O futebol nos tempos de cólera

Abro a Rede Social e me pergunto por que insisto em ler aquela caixa de comentários, onde o bom senso só surge como terra arrasada.

Pela enésima vez, me deparo com um discurso que encerra de imediato qualquer discussão sobre a Copa do Mundo.

Trata-se da ideia de que futebol é mera futilidade, uma distração inaceitável num momento em que todo e qualquer cidadão deveria militar por reformas nos serviços públicos do País. Algo como o “O ópio do povo”. Falou de futebol, é um alienado, responsável pelo “atual estado de coisas” observado no Brasil.

Embora pareça antenado, esse é um discurso falsamente politizado, que pretende se apresentar como exercício de espírito crítico, mas esbarra na falta de consistência. Espírito crítico exige análise, informação, ponderação, proposição. O discurso radical disseminado em tantas caixas de comentários, pelo contrário, rejeita “tudo que aí está”, inclusive os caminhos políticos e institucionais e seus atores. É antes uma forma de se abster do que de se envolver.

O que me surpreende, no entanto, não é o radicalismo, mas o desembaraço para negar o futebol como elemento cultural.

É o tipo de abstração sem sentido que pode reduzir qualquer atividade a uma distração supérflua, porque o valor das coisas, quase sempre, não é intrínseco, mas oriundo do significado que atribuímos a elas.

Cultura, afinal, não são apenas as artes, mas tudo aquilo que é produzido pela inteligência humana. São os costumes e valores de uma comunidade.

Por consequência, não há como dissociar o futebol da cultura e da identidade brasileira (assim como acontece com tantos outros países). Faz parte da nossa memória afetiva, dos nossos hábitos, da nossa economia, das nossas artes, de como nos divertimos.

Sem paixão pelo futebol não haveria os contos de Nelson Rodrigues, os acordes de “Fio Maravilha”, os balés de Garrincha, os quadros de José Roberto Aguilar, ou a arte de rua típica das Copas do Mundo.

Não haveria o Jesus do Futebol.

Eu não encontraria os melhores amigos dessa vida na próxima quinta-feira e não teríamos na memória os grandes momentos, bons e ruins, que vivemos juntos nas Copas de 2002, 2006 e 2010.

E os problemas seculares que existem no País provavelmente seriam todos iguais.

O futebol, não nos define, mas faz parte do nosso repertório e ajuda a construir nossa identidade como povo. Suprimi-lo da agenda do brasileiro até que a Saúde, a Educação e outras prioridades atendam a padrões de primeiro mundo soa mais como castigo do que como solução

Fonte:Carta Capital

+ sobre o tema

Heloisa Pires – O Pescador de histórias

As ilustrações de Élon Brasil O Pescador navega...

Heloisa Pires Lima – A criação literária como um fio condutor

No meu caso, a criação literária é um...

‘Lima Barreto, ao terceiro dia’ conta vida e obra do escritor

Com texto de Luiz Alberto e direção de...

Seleção exibirá faixa contra armas, drogas, violência e racismo em partidas

Faixa exibida pela Seleção Brasileira nos últimos jogos...

para lembrar

Os grupos de mídia não estão à altura do país

Luis Nassif A Copa do Mundo desnudou um dos maiores...

“Gosto de falar de racismo porque há quem pense que tudo vai bem”

O ex-jogador francês Lilian Thuram trocou o futebol pelo...

Pelé ironiza ‘gol de cabeça’ de Maradona e diz que Di Stéfano foi melhor

Fonte: Globo Esporte - Acostumado a ser provocado por Diego...

Emoção no adeus a Armando Nogueira

Por: Thiago Lavinas Jornalista é enterrado no Rio de...
spot_imgspot_img

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela Seleção Brasileira, 42 títulos, duas vezes campeão da Copa América e da Copa das Confederações,...

Mbappé comunica ao PSG que vai sair do clube ao fim do contrato

Mbappé comunicou à diretoria do Paris Saint-Germain que vai deixar o clube ao fim do contrato, o qual se encerra em junho. A informação foi dada...

Costa do Marfim venceu o CAN 2024

Já é conhecido o vencedor da 34ª edição do Campeonato Africano das Nações de futebol: a Costa do Marfim. Primeira parte: vantagem Nigéria A selecção nigeriana, que tinha...
-+=