Grada Kilomba: Lidando com o Racismo na Europa

Grada Kilomba: Lidando com o racismo na Europa

Autora de “Plantation Memories”

Em primeiro lugar, o racismo é um problema branco,

Um problema da sociedade branca.

E, em segundo lugar, não é uma questão ”Sou racista ou não”.

Essa não é uma questão que a pessoa branca deve fazer.
Mas, sim, a questão:

“Como eu desconstruo meu próprio racismo?”

O dever das pessoas brancas- e o racismo é definitivamente uma questão delas- é de tornar-se cientes de que elas são brancas.

E o que significa ser branco?

O que esta branquitude encarna?

Encarna privilégio, encarna poder, encarna também poder e brutalidade.

Como eu lido com todas essas partes da minha história?

Estas são as questões que as pessoas brancas precisam lidar.

E este é um processo psicológico, eu penso, para as pessoas brancas quando elas começam a lidar como o racismo.

Há como um encadeamento… um processo.

Primeiro estamos lidando com a negação dizendo “não, não é bem assim, não sou branco, e não sou racista, sou diferente”.

Da negação, passamos a um outro momento de culpa, culpabilidade.

Vem então um terceiro momento de vergonha.

E vem um quarto momento de reconhecimento.

E então vem a reparação.

E a reparação só é possível…

Reconhecimento e reparação só são possíveis quando a pessoa branca é capaz de se posicionar.

E esse processo descreve…

Esse é um processo branco.

Para as pessoas negras,

Nossa tarefa é nos curarmos.

E como sobrevivemos e nos curamos?

Nos abraçando, cuidando bem de nós, tomando a palavra, reconstruindo livros, documentando nossa história, falando, fazendo filmes…

Construindo, recuperando o que foi perdido, reavendo o que foi tomado.

Ou recompondo a história, que é uma história fragmentada.

É isto que estamos fazendo.

É como fazer um filme com pequenos fragmentos de imagens.

E na diáspora temos todos este pedaços fragmentados e estamos reunindo-os.

É  assim que nos curamos.

Então nós temos um processo diferente para sobreviver, temos um processo diferente para lidar.

Fonte: Mama Press

 

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Entenda por que o hino do Rio Grande do Sul é considerado racista

Mas não basta pra ser livre / Ser forte,...

“O Brasil ainda é extremamente colonial”

Grada Kilomba nasceu em Portugal, cresceu em São Tomé...

O desemprego no Brasil e na Europa: onde mesmo está a crise?

Taxas na França, Portugal, Itália, Espanha e Grécia são...

Notas sobre os Desafios para o Brasil

Anais do Seminário Internacional "Multiculturalismo e Racismo: O papel...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Militares viram no movimento negro afronta à ideologia racial da ditadura

Documento confidencial, 20 de setembro de 1978. O assunto no cabeçalho: "Núcleo Negro Socialista - Atividades de Carlos Alberto de Medeiros." A tal organização,...

Sonia Guimarães, a primeira mulher negra doutora em Física no Brasil: ‘é tudo ainda muito branco e masculino’

Sonia Guimarães subverte alguns estereótipos de cientistas que vêm à mente. Perfis sisudos e discretos à la Albert Einstein e Nicola Tesla dão espaço...
-+=