O “Diário de um retorno ao país natal” de Aimé Césaire, por Leo Gonçalves

Uma das publicações mais importantes feitas recentemente no Brasil, a meu ver, mas que passou em brancas nuvens, foi o revolucionário poema Diário de um retorno ao país natal [Cahier d’un retour au pays natal], de Aimé Césaire, editado pela Edusp em 2012 com tradução e estudos de Lilian Pestre de Almeida. Se contarmos a data de sua versão definitiva, a obra chega ao país com um atraso de pelo menos 56 anos.

Por Leo Gonçalves, do Escamandro

Aimé Césaire (1913-2008) foi poeta e político martinicano. Estudou em Paris numa época em que se respirava a arte de vanguarda. Interessou-se pelo surrealismo na mesma época em que formou, junto com Léopold Sédar Senghor, Léon-Gontram Damas e outros, um grupo de discussões sobre identidades e valores culturais do homem negro. Fundaram, nesta época, o jornal L’Étudiant Noir, onde aparece escrita, pela primeira vez a palavra Negritude:

(…) queremos explorar os nossos próprios valores, conhecer os nossos próprios valores, conhecer as nossas forças por experiência pessoal, cavar a nossa própria profundeza, as fontes eruptivas do humano universal, romper a mecânica identificação das raças, rasgar os superficiais valores, abarcar em nós o negro imediato, plantar a nossa Negritude como uma bela árvore até que ela traga os frutos mais autênticos[1].

Considerado um dos maiores poetas da língua francesa no século XX, Césaire foi saudado por André Breton (“E é um Negro que maneja a língua francesa como não há hoje um Branco para manejá-la”) que considerava o Diário “o maior monumento lírico de seu tempo”. Jean-Paul Sartre, nos anos 1940, o via como o grande poeta vivo da língua francesa: “Em Césaire, a grande tradição surrealista se acaba, toma seu sentido definitivo e se destrói: o surrealismo, movimento poético europeu, é roubado dos europeus por um negro que o volta contra eles e lhe assinala uma função definida.”[2] Seu enterro em 2008, por fim, ganhou obséquias nacionais do governo francês, homenagem geralmente prestada a personalidades francesas, mas antes concedida somente a dois outros poetas: Paul Valéry e Victor Hugo.

O Diário de um retorno ao país natal é o primeiro poema de Césaire que se tem notícia. Teve sua primeira aparição na revista Volontés, n. 20, de agosto de 1939. Foi revisto, reescrito e aumentado ao longo de pelo menos 17 anos, quando por fim foi publicado pela Présence Africaine, que o edita até hoje. Pode, dentre suas diversas leituras possíveis, ser considerado o poema fundador da identidade cultural martinicana. Espécie de epopeia espiritual, relata o mergulho interior em busca de sua camada mais profunda. Como nos programas estéticos do surrealismo, o poeta faz uma busca do inconsciente e um esforço de supressão das camadas sociais impostas. Ao retirar essas camadas, encontra aquilo que ele chama de “Negre essentiel” [Negro essencial], a África e seus valores presentes e sobreviventes no homem negro contemporâneo.

Continue lendo aqui

 

 

+ sobre o tema

Alemães e sul-africanos passam experiências da Copa a Cuiabá

Cuiabá recebe, nesta quinta-feira (23), profissionais diretamente ligados...

17/11 – Antropóloga Heloísa Pires fala sobre elo cultural afro-brasileiro

A antropóloga e escritora Heloísa Pires fará palestra sobre...

Tênis: Venus sofre, e rivais “passeiam” na Austrália

Venus Williams sofreu para passar à terceira rodada...

Congada 13 de maio: quarenta anos de história, tradição e fé

Ceiça Ferreira Mais uma vez os tambores das...

para lembrar

Anderson Silva vira boneco

Aproveitando a fama de seu campeão do UFC, o...

Anderson Silva passeia com os filhos em shopping carioca

Anderson Silva aproveitou a noite desta quinta-feira, 12, para...

Emerson Damasceno: A Fifa é que precisa do Brasil

"Não é o Brasil que precisa da Fifa, mas...

Pesquisador fala sobre ‘Projeto baobá’

O pernambucano Gilberto Vasconcelos faz palestra direcionada a educadores...
spot_imgspot_img

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Wesley Barbosa, um escritor guardador de memórias e detalhes

A primeira leitura que fiz dos livros de Wesley Barbosa foi a partir do romance "Viela Ensanguentada", logo após o seu lançamento, pela Ficções, em 2022....

Torta de climão

Conversa vai, conversa vem, dia desses uma conhecida relatou o desconforto que sentiu ao ser tratada como "a diferente" durante uma viagem ao exterior. –...
-+=