Négo completa 83 anos de fundação

Entidade se reinventa com a participação de jovens lideres. A noite será marcada por palestra de pesquisadora local sobre a trajetória do negro em Venâncio Aires

Por Cristiano Wildner Do Folha do Mate

Atual diretoria com a nova identidade visual da associação/ Foto: Cristiano Wildner / Folha do Mate

Uma das entidades afrodescendentes mais tradicionais do Rio Grande do Sul chega aos 83 anos de fundação e acumula nesse meio tempo muito envolvimento na cena cultural e social de Venâncio Aires. A Sociedade Négo Foot Ball Club São Sebastião Mártir, que nasceu para abrigar a comunidade afrodescendente local, é hoje um simbolo de solidariedade e um marco na integração entre diferentes etnias.

Uma série de eventos foram programados entre junho e julho por conta do aniversário da entidade. Hoje ocorre palestra na sede da associação com a professora e pesquisadora Helen da Silva Silveira, 25 anos. O título de sua explanação, que inicia 19h30min, é ‘Eu négo que aqui só tenha branco: experiências de um clube negro na cidade de Venâncio Aires’.

Segundo Helen a entidade surgiu em um momento em que havia forte descriminação racial. A ideia, em 1935, era criar um clube para representantes da raça onde pudessem ter um espaço de lazer e entretenimento, mas também de valorização da cultura negra. O futebol foi uma espécie de ‘carro chefe’ do clube recreativo e cultural. ‘Négo teve como missão integrar os negros que na época eram proibidos de frequentar os mesmo eventos dos brancos’.

Na década de 1970 foi iniciada a construção da atual sede da entidade e que contou com grande participação da comunidade civil organizada do município. Ainda hoje a sede é considerada um dos maiores prédios afrodescendentes do Rio Grande do Sul.

Na pesquisa Helen percebeu na época de criação do Négo a maioria dos negros locais atuavam em serviços públicos. O fundador e primeiro presidente da entidade, João Generoso dos Santos, foi guarda municipal. ‘Naquela época o negro atuava em atividades sem grande visibilidade, em atividades secundárias’, destaca.

O trabalho de pesquisa sobre o Négo e sobre o negro na sociedade venâncio-airense também foi apresentado no II Seminário Internacional Histórias do Pós-Abolição, realizado neste ano no Rio de Janeiro. Helen integra ainda o Grupo de Estudo sobre Pós-Abolição (Gepa) da Universidade Federal de Santa Maria e pretende no próximo ano ingressar no mestrado em História, da mesma instituição.

Helen irá palestrar hoje à noite no Négo, a partir das 19h30min Foto: Cristiano Wildner / Folha do Mate

Na atualidade o Négo é uma entidade que preserva a cultura dos afrodescentes, mas valoriza a diversidade étnico racial estando aberto a participação de toda a comunidade’.
UBIRAJARA PEREIRA, O BIRA
Presidente do Négo

IDENTIDADE VISUAL

Ao completar 83 anos, o Négo teve também renovado a sua identidade visual. O trabalho foi desenvolvido por estudantes de Design da Universidade do Vale do Taquari (Univates). Os alunos idealizadores são Matheus Ferreira da Luz, Rodrigo Ruchel, Fábio Costa, Gustavo Garcia e Lucas Pinheiro. Para criação da nova identidade os jovens se basearam na cultura e mosaicos africanos. A Além da nova tipografia foi acrescida a frase ‘diversidade cultural’.

ORIGEM DO NOME

A entidade foi fundada em 29 de junho de 1935 por João Generoso dos Santos. A grande motivação de João Generoso para a fundação do Négo foi a não aceitação dos negros nos eventos sociais da sociedade. Até a década de 1930 na maioria das atividades de lazer do município como bailes, jogos recreativos e de futebol, onde havia maior participação das pessoas da comunidade era proibida a participação de negros.

A denominação ‘Négo’ apresenta duas versões, mas a mais aceita está relaciona ao primeiro negro a jogar no único clube de futebol do município, de elite branca. Atalibas Rodrigues quando atuou de goleiro levou um gol e sofreu ofensas racistas até mesmo de seus companheiros de equipe. ‘ Negro de sangue nas veias’, tirou a camisa retirando-se do campo e disse: ‘ Eu me nego a jogar em um time de racistas. ‘Os afrodescendentes que acompanhavam o jogo se retiraram todos junto com ele.

Um desfile de modas com a nova identidade visual do Négo foi apresentado na quinta-feira / Foto: Cristiano Wildner / Folha do Mate

+ sobre o tema

para lembrar

Pesquisador analisa expressões da cultura de resistência da periferia do DF

O trabalho do pesquisador Lucas da Silva foi selecionado...

Em Curitiba, marcha se posiciona contra intolerância religiosa e racismo

Manifestantes sofrem, durante evento, caso de ameaça racista. Autor...

Jornal pioneiro contra racismo deu voz a movimento negro há 100 anos

Há 100 anos, a criação de um jornal na...
spot_imgspot_img

Jornal pioneiro contra racismo deu voz a movimento negro há 100 anos

Há 100 anos, a criação de um jornal na cidade de São Paulo deixava marcas com o pioneirismo em relatos contra o racismo e a ampliação...

Em Curitiba, marcha se posiciona contra intolerância religiosa e racismo

Manifestantes sofrem, durante evento, caso de ameaça racista. Autor é acusado de injúria e lesão corporal grave Por Laís Melo, do Brasil de Fato Cerca de...

Pesquisador analisa expressões da cultura de resistência da periferia do DF

O trabalho do pesquisador Lucas da Silva foi selecionado para congresso na Argentina Por Lucas Batista, do Correio Braziliense Tendo a desigualdade social como triste realidade...
-+=