segunda-feira, setembro 26, 2022
InícioQuestão RacialArtigos e ReflexõesNota oficial de Ivanir dos Santos: O que aprendi com a tolerância

Nota oficial de Ivanir dos Santos: O que aprendi com a tolerância

Como professor de História Comparada, aprendi que quase 400 anos de porões de navios negreiros, senzalas e chibatas não passaram em vão. E que ainda permanecem, atávicos, tatuados na alma de muitos brasileiros de todas as matizes.

Como sacerdote de Ifá e do Candomblé aprendi com minhas mais velhas e meus mais velhos: o amor,  o respeito, a caridade, a esperança, a equidade, a persistência e a tolerância.

Como agente político, aprendi, em décadas de militância, que o sonho se constrói nas lutas diárias. E que os bons combates são melhores às vitórias de Pirro. Citando Darcy Ribeiro, fundador do PDT: “Fracassei em tudo o que tentei na vida. Tentei alfabetizar as crianças brasileiras, mas não consegui. Tentei salvar os índios, não consegui. Tentei fazer uma universidade séria e fracassei. Tentei fazer o Brasil desenvolver-se autonomamente e fracassei. Mas os fracassos são minhas vitórias. Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu”.

Não posso deixar de lamentar a decisão política tomada ontem pela Executiva Estadual do PDT.

A decisão de não escolher meu nome, ao Senado pelo Rio de Janeiro, em benefício do III Sargento do Corpo de Bombeiros e Pastor Evangélico, conhecido como Cabo Daciolo.

Não há arrependimento de ter lutado com dignidade em prol do que acredito e ser buscado seguir os passos do nosso saudoso Leonel Brizola em prol da população marginalizada, favela e preta. Não reservo sentimentos ruins ou revanchistas. Mas sinto uma ponta de tristeza, pelo RJ e o Brasil perderem a oportunidade de trazer para os holofotes da discussão política, temas fundamentais para uma sociedade mais justa e mais humana. Como a democracia; a diversidade; a pluralidade; a tolerância religiosa; a luta antirracista e o cuidado com os vulneráveis. Em um momento histórico de genocídio dos povos indígenas; das contínuas chacinas contra o povo preto, pobre e de periferia; do aumento dos feminicídios e agressões à comunidade LGBTQIA+; do desmatamento da Amazônia; do  crescimento das milícias; do ódio e da intolerância; da volta da fome, com inflação galopante e total descaso dos governos federal e estadual; em minha humilde opinião, o Partido Democrático Trabalhista acrescentaria uma bela página à sua história, só de colocar em pauta essa temática que é nacional. Sem esquecer da proposta de um Estado Laico e de respeito à Constituição Federal em seu Artigo 1º:

“A República Federativa do Brasil (…) constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I- a soberania; II – a cidadania; III – a dignidade da pessoa humana; IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; V – o pluralismo político. Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”.

A política é a arte do possível. Esquecem-se ideologias, conteúdos programáticos, histórias de lutas democráticas de nossa gente, em função busca do poder pelo poder, dos arranjos pessoais, da fantasia de que o voto de protesto ou a capacidade de dominação de determinados pastores sobre seus rebanhos, lhes trará maior conveniência e musculatura eleitoral. Esquecem-se de pessoas como Abdias do Nascimento, Carlos Alberto de Oliveira, o nosso Cáo, Edialeda Salgado do Nascimento que tanto lutaram em prol das diversidades e equidades dentro do PDT. A história contará aos vivos e aos mortos, sua própria versão das escolhas tomadas no presente

Nossa luta, que nunca parou, continua. Seguiremos morando na Mangueira, defendendo os mais humildes, dos quais sempre fiz e continuo fazendo parte, nem acima, nem abaixo, mas ao lado, como diz Lélia Gonzalez: “Em razão disto é ir à luta e garantir os nossos espaços que, evidentemente, nunca nos foram concedidos”.

No dia 18 de setembro, às 10h, teremos a 15ª edição da Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, saindo do Posto 6 em Copacabana. Contamos com cada pessoa de boa fé, ou mesmo os que não têm fé, para engrossar essas fileiras que representam a luta da Civilização contra a Barbárie. Da democracia contra o autoritarismo. Da força que vem do povo contra as elites bilionárias aquarteladas em gabinetes e escritórios. Dos que têm fome contra os que exploram e esbanjam. Dos que são pelo respeito à diversidade contra os intolerantes. Pelo Estado Laico e de Direito contra qualquer tentativa de golpe.

Sigamos juntos, como convocou o poeta Carlos Drummond de Andrade:

“Estou preso à vida e olho meus companheiros

Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças

Entre eles, considero a enorme realidade

O presente é tão grande, não nos afastemos

Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas”.        

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench