O idioma negro

A partir da crítica do conceito de raça, ensaio de Achille Mbembe advoga pela reavaliação da contribuição africana para a história da humanidade

por Paula Alzugaray no Select

Na acepção de poetas africanos contemporâneos, assim como de movimentos ativistas por direitos civis nos Estados Unidos dos anos 1960, negritude é idioma, linguagem por meio da qual pessoas de origem africana se expressam ao mundo. Para Achille Mbembe, historiador e cientista político camaronês, referência acadêmica máxima em estudos do pós-colonialismo, Negro é um substantivo transformado em conceito: uma invenção, produção ou fantasia da imaginação europeia. Esse paradoxo da negritude sustenta a tensão narrativa do monumental Crítica da Razão Negra. Publicado originalmente em 2014 e lançado proximamente no Brasil pela N-1 Edições, o dilacerante ensaio de Mbembe é um tratado sobre a evolução do pensamento racial – desde o sistema escravagista do século 15 até os movimentos migratórios contemporâneos. Acima de tudo, é um manifesto pela descolonização mental em escala global.

Com um título evocativo à Kant, é com Hegel que Mbembe inicia sua demolidora crítica do racismo, do colonialismo e do discurso iluminista europeu. Assertivo, credita a Hegel (em Fenomenologia do Espírito, 1807) a associação do Negro à “figura animal”, ou à consciência “desprovida de universalidade”. Sua massa de argumentação crítica contrapõe-se com tal eficiência às estratégias de construção do conceito de raça, que leva o leitor a reconhecê-las em sua própria experiência cotidiana. Como na coleção de capas da revista Time, reunidas em um trabalho do chileno Alfredo Jaar (From Time to Time, 2006), em que a notícia sobre a África é quase sempre associada a imagens do mundo animal.

Crítica da Razão Negra afirma-se como uma obra completa. É um trabalho de revisão historiográfica definitivo ao situar o nascimento do capitalismo e da idade moderna no comércio triangular entre África, Américas e Europa em torno da economia escravagista no Atlântico. É um tratado político potente ao investigar a instrumentalização do conceito de raça a serviço da legitimação do projeto de poder do hemisfério ocidental. E uma obra filosófica necessária ao afirmar que, beneficiando-se do processo de globalização, “a lógica da raça volta a irromper na consciência contemporânea”. Reconhecendo as novas variantes do racismo e da violência colonial no antissemitismo, na bestialização de grupos considerados inferiores e na atual crise de refugiados, faz-se leitura obrigatória.

Crítica da Razão Negra
N-1 Edições, 312 págs.

+ sobre o tema

Dúvidas sobre a prisão da jovem negra no Ceará

A repercussão ganha a forma de show, e com...

PM afasta policial racista que agrediu aluno na USP

PM afasta das ruas sargento que agrediu aluno da...

Famoso Pastor conta em testemunho que mesmo sendo cristão, era ‘racista até a alma’

O famoso Pastor batista John Piper afirmou recentemente que...

para lembrar

No STF, grupo pede continuidade das cotas em universidades

Por: Débora Santos Supremo começou a julgar legalidade de...

Carrefour indenizará empregada que tinha a bolsa revistada

A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve...
spot_imgspot_img

SC tem alta de 51% nos casos de injúria racial e lidera denúncias do crime no país

Em Santa Catarina, seis pessoas procuraram a polícia por dia, em média, para denunciar casos de injúria racial em 2023. No ano passado, 2.280 pessoas sofreram ofensas...

O destino dos negros

A semana em que o Estatuto da Igualdade Racial (lei 12.288/2010) completou 14 anos foi repleta de notícias que atestam o quanto o Brasil está longe...

Roda de samba no Centro do Rio registra dupla imitando macacos em evento: ‘não será tolerado’

O PedeTeresa, roda de samba que acontece na Praça Tiradentes, no Centro do Rio, compartilhou um vídeo de uma dupla imitando macacos em um...
-+=