“Orgulho de ser branco” – Mais diversidade significa menos gente branca

“Orgulho de ser branco”: negros não entram

Grupo no Facebook divulga conteúdos racistas, xenófobos e machistas utilizando o argumento de que a diversidade pode extinguir a “raça” branca

O racismo não está presente somente nas relações cotidianas, mas também marca território na internet, especialmente nas redes sociais. A página “Orgulho de ser branco/eurodescendente”, hospedada no Facebook, tenta mascarar o racismo da maioria dos participantes do grupo com o discurso de que os brancos são discriminados e que, portanto, possuem o direito legítimo de afirmar seu orgulho racial.

No entanto, algumas postagens dos membros do grupo revelam o racismo, ora velado, ora não, contido na página criada na rede social. “Mal acordo hoje e tenho que ouvir na globo: ‘estamos aqui celebrando a mistura entre os povos …’ porra, deu vontade de me jogar aqui do meu ap”, afirma um dos membros do grupo.  O grupo é fechado e conta com 202 membros.

Dois repórteres daFórum solicitaram a participação no grupo. Um deles, branco com o sobrenome europeu foi aceito de imediato. Outro que tinha a foto de um negro em seu perfil não teve a participação autorizada.

Não só o racismo é explicito na página do grupo, mas também existem postagens claramente xenófobas e de intolerância religiosa. No último dia 26 de julho, um dos membros mais ativos do grupo postou o seguinte questionamento: “Já que os muçulmanos são um problema em muitos países da Europa, o governo desses países não podem simplesmente expulsar esses imigrantes de lá?”.

Grande parte das postagens da página defendem que a “raça” branca pode ser extinta e que, portanto, pessoas brancas não deveriam ter filhos com negros. “Hoje numa conversa falei com uns amigos e colegas sobre o que acham de brancos terem filhos com negras e falei que isso é errado, pois deveriam preservar nossa raça, e os caras já falam que isso é racismo. Não dá pra acreditar”, diz uma das postagens do grupo.

Uma das enquetes postadas revela, além do racismo obviamente contido na página, sua clara postura machista. “Acham uma preta(carvãozinho mesmo, africana) comestível rsrs ???”, questiona a enquete.

Segundo o promotor de justiça do Ministério Público de Minas Gerais, Mario Higuchi Júnior, “qualquer tipo de conduta que traga algum traço de discriminação racial pode ser considerado crime”. Segundo ele, na internet não é diferente. “As pessoas acham que, atrás do teclado, ninguém descobre nada, mas não é assim”, afirmou ao portal O Tempo.

Além do grupo fechado, há ainda uma página pública que divulga ideias contra o “racismo o racismo e o repúdio aos eurodescendentes”.

irlanda-racismo
 
 
 
Fonte: Revista Fórum

+ sobre o tema

Quarteto Fantástico – Michael B. Jordan quebra o silêncio sobre o racismo dos fãs

O reboot de “O Quarteto Fantástico” tem sido criticado desde o...

EUA prendem cinco vezes mais negros que brancos em prisões estaduais

Negros são quase cinco vezes mais encarcerados em prisões...

Pós-Copa, A UPP Tarda e a Ocupação do Exército Continua na Maré

Três meses se passaram desde a ocupação das 16 favelas que...

para lembrar

Carta aberta a uma mãe

Carta aberta de uma mãe que não sabe o...

Encontro latino-americano discute violência e justiça com jovens

Evento aberto ao público é promovido pelo Monitoramento Jovem...

Aluno cotista de baixa renda receberá bolsa de R$ 400, diz Mercadante

Bolsa será dada a aluno com renda familiar per...

Cinco anos do Estatuto da Igualdade Racial

O Estatuto da Igualdade Racial completa cinco anos nesta...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=