Negritude e consciência

“Uma civilização que se mostra incapaz de resolver os problemas que seu funcionamento provoca é uma civilização decadente. Uma civilização que opta por fechar os olhos para seus problemas mais cruciais é uma civilização doente.” A fala de Aimé Césaire no livro “Discurso de sobre o colonialismo”, propõe uma profunda reflexão sobre o modo como o chamado “racismo à brasileira” tem se engendrado historicamente.

Contudo, proponho levantar uma discussão sobre as bases constituintes do pensamento racista no brasil, considerando as determinações sócio-históricas que produzem os mecanismos simbólicos por meio dos quais são mediadas as relações sociais que criam o lugar de opressão ao povo negro.

Em primeiro lugar é preciso destacar que mulheres e homens são seres sociais constituídos histórica e culturalmente no instante em que constroem suas condições de existência. Logo, é possível afirmar que a consciência humana é uma instancia do ser que embora materializada no âmbito da interioridade, se produz mediante determinações da realidade objetiva ao mesmo tempo em que retorna à concretude desse real por meio da ação humana no mundo.

Se a consciência é uma produção histórica e cultural, as relações concretas do conjunto dos homens de uma sociedade são orientadas pelas realidades objetiva e subjetiva, numa oposição dialética de mútua constituição. Essas relações se materializam tanto na ação do homem para com a natureza quanto do homem em sua dimensão interpessoal e intrapessoal.  Isto nos leva a refletir sobre a natureza social das relações humanas em oposição a um pensamento essencialista ou naturalizante que aparta tais relações de suas condicionantes históricas. 

Logo, sendo a consciência uma produção social que baliza as relações humanas, é possível constatar que as subjetividades podem ser construídas enquanto resultantes dessas relações que são engendradas mediante conflitos, disputas e embates por interesses hegemônicos.

A mentalidade escravocrata, por exemplo, atendeu a uma proposta de dominação eurocêntrica que visava a construção e a consolidação de um poder que subjugava um determinado grupo humano. Podemos destacar as ideologias como elementos centrais no processo de mediação e constituição dessa consciência. Entendemos aqui como ideologia os construtos sociais que fabricam imagens distorcidas do real para ocultar realidades. Em outras palavras, ideologias são mecanismos de ocultação da própria realidade.

O processo de escravidão que “diasporizou¹” e dizimou milhões de pessoas, sobretudo do continente africano, teve como sustentáculo a ideologia da desumanização. A produção de seres humanos desumanizados, desalmados, autoriza a subjugação e a exploração sem que se ponha em dúvidas uma ética que atende o homem em sua genericidade.

Isto posto, e possível apontar que, se a consciência racista é uma produção social que se constrói em um dado momento histórico e que orienta a ação humana, não seria possível combater o racismo sem a produção de uma mentalidade antirracista. Ou seja, é urgente a construção de uma nova consciência revolucionária, intolerante a todas as formas de opressão.

Essa consciência não será dada ou presenteada, mas o produto de uma ação intencional que, no campo de disputa, se propõe a construir um modo de sociabilidade mais equânime, que admita o longo passado de opressão, mas que, sobretudo reconheça o potencial humano de sujeito histórico capaz de produzir, reescrever e recontar um modelo de relação social que entenda a diversidade humana como fator de complementaridade e não de inferioridade. 


¹ Compreende-se por processo diaspórico a comercialização de milhões de pessoas oriundas do continente africano espalhadas por diversos lugares do mundo, sobretudo àqueles em que se estalaram a atividade colonial, sob o comando das metrópoles com fins exploratórios e comerciais. Sabe-se que dos 12 milhões de pessoas escravizadas foram espalhadas por todo o mundo. De acordo com o site Slave Voyages (viagens escravas), estão catalogadas 29 mil travessias transatlânticas, que carregaram 9 milhões de escravizados para o Brasil.

Prof. Dr. Ângelo Oliveira do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará-IFCE / Campus Acaraú. Área de Currículo e Estudos Aplicados ao Ensino e Aprendizagem. Pesquisador dos temas relativos à inclusão escolar, formação de professores e subjetividade
** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

 

+ sobre o tema

Lauryn Hill, YG Marley e Mano Brown tocam em festival em SP; saiba como comprar ingressos

O Chic Show, projeto que celebra a cultura negra e...

Filhos de Bob Marley anunciam primeira turnê coletiva em duas décadas

Bob Marley teve, ao total, 11 filhos, e cinco deles...

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da...

para lembrar

Guerreiro Ramos, pioneiro nos estudos do racismo no Brasil

Não foram poucas as controvérsias protagonizadas, em vida, pelo...

Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

"Eu vivo num país racialmente apartado", afirma a filósofa Sueli...

“Mesmo com vice negra, somos oprimidas”, diz escritora colombiana

A escritora e jornalista colombiana Edna Liliana Valencia, de...

Em Moçambique, Anielle Franco assina acordo de combate ao racismo

Com agenda intensa em na África do Sul, a...
spot_imgspot_img

Colégio afasta professor de história investigado por apologia ao nazismo, racismo e xenofobia

Um professor de história da rede estadual do Paraná foi afastado das funções nesta quinta-feira (18) durante uma investigação que apura apologia ao nazismo, racismo...

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da terceira sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes, que reúne ativistas antirracismo, pessoas defensoras dos direitos...

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...
-+=