‘O país é racista, me olham como ET’, conta Betão, ex-Corinthians, sobre Ucrânia

Racismo, maus tratos, corrupção. Muitos dos problemas que os primeiros brasileiros encontraram na Ucrânia fazem parte do cotidiano também dos seus sucessores.

O zagueiro Betão, que apareceu no Corinthians e hoje está no Dínamo de Kiev, lembra com tristeza do dia em que ouviu um garotinho dizer para a avó “o negro fala russo”; após pedir licença para os dois em um mercado.

“O país é racista. Contra negros, contra arábes e contra pobres. As crianças me olham como extraterrestre. Eles deviam ensinar na escola que existem outras raças.”

Nada muito diferente da cena que Leandro Machado recorda bem. Em 2002, logo que desembarcou na Ucrânia, as pessoas paravam na rua para olhar e até tocar sua secretária, que era negra.

O ex-zagueiro inglês Sol Campbell chegou a pedir que os jogadores negros boicotem a Euro devido a essa situação.

Já o atacante Maicon Oliveira, artilheiro do último Ucraniano pelo Volyn Lutsk, reclama dos excessos cometidos por treinadores no relacionamento com jogadores.

“Estávamos ganhando de 4 a 0, e o técnico entrou xingando todo mundo no vestiário durante o intervalo. Ele pegou um moleque e acertou um chute na bunda dele”.

O jogador também se desentendeu com Vitali Kvartsiani. Irritado, o treinador jogou um giz em sua cabeça. O brasileiro não aceitou a agressão e o chamou para briga.

Maicon ainda admite que é comum armações de resultados entre dirigentes na Ucrânia. Mas assegura não ter participado de nenhum tipo de esquema de corrupção.

“O que acontece é que o presidente de um clube tem dívida com o dono do outro e aí paga tirando seu melhor jogador da partida. Tem que dar uma de cego e fingir que não vê o que acontece por lá”, denuncia o atacante.

INVESTIMENTOS

R$ 524 milhões são gastos com atletas nacionais. Esse é o valor investido por ucranianos em jogadores do Brasil desde 2002. Só na temporada passada, 37 brasileiros disputaram a primeira divisão, em 12 dos 16 clubes. Foi ao se encher de brasileiros que a Ucrânia conquistou seu primeiro título continental, a Copa da Uefa, em 2009, com o Shakhtar.

 

 

Fonte: Paraiba

+ sobre o tema

Racismo no Brasil é tão profundo que ainda não sabemos nem medi-lo direito

Há uma benéfica tendência de construção de indicadores sobre...

As desculpas do humorista do “Pânico” e as bananas de Gentili. Por Kiko Nogueira

O “Pânico” e o comediante Eduardo Sterblitch tomaram a...

Ação publicitária de construtora com homem-placa gera denúncias de racismo em São Paulo

Por:Luísa Lucciola O jornalista César Hernandes, de 38 anos, flagrou...

Da USP ao Grajaú: o fascismo em dois atos

Legalização das drogas não é reivindicação menor de uma...

para lembrar

Mais um Amarildo? Jovem é encontrado morto no Rio após ser abordado por PMs de UPP

Desaparecido há cinco dias, o jovem Clayton da Silva Modesto,...

Relatório aponta aumento de discriminação no futebol envolvendo brasileiros

Somente em 2018, houve o registro de 44 ocorrências...

Mulher é presa ao jogar farinha em vizinha negra: ‘você agora é britânica branca’

Kellie Wells assediou sua vizinha inúmeras vezes com atos...

“O cinema e o áudio visual brasileiro é o mais racista do mundo”, afirma ator e diretor

Programa Vozes da Resistência, com Douglas Belchior, recebeu nesta...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=