Número de mulheres na Assembleia de SP passa de 11 para 18; pretos são 5 de 94

Um terço dos deputados é milionário. Em 2014, apenas 3 pretos foram eleitos.

Por Bárbara Muniz, Felipe Néri e Paula Paiva Paulo, G1

Prédio da Assembleia Legislativa de São Paulo — Foto: Fabio Tito/G1

Com as eleições de 2018, a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), formada por 94 deputados estaduais, continua majoritariamente formada por homens (81%) e brancos (88%). Do total, um terço (32%) é milionário e declarou ter patrimônio superior a R$ 1 milhão.

Ainda assim, o número de mulheres eleitas teve um avanço, e passou de 11 para 18. Dessas, Analice Fernandes (PSDB), Leci Brandão (PC do B), Márcia Lia (PT), Maria Lucia Amary (PSDB) e Marta Costa (PSDB) foram reeleitas.

Adriana Borgo (PROS), Carla Morando (SPDB), Delegada Graciela (PR), Dra. Damaris (PHS), Edna Macedo (PRB), Erica Malunguinho (PSOL), Isa Penna (PSOL), Janaína Paschoal (PSL), Leticia Aguiar (PSL), Marina Helou (REDE), Mônica da Bancada Ativista (PSOL), Professora Bebel (PT) e Valéria Bolsonaro (PSL) passam a integrar a Alesp em 2019.

Apenas 5% são pretos
Dentre os 94 deputados estaduais eleitos para a Assembleia Legislativa de São Paulo, apenas 5 se autodeclararam pretos nas eleições 2018. Eles são 5% dos eleitos neste ano, de acordo com os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na bancada eleita em 2014, o número era ainda menor ainda: apenas 3.

No registro de candidatura do TSE, cada candidato pode se autodeclarar segundo uma de cinco categorias de raça ou cor: preta, parda, branca, amarela ou indígena. Segundo a classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pardos e pretos são considerados como negros em conjunto.

Os que se declararam pretos são: Leci Brandão (PC do B), Teonilio Barba (PT), Erica Malunguinho (PSOL), Mônica da Bancada Ativista e Tenente Nascimento (PSL).

Além dos pretos, cinco se declararam da cor parda e um da cor amarela. A grande maioria, 83 eleitos, se declararam brancos.

Bancada com 31 milionários

O número de milionários na Assembleia Paulista diminuiu de 39, em 2014, para 31, nas eleições deste ano. São candidatos que declararam ter patrimônio superior a R$ 1 milhão. Aprigio, do PODE, é quem tem o maior patrimônio: R$7.859.177,70. Como ocupação registrada no TSE, ele é administrador.

Em 2014, quem tinha o maior patrimônio era Gilmar Gimenes (PSDB), com total de bens declarados de R$ 23.140.837,74. Ele não se reelegeu.

Dos 51 novos deputados que foram eleitos, 9 não registraram nenhum bem ou patrimônio.

Veja os patrimônios dos milionários eleitos, do maior para o menor:

  1. Aprigio(PODE) – R$ 7.859.177,70
  2. Luiz Fernando (PT) – R$ 7.704.779,19
  3. Edmir Chedid (DEM) – R$6.247.279,32
  4. Estevam Galvão (DEM) -R$ 6.063.689,03
  5. Frederico D’Avila (PSL) – R$ 4.846.022,27
  6. Rogério Nogueira (DEM) – R$ 4.408.654,37
  7. Carlão Pignatari (PSDB) – R$ 3.614.087,14
  8. Coronel Telhada (PP) – R$ 3.429.483,50
  9. Carla Morando (PSDB) – R$ 3.216.023,89
  10. Roberto Engler (PSB) – R$ 3.141.347,60
  11. Conte Lopes (PP) – R$ 2.827.610,73
  12. Analice Fernandes (PSDB) – R$ 2.764.468,00
  13. Janaína Paschoal (PSL) – R$ 2.415.239,93
  14. Itamar Borges (MDB) – R$ 2.117.099,78
  15. Jorge Caruso (MDB) – R$ 2.081.203,21
  16. Milton Leite Filho (DEM) – R$ 2.068.533,95
  17. Ataide Teruel (PODE) – R$ 1.963.996,62
  18. Reinaldo Alguz (PV) – R$ 1.961.903,72
  19. Campos Machado (PTB) – R$ 1.800.886,15
  20. Jorge Wilson Xerife do Consumidor (PRB) – R$ 1.725.096,26
  21. Leci Brandão (PC do B) – R$ 1.700.544,79
  22. Vinicius Camarinha (PSB) – R$ 1.651.412,52
  23. Maria Lucia Amary (PSDB) – R$ 1.622.531,78
  24. Enio Tatto (PT) – R$ 1.598.964,98
  25. Marina Helou (REDE) – R$ 1.531.000,00
  26. Rodrigo Moraes (PSDB) – R$ 1.456.517,20
  27. Maurici (PT) – R$ 1.413.353,90
  28. Castelo Branco (PSL) – R$ 1.378.281,27
  29. Rafael Silva (PSB) – R$ 1.262.549,71
  30. Heni Ozi Cukier (NOVO) – R$ 1.016.518,51
  31. Fernando Cury (PPS) – R$ 1.005.150,74

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Brasil tem mais de 4.000 refugiados de 77 países

O número de refugiados cresceu nos últimos 15 anos....

Urariano Mota: A morte de Tayná, a tortura e a imprensa

O inquérito do assassinato da menina Tayná, no...

Eleição em São Paulo terá foice, pandeiro e martelo

por Pedro Venceslau Depois da estratégia de lançar Netinho de...

LIV SOVIK: Aqui ninguém é branco

Lançamentos Rio: Quinta - feira dia 4 São Paulo: Quinta -...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=