O negro que se tornou o primeiro caso na Justiça de racismo no Brasil

Em 1955, Fernando foi expulso na escola de elite onde foi colocado pela patroa da mãe

Por MARÍA MARTÍN, do El Pais 

Esta não é a primeira vez que Fernando Dias, de 63 anos, aparece num jornal. Em 1955, com pouco mais de três anos, ele ocupou as páginas dos diários cariocas durante meses. Sua história foi batizada como “o caso do menino preto” e foi, segundo os cronistas, a primeira vez que o Judiciário brasileiro enfrentava um caso de racismo.Fernandinho, bisneto de escravos e filho de uma empregada e um mordomo de Petrópolis, foi matriculado na então mais nova escola de elite em Copacabana, a The Happy School. Com doutrina canadense, o jardim de infância matriculou rapidamente sobrenomes reluzentes como Van Lammeren, Malcon Morris, Von Bertrand… A maioria de diplomatas que, em seguida, demonstraram seu desconforto ao ver seus filhos brincando com um negro.

O único nobre que aquele menino tinha era a patroa da sua mãe, Devanaguy Lakmy Silva, uma refinada filha de militar, que o apadrinhou, pagou seus estudos, e o tornou herdeiro de todos seus bens desde que nasceu. “Ela era humanista e progressista, mas foi uma postura polêmica em uma cidade escravocrata e racista”, lembra ele hoje. Os diretores da The Happy School, que aliás se passaram por canadenses mas eram brasileiros, expulsaram Fernandinho da escola em um piscar de olhos e o escândalo explodiu. “O povo brasileiro é profundamente hostil ao preconceito racial”, “ficou claro que a medida racista foi insuflada por gente que herdou de Hitler o ódio pelos povos inferiores”, diziam algumas reportagens da época. Fernandinho ganhou o caso e os falsos canadenses foram condenados simbolicamente a um ano de prisão graças a lei Afonso Arinos, a primeira lei antirracismo do Brasil.

 

Continue lendo aqui 

+ sobre o tema

Revista Claudia e UNIFEM:Defendem Pelo fim do Racismo

  Com imediata adesão à campanha "Pelo fim...

Prouni: Um sucesso para ninguém botar defeito, por Elio Gaspari

Elio Gaspari, O Globo A notícia pareceu uma simples...

Maestro agredido na Espanha chega ao Recife

"Voltei, Recife, foi a saudade que me trouxe pelo...

Lei isenta comunidades quilombolas do pagamento do ITR e perdoa dívida

A partir de agora, as comunidades quilombolas não terão...

para lembrar

MP vai apurar suspeita de racismo de Danilo Gentili no Twitter

MP vai apurar suspeita de racismo de Danilo Gentili...

Estagiário perde batalha contra ministro

  BRASÍLIA - O procurador-geral da República, Roberto...

FKA twigs fala abertamente sobre o racismo na internet

FKA twigs se abriu sobre as pressões e stress...

PM: “Nós ficamos sete dias de luto, vocês também irão ficar”!

A morte de um policial protagonizou uma série de...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=