Norueguesa é condenada à prisão por denunciar estupro em Dubai

Marte Deborah Dalelv foi condenada a 16 meses de prisão por ter feito “sexo” fora do casamento, perjúrio e por ter ingerido bebida alcoólica na noite em que foi estuprada

 

Nesta quarta-feira (17), a norueguesa Marte Deborah Dalelv , de 24 anos, foi condenada a 16 meses de prisão por ter sido vítima de um estupro em Dubai, famoso destino turístico dos Emirados Árabes. No dia 6 de março, Dalelv procurou a polícia de Dubai e afirmou ter sido vítima de violência sexual durante sua viagem de trabalho ao país. De acordo com o pai da jovem, ela foi imediatamente detida por quatro dias, teve o passaporte e dinheiro confiscados e foi indiciada criminalmente.

Segundo a legislação dos Emirados Árabes, um estuprador só pode ser condenado se o crime for presenciado por quatro testemunhas homens ou se o mesmo confessar o estupro. Já a norueguesa, em razão de ter denunciado o crime, foi condenada a 16 meses de prisão por ter feito sexo fora do casamento, perjúrio e por ter ingerido bebida alcoólica na noite em que foi violentada.

De acordo com o site norueguês VG.no, ao denunciar o estupro, a norueguesa ainda foi interpelada pelas autoridades policiais, em tom jocoso, se estava fazendo a denúncia por “não ter gostado do sexo”.

O caso repercute entre autoridades norueguesas que prometem apoiar a jovem na apelação da sentença. “A sentença em Dubai a uma norueguesa que denunciou um estupro é contrária a nosso sentido da justiça. Daremos a ela apoio no processo de apelação”, afirmou Espen Barth Eide, ministro das Relações Exteriores da Noruega, através do Twitter.

Fonte: Forum Revista

+ sobre o tema

Mulheres agredidas que vivem em comunidades do RJ relatam dificuldade para conseguir proteção

Mulheres agredidas que vivem em comunidades encontram um obstáculo...

Mulher Negra: “Mulher, a força que nunca seca”

Com o intuito de homenagear as mulheres - em...

CCFA promove exposição fotográfica 1.000 Mulheres pela Paz ao Redor do Mundo

O Centro Cultural Franco Amapaense (CCFA) promoverá, no período...

para lembrar

Luiza Bairros destaca avanços institucionais para democratização da participação negra na sociedade

Por: Lourenço CanutoRepórter da Agência Brasil   Brasília...

Veja as medidas do governo Lula para garantir os direitos das mulheres

Em cerimônia histórica, realizada  no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira, 8...

Carola é a 1ª DJ brasileira e negra a tocar no Tomorrowland: ‘Todos ganham’

No último dia 9 de março, quando é comemorado...

Moro promete atenção à investigação do caso Marielle: ‘Esse crime tem que ser solucionado’

O futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmou que irá...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=