A Negra Felicidade

A história de uma mulher alforriada que volta a ser escrava é o objeto do espetáculo carioca A Negra Felicidade. Dirigida por Moacir Chaves, a montagem reconstitui um episódio verídico do Rio de Janeiro do século 19: em 1870, uma ex-escrava pede um empréstimo para conseguir comprar a liberdade de sua filha. O agiota, contudo, decide cobrar a dívida assumindo a posse da moça.

À época, o caso foi levado ao tribunal. E é precisamente sobre esse processo judicial que a peça se detém. “Não se trata de uma dramatização dessa situação, mas de uma relação com a notícia bruta, com os documentos”, comenta o diretor, que construiu a dramaturgia a partir dos autos do processo jurídico, de classificados de jornal daquele período e de um sermão do Padre Antônio Vieira.

“Além do imenso valor literário, esse é um sermão que trata especificamente da natureza ignóbil do homem, que explora a própria espécie”, pontua Chaves.

A despeito do caráter histórico, o caso recuperado por A Negra Felicidade pode servir para ampliar o entendimento sobre questões atuais. Ao recorrem à justiça, mãe e filha acabaram condenadas a prestar serviços por dois anos ao homem que as ameaçava. “Vivemos falando sobre a violência das cidades como se tratasse de um novo fenômeno e não da base sobre a qual nossa sociedade foi calcada. A violência de hoje é desprezível se comparada à da escravidão”, observa o encenador.

Além de A Negra Felicidade, a Companhia Alfândega 88, criada por Moacir Chaves em 2011, traz outro título de seu repertório a São Paulo. Labirinto leva à cena três textos do dramaturgo gaúcho Qorpo Santo: Hoje Sou Um, e Amanhã Outro; As Relações Naturais e A Separação de Dois Esposos.

Escrita no século 19 e desconhecida até a década de 1960, sua obra tratava de temas interditos como a sexualidade e a pedofilia. A Separação de Dois Esposos traz, inclusive, aquela que é considerada a primeira cena gay do teatro brasileiro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: DGACB

+ sobre o tema

A Origem e Consolidação do Racismo no Brasil

1- Constituição e Racionalização da Exploração Escravista na Antiguidade Mário...

A escravidão através dos olhos de uma parisiense em viagem pelo Brasil

Memórias, diários e relatos de viagens são fontes importantes...

Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas

“Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas”...

Caribe busca indenização do Reino Unido por escravidão

Mais de 150 anos depois das potências coloniais europeias...

para lembrar

Homens e mulheres concordam: o preconceito de gênero interfere no salário

De 13 perguntas da pesquisa Mitos & Verdades, feita...

É muito bom ligar a TV e receber um “Bom Dia” da Fernanda Carvalho

A colonização alemã do estado do Rio Grande do...

Gênero nos espaços públicos e privados

O estudo "Mulheres brasileiras e gênero nos espaços públicos...

Em conflitos de interesses pudor faz falta

Pudor é discrição, pejo, vergonha, recato e freio que...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=