Na Semana da Consciência Negra, SPM abre concurso de redações e ensaios sobre história das afro-brasileiras

“Mulheres Negras contam sua História” vai premiar cinco melhores redações com R$ 5 mil. Cinco candidatas selecionadas na categoria “Ensaio” receberão R$ 10 mil. Inscrições poderão ser feitas no período de 21 de novembro de 2012 a 25 de janeiro de 2013

Clique aqui para acessar a íntegra da chamada pública

A partir desta quarta-feira (21/11) estará aberto o período de inscrição para o prêmio “Mulheres Negras contam sua História”“, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR) em parceria com a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). “Nossa pretensão é que as mulheres negras escrevam e possam trazer subsídios para a elaboração de políticas públicas”, afirmou a ministra Eleonora Menicucci, da SPM, no ato de anúncio da chamada pública, ocorrido na segunda-feira (19/11), em Brasília.

O público-alvo do concurso é formado por mulheres autodeclaradas negras. Elas  poderão participar com redações e ensaios, contar a história e a vida das afro-brasileiras na construção do país. O prêmio possui duas categorias: “Redação”, com texto de no mínimo 1.500 até o máximo de 3.000 caracteres, e “Ensaio”, com textos de 6.000 a 10.000 caracteres. Serão premiadas as cinco melhores redações com R$ 5 mil,  e as cinco candidatas selecionadas na categoria “Ensaio” receberão R$ 10 mil.

O prêmio é uma iniciativa da SPM no resgate do anonimato das mulheres negras como sujeitos na construção da história do Brasil. O objetivo é estimular a inclusão social das mulheres negras por meio do fortalecimento da reflexão acerca das desigualdades vividas pelas mulheres negras no seu cotidiano, no mundo do trabalho, nas relações familiares e de violência e na superação do racismo.

Inscrições – As inscrições estarão abertas no período de 21 de novembro de 2012 a 25 de janeiro de 2013, e são destinadas somente às mulheres negras. As inscrições somente serão aceitas mediante o envio dos textos, em formato de texto, nas categorias “Redação” e “Ensaio”. Deverão ser efetuadas pelo endereço: [email protected] ou postadas pelo correio para o endereço: Prêmio Mulheres Negras contam sua História –  Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República – Praça dos Três Poderes Via N1 Leste, s/n Pavilhão das Metas. CEP 70150-908 Brasília – DF.

Racismo e sexismo – Apesar dos avanços ocorridos na última década decorrentes dos governos Lula e Dilma, ainda persistem duas fontes de desigualdade social: por gênero e por raça/etnia.  Os mecanismos de discriminação e segregação são complexos, mas neste Dia Nacional da Consciência Negra a SPM lança a chamada pública do Prêmio “Mulheres Negras Contam sua História” no intuito de que as histórias e ensaios que as afro-brasileiras escreverão possam gerar subsídios para combater as fontes de desigualdades e alterar comportamentos sociais sustentados pelo preconceito racial e de gênero.

Em 2011, pretos e pardos alcançaram 51,3% da população brasileira. No entanto, pretos e pardos são mais de 65% dos pobres do país. Entre os 10% mais pobres cerca de 71% são negros e negras. Entre os 10% mais ricos da sociedade brasileira, a população negra representa apenas 19% deste contingente (PNAD/IBGE, 2009).

Nas últimas três décadas universalizou-se o ensino fundamental no Brasil, mas isto não garantiu o acesso igual da população a escola. De acordo com o 4º Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, produzido pela SPM, Seppir, Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e ONU Mulheres, a distorção idade-série aumenta de acordo com o avançar das séries e o nível de ensino.

No ensino médio, a taxa de distorção idade série atingiu 41,0% dos jovens negros, contra 26,9% dos jovens brancos. No entanto, 38,2% eram jovens negras, contra 24,1% das mulheres brancas jovens. Em 2009, a taxa de escolarização de mulheres brancas no ensino superior foi de 23,8%, enquanto, entre as mulheres negras, esta taxa era de apenas 9,9%.

Acesse aqui a íntegra do 4º Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, para conhecer mais dados desagregados por sexo e raça com base na PNAD 2009.

Fonte: Secretaria de Políticas para as Mulheres

+ sobre o tema

Convocação para nomeações do Prêmio Womanity 2018

Você conhece organizações que estão criando ambientes urbanos mais...

A ‘epidemia silenciosa’ de desaparecimento de mulheres no Peru

No fim da tarde de 18 de janeiro, Dominga...

Teologia feminista: Deus tem gênero?

Se procurarmos por teologia feminista na wikipédia surge-nos a...

para lembrar

Policial ganha as redes sociais ao pintar cabelo de rosa em defesa dos homossexuais

Luke Watson mudou de visual para o Dia Internacional...

“Minha avó não é menor que Angela Davis. Ela também pavimentou a minha trajetória”

Professora da UFBA, Ana Flauzina lança 'Além do Espelho',...

Um perfil de Diva Guimarães, a professora de 77 anos que roubou os holofotes na Flip

Da plateia, paranaense falou sobre racismo em mesa com...

O legado das mulheres

Pensadoras, pesquisadoras, estudiosas, politizadas e revolucionárias sempre existiram. Entretanto,...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=