Músico que sofreu injúria racial dentro de shopping de salvador não sabe se foi autuado como vítima ou acusado

MÚSICO DIZ QUE SOFREU ATO DE INJÚRIA RACIAL DENTRO DE SHOPPING DE SALVADOR; ELE NÃO TEVE ACESSO AO BOLETIM DE OCORRÊNCIA E NÃO SABE SE FOI AUTUADO COMO VÍTIMA OU ACUSADO

Por Rebeca Bastos

Quando o músico e estudante de audiovisual Fábio Roberto Lira aguardava para comprar um lanche na Perini do Iguatemi, na última quarta-feira (25), não imaginava que seria mais uma vítima do crime de injúria racial. “Eu estava na fila quando um cidadão tomou a minha frente. Quando fui dizer que ele estava invadindo o meu lugar ele me agrediu verbalmente e disse que eu era um preto do cabelo rasta podre e f*****”.

Logo depois das injúrias raciais o músico, que é vocalista da banda de pop reggae Soul Negro, disse que procurou a segurança do shopping para formalizar uma denúncia contra o agressor, que responde pelo prenome de Michel e supostamente trabalha na Agência do banco Itaú do mesmo shopping. Ao ganhar uma negativa dos seguranças, que disseram que ‘o problema era da polícia’, Fábio foi atrás do agressor que tentou se esconder em uma loja de informática. Ao falar com o Michel, uma nova cena de intolerância se deu: “ele empurrou o meu rosto e me agrediu verbalmente de novo, daí os seguranças do shopping resolveram chamar a polícia”, contou.

‘Polícia comprou versão’

No entanto, a chegada da polícia não se traduziu na resolução do caso para Fábio, pois de acordo com ele, os seguranças do local compraram a versão de Michel, o acusado de cometer racismo, e disseram aos policiais que Fábio tentou agredir o homem. Aí, começa mais uma cena desfavorável para o músico: “eles não me deram oportunidade de falar nada, nem a meus dois amigos, que testemunharam tudo. Simplesmente nos jogaram na mala do carro, como se fóssemos criminosos, e Michel seguiu para a delegacia na frente, como a vítima da situação”, relatou inconformado.

De acordo com o advogado de Fábio, José Raimundo dos Santos Silva, a ação dos policias é questionável, uma vez que eles não deram o direito de seu cliente se defender. Já na delegacia, mais uma confusão põe em dúvida o destino do processo: “Não tivemos acesso ao boletim de ocorrência, nem ao termo de circunstanciado, que é onde consta quem é o autor, a vítima e o artigo do código penal do processo”, informou o advogado. De acordo com Silva, a próxima atitude é abrir um processo no Ministério Público para apurar o que houve de errado na ação policial e no procedimento da delegacia.

O delegado plantonista da 16ª delegacia, no bairro da Pituba, Fábio Melo foi procurado pela reportagem, mas não estava de plantão nesta segunda, seu colega, o delegado Alberto Xirame, disse que só ele poderá esclarecer os motivos de não ter apresentado o registro da ocorrência. “Este é um procedimento comum, dever ter acontecido alguma queda de sistema ou problema com a impressora”, argumentou.

Fábio, que também atua como educador em um projeto para presidiários e é militante da campanha do movimento negro “Reaja ou será morto. Reaja ou será morta”, disse que sente o racismo vivo em Salvador todos os dias, mas que nunca tinha sofrido uma ação direta como esta: “é insustentável uma situação destas ainda acontecer. Não posso deixar isso se perder, temos que correr atrás da justiça”, assegurou o jovem.

Protesto no Iguatemi

Por conta da postura da segurança do shopping, Fábio decidiu, através do Facebook, convocar os amigos e colegas de militância para chamarem atenção para a situação. O protesto aconteceu na tarde desta segunda-feira (30) e contou com o apoio de aproximadamente 50 pessoas que fizeram uma apitaço e empunharam faixas contra o racismo em frente à loja da Perini.

No entanto, de acordo com a assessoria do Iguatemi, os seguranças do shopping não tomaram partido de nenhum dos clientes, até porque “eles não presenciaram o fato” e não poderiam testemunhar. “Eles apenas esperaram a viatura policial chegar, a partir daí a condução do caso é uma responsabilidade da polícia”, justificou a assessoria, informando que caso o Iguatemi seja solicitado judicialmente para ceder as imagens das câmaras do circuito interno do shopping, o fará sem problemas.

Fatos recentes

Denúncias de racismo não são novidade em Salvador, que embora seja a cidade mais negra do mundo fora da África, expõe dados de intensa desigualdade racial, de acordo com dados do censo do IBGE 2010.

Recentemente, dois fatos ganharam repercussão na imprensa local e nacional. O primeiro terminou com a prisão da agressora e aplausos das testemunhas. Já o segundo, também envolve uma ação desastrada da força policial e terminou com a vítima no hospital e sem a visão de um olho.

 

Veja materia relacionada

 ‘Seu preto do cabelo rasta podre’ – Músico é vítima de racismo no Shopping Iguatemi em Salvador

 

 

Fonte: Bahia 247

+ sobre o tema

Estão abertas as inscrições para o Edital Traços

A segunda edição do Edital Traços, que foi intitulado Edital Caminhos em...

Peça “Contos Negreiros do Brasil” denuncia racismo no país

Texto de Marcelino Freire chega ao teatro, embasado por...

para lembrar

Auxiliar de limpeza ganha indenização por discriminação racial

"Essa negra, para vir trabalhar, está doente, mas para...

A família negra no tempo da escravidão

Há alguns anos venho investigando as experiências de vida...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=