sexta-feira, janeiro 27, 2023
InícioSem categoria"Não denunciei porque não sabia que tratava-se de crime", diz vítima de...

“Não denunciei porque não sabia que tratava-se de crime”, diz vítima de assédio sexual em ônibus

GDF lança, nesta segunda-feira (24), campanha para encorajar as mulheres a denunciar abusos

Vítimas do DF não sabem que podem denunciar e testemunhas costumam se omitir, argumenta Secretaria da MulherHelvio Romero/Estadão Conteúdo

O Governo do Distrito Federal lança nesta segunda-feira (24) uma campanha para encorajar mulheres a denunciar abusos sexuais em transporte público. “Assédio sexual no ônibus é crime” será o tema da campanha, que também pretende sensibilizar passageiros a defender a vítima.

Em depoimentos colhidos pelo Governo do DF é possível ver que muitas das mulheres assediadas não sabem exatamente o que é crime. Eles também mostram que as testemunhas se omitem.

— Viajo sempre no horário em que os ônibus circulam lotados, no sentido Cidade Ocidental-Brasília. Certa vez, o homem ficou atrás de mim e, a todo momento, encostava seu corpo no meu. Tentava me afastar, mas não encontrava mais espaço. Sofri esse assédio até chegar à Rodoviária do Plano Piloto, onde trabalho numa loja. Não denunciei porque não sabia que tratava-se de crime ou algo assim — disse uma operadora de caixa que não quis se identificar.,

A campanha vai mostrar que o assédio é crime e pode ser enquadrado como “importunação ofensiva ao pudor” e até “estupro”, que podem levar o autor à prisão.

Cartilhas com explicações sobre assédio e o passo a passo para as mulheres reagirem e denunciarem farão parte da campanha, que também vai trazer cartazes dentro dos ônibus alertando as pessoas sobre esse tipo de crime.

Câmeras de segurança

De acordo com a Secretaria da Mulher, idealizadora da campanha, a partir de junho a nova frota de ônibus do DF vai vir com câmeras de segurança. Quem sofrer abusos poderá pedir as imagens para servirem de prova contra o agressor.

A orientação do DF é que a tanto a vítima quanto as testemunhas acionem o 190, telefone de emergência da Polícia Militar e peçam a intervenção de uma patrulha.

Em Brasília, para conter o assédio, o Metrô criou o “vagão rosa” como espaço exclusivo para as mulheres nos horários de pico. A medida é adotada, também, em outras capitais, como o Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba.

 

 

 

Fonte: R7

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench