor total da corrida entre o Guará e a Asa Sul. Ela saiu da prisão no mesmo dia depois de pagar fiança.

A mulher iniciou a corrida com uma amiga em direção ao Plano Piloto, às 4h. A amiga desembarcou na 905 sul e Marlucia seguiu viagem até a 706 Sul. Ao chegar ao destino, ela se negou a pagar a corrida de R$ 48 e ofendeu o taxista várias vezes. O chamou de “negro ladrão” e de “negro de merda”. O taxista acionou a Polícia Militar e os agentes também foram ofendidos pela mulher que os chamou de “policiais de merda”.

Apesar da denúncia, o Ministério Público apresentou proposta de acordo de suspensão do processo porque Marlucia não tem outra condenação ou responde a processo criminal. Neste período, a mulher seria monitorada pela Justiça além de pagar indenização às vítimas, prestar serviços comunitários e participar de um curso de conscientização sobre igualdade racial, ministrado pela Universidade de Brasília.

A sugestão de acordo processual é uma possibilidade da lei em casos de crimes com pena mínima inferior ou igual a um ano. O promotor que apresentou a sugestão, Thiago Pierobom, explicou que esta é uma forma de aplicar a punição imediata e adiantar a sentença da Justiça.

— Demoraria dois ou três anos para o julgamento do processo e a pena deveria ser a de prestação de serviços comunitários, que seria o mesmo resultado, então a gente sugere isto como forma de ter certeza da punição e de forma rápida para que ela reflita sobre a conduta que teve.

Caso a Justiça aceite a proposta do Ministério Público, passados dois anos, Marlucia volta a ser considerada ré primária. Na maioria dos casos de injúria racial, os processos terminam com pena de prestação de serviços comunitários ou indenização. Neste caso, o juiz decidirá quanto à possibilidade de a acusada responder ao processo em liberdade e designará data para a acusada se manifestar quanto à proposta de acordo do MPDFT.

Injúria racial e racismo

A injúria racial é ofender a honra de alguém com a utilização de elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem. Recentemente, a ação penal aplicável a esse crime tornou-se pública condicionada à representação do ofendido, sendo o Ministério Público o detentor de sua titularidade.

O crime de racismo é a  conduta discriminatória dirigida a um determinado grupo ou coletividade. Considerado mais grave pelo legislador, o crime de racismo é imprescritível e inafiançável, que se procede mediante ação penal pública incondicionada, cabendo também ao Ministério Público a legitimidade para processar o ofensor.

Fonte:Noticias R7

+ sobre o tema

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

para lembrar

Nem tudo era italiano …

Este brilhante trabalho foi apresentado originalmente em 1995 como...

Além de odiar as mulheres, atirador de Santa Bárbara era racista, diz jornal americano

"Como pode garoto negro conquistar uma menina e não...

Estudantes e comunidade debatem racismo e xenofobia nesta segunda (25/08)

Nesta segunda-feira (25/08) a FSG vai sediar o debate CAXIAS...

Denúncias de racismo na internet crescem 81% em 2014, aponta levantamento de ONG

As denúncias de racismo encaminhadas à SaferNet Brasil, entidade...
spot_imgspot_img

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...

Alunos de colégio em Brasília sofrem ataques racistas em torneio de futsal

A Escola Franciscana Nossa Senhora de Fátima afirma que estudantes do colégio Galois chamaram seus alunos de "macaco", "filho de empregada" e "pobrinho" durante...
-+=