Resultados da pesquisa por 'Educação'

    Egberto Nogueira/VEJA

    Anitta e a deseducação política brasileira

    Acantora Anitta respondeu publicamente, em suas redes sociais, às críticas que vem recebendo, nessas mesmas redes, por ter assumido seu relativo desconhecimento no campo da Ciência Política. O raciocínio da artista não poderia ter sido mais preciso, e uma síntese honesta dele é: “não sei hoje sobre política porque antes não me ensinaram; agora pergunto porque quero aprender para depois decidir melhor meu voto; zombar desse desejo de aprender atrapalha o processo de amadurecimento político pelo qual o Brasil precisa passar”. Sem dúvida nenhuma todo o episódio diz muito sobre a “briga de foice no escuro” que é a política nacional em 2020, briga atiçada de maneira irresponsável, por vários atores, ao longo dos últimos dez anos, pelo menos. Diz muito também, infelizmente, sobre a misoginia, o elitismo e o racismo “nossos” de cada dia.  Contudo, intrincado nesse episódio das agressões a Anitta, há um aspecto basal – primeiro, portanto – ...

    Leia mais
    Editora Rocco/Vashti Harrison

    Representatividade importa: educação antirracista e literatura infantil

    Nasci em 1980. Cresci vendo “Xou da Xuxa” e desenhos protagonizados por personagens brancos. Eu também era uma criança que gostava de ler. Nos meus livrinhos, havia príncipes e princesas. Todos loiros de olhos azuis. Alguns eram diferentes, tinham os olhos verdes, como a apresentadora Angélica. Quando eu desenhava, as personagens eram brancas. As minhas bonecas também eram majoritariamente brancas. Com exceção das bonecas de pano que minha mãe fazia para mim. Essas tinham cabelos escuros e cacheados. Por não ter tido muitos livros protagonizados por personagens negros na minha infância, sou uma adulta que consome literatura infantil. Eu compro todos os lançamentos interessantes, livros escritos por autoras e autores negros como Bell Hooks, Toni Morrison, Maya Angelou, Lázaro Ramos, dentre outros. Dos meus livros infantis favoritos, indico dois lançamentos. O primeiro é Sulwe, escrito pela premiada atriz queniana Lupita Nyong’o, ilustrado por Vaschti Harrison e publicado no Brasil pela ...

    Leia mais
    Vinícius (Reprodução/Instagram)

    Por que o Covid-19 nos obriga a repensar nossa concepção de educação?

    Secretarias, conselhos, universidades, gestores, professores, educadores e especialistas em educação estão se debruçando para encontrarem alternativas pedagógicas com finalidade de dirimir os impactos do isolamento social na aprendizagem, na saúde mental e na alimentação. Todas as alternativas, documentos, propostas e ações são relevantes, necessárias e urgentes, diante do contexto que exige postura ativa e respostas ágeis. No entanto, propostas paliativas não equacionam os problemas estruturais que atravessam as vidas dos estudantes. Por isso, o coronavírus e sua imposição de isolamento social nos obriga ampliar nossa concepção de educação. Não é apenas um problema de conectividade e acesso aos recursos tecnológicos. O contexto apenas descortinou e intensificou o nosso abismo educacional. Como vivem as crianças longe dos olhos docentes? Fome, violência física e simbólica, abusos e outras tragédias reais, estão nos últimos 60 dias, como feridas ainda expostas, e não pode mais ser escamoteadas em planos de aulas, merendas sem valor ...

    Leia mais
    Jocivaldo dos Anjos (Arquivo Pessoal)

    Por que sou contra a Educação a distância durante a Pandemia do Covid – 19?

    “Onde há signo há mediação”. Desta forma, um dos maiores expoentes da educação mundial defendia as formas de educação, Lev Vigotsky. Este conceito amplia o entendimento e também possibilita a inclusão de Educação à distância enquanto possibilidade formativa. No entanto, o entendimento de signo para mediação no processo de ensinagem e aprendizagem necessita de um método de abordagem e uma metodologia de aplicação. Pergunto: as proposições intempestivas de promoção de Educação à distância no Brasil de 2020, em tempos de Covid19, possuem o método e a metodologia necessária a intermediação do signo? Vejamos. Educação à distância não se trata da mesma coisa que ensino à distância. Ensino a distância a gente faz desde há muito tempo e continuará a fazer por muito tempo também. Sem a necessidade de um rigor cientifico e um método testado. Já educação à distância, mesmo também sendo utilizada desde a muito tempo requer um aparato ...

    Leia mais
    Foto: Getty Images / BBC News Brasil

    Comissão Futuros da Educação recomenda planejamento para reduzir desigualdades após COVID-19

    A crise de saúde causada pela COVID-19 resultou no fechamento de escolas e universidades, afetando mais de 90% dos estudantes do mundo. Distúrbios ainda mais drásticos pairam no horizonte, de acordo com a Comissão Internacional sobre os Futuros da Educação (International Commission on the Futures of Education) – comissão independente indicada pela diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, em setembro de 2019. Mesmo quando as escolas reabrirem, a emergente recessão econômica ameaça exacerbar as desigualdades e pode reverter o progresso obtido na expansão do acesso educacional e na melhoria da qualidade da aprendizagem em todo o mundo, alertou a Comissão durante uma reunião on-line em abril. A crise de saúde causada pela COVID-19 resultou no fechamento de escolas e universidades, afetando mais de 90% dos estudantes do mundo. Distúrbios ainda mais drásticos pairam no horizonte, de acordo com a Comissão Internacional sobre os Futuros da Educação (International Commission on the Futures ...

    Leia mais
    Prédio do STF, em Brasília (Foto: Divulgação / STF)

    STF abre inquérito para investigar Weintraub por suspeita de crime de racismo contra China e manda PF interrogar ministro da Educação

    O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou abertura de inquérito pela Polícia Federal para a investigar o ministro da Educação, Abraham Weintraub, por suspeita de crime de racismo por conta das declarações que fez em sua conta no Twitter sobre a China. A prática de ato considerado preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional é punível com reclusão de um a três anos e multa, de acordo com o artigo 20 da lei 7.716/1989. Um agravante, o fato de realizar esse ato usando publicações em meios de comunicação, torna o crime punível com reclusão de dois a cinco anos. No despacho, o ministro atendeu pedido do Ministério Público Federal (MPF) determinando que sejam obtidos os dados digitais da conta de Weintraub em rede social. Por solicitação do vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques, responsável pelas investigações criminais da PGR perante o Supremo, Celso de Mello ...

    Leia mais

    Geledés se posiciona à consulta pública do Conselho Nacional de Educação (CNE)

    Posicionamento de Geledés Instituto da Mulher Negra à consulta pública do Conselho Nacional de Educação (CNE) relativa à proposta de Parecer que trata da Reorganização dos Calendários Escolares e a realização de atividades pedagógicas não presenciais durante o período de Pandemia da COVID-19.   Por Suelaine Carneiro Quem Somos: Geledés Instituto da Mulher Negra é uma organização da sociedade civil fundada em 30 de abril de 1988, que se posiciona em defesa de mulheres e negros por entender que são segmentos sociais que padecem de desvantagens e discriminações no acesso às oportunidades sociais em função do racismo e do sexismo vigentes na sociedade brasileira. Posiciona-se também contra todas as demais formas de discriminação que limitam a realização da plena cidadania, tais como: a lesbofobia, a homofobia, os preconceitos regionais, de credo, opinião e de classe social. Compreendemos a educação como um direito humano, cabendo ao Estado brasileiro garantir e efetivar ...

    Leia mais
    Foto: Getty Images / BBC News Brasil

    Os impactos da COVID-19 nas políticas públicas da educação básica

    ALEXSANDRO SANTOS, pós-doutorando em Administração Pública e Governo (FGV), Diretor-Presidente da Escola do Parlamento da Câmara Municipal de São Paulo e Coordenador do curso de Pedagogia da FEDUC. CLAUDIO ALIBERTI DE CAMPOS MELLO, mestrando em Administração Pública e Governo (FGV) ERIKA CARACHO RIBEIRO, mestre em Administração Pública e Governo (FGV) e doutoranda em Administração (UnB), professora na Etec Cepam. GABRIELA THOMAZINHO CLEMENTINO SAMPAIO, mestre em Educação (USP) e doutoranda em Administração Pública e Governo (FGV) Do Estadão  Foto: Getty Images / BBC News Brasil De acordo com o Censo Escolar de 2019, o Brasil possui pouco mais de 47,8 milhões de matrículas na Educação Básica. Desse total de alunos, 81% frequenta uma escola pública (48,1% em redes municipais, 32% em redes estaduais e 0,8% na rede federal de ensino). Para dar conta desse universo de educandos distribuidos desde a educação infantil até o ensino técnico-profissional, o ...

    Leia mais
    African American playful and creative kid getting hands dirty with many colors - in white brick background.

    Carta aberta à secretaria Municipal de Educação de São Paulo

    Esta carta convida as educadoras e os educadores da Rede Municipal de São Paulo para a reflexão e a ação quanto à Instrução Normativa no. 15 (IN-15), de 9/4/2020, e quanto à “Carta aos Educadores”, postada no site da SME e enviada às escolas no dia anterior. É uma iniciativa de educadoras e educadores integrantes do Grupo Territorialidades, ligados à DRE Campo Limpo, do Núcleo de Avaliação Institucional da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (NAI-FEUSP) e do grupo Território Educativo das Travessias. Do Lime Survey  Adobe  A partir de nossa experiência como educadoras(es) que estão no chão da escola, em contato direto e diário com os bebês, crianças, jovens e adultos que frequentam as unidades escolares, suas famílias e a comunidade dos territórios, temos as seguintes considerações: 1. O ano letivo da rede municipal paulistana se iniciou em 5 de fevereiro de modo ...

    Leia mais

    Para abalar estruturas, projeto promove educação financeira para mulheres negras

    Ancestralidade é o caminho para reverter dinheiro em patrimônio nas periferias, explica a idealizadora do Grana Pretta Por Pedro Stropasolas, do Brasil de Fato Segundo dados da Pnad, além de inferior a dos homens, a renda média das mulheres negras é menor que a das mulheres brancas. Na foto, a educadora Mônica Costa, criadora do projeto - Pedro Stropasolas/Brasil de Fato As mulheres pretas são a base da desigualdade de renda no Brasil. São elas também que estão mais suscetíveis ao desemprego e às piores condições de trabalho no país. Em São Paulo (SP), por exemplo, trabalham o dobro do tempo para obter salário de homem branco: enquanto o rendimento médio por hora de uma mulher negra é de R$ 10,82, quem está no topo da escala de remuneração recebe R$ 21,84. Os dados foram sistematizados pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a ...

    Leia mais
    Análise se deu pela trajetória de Vó Mera, símbolo da cultura de matriz africana na Paraíba. (Foto: Divulgação UFPB)

    Pesquisadora defende educação sobre cultura afro-brasileira

    Invisibilidade de manifestações culturais, sobretudo de mulheres negras, foi constatada durante estudo de pesquisadora da UFPB No Portal Correio Análise se deu pela trajetória de Vó Mera, símbolo da cultura de matriz africana na Paraíba. (Foto: Divulgação UFPB) A pesquisadora Ana Tavares, destaca, na dissertação “Cultura de matriz afro-brasileira: um estudo à luz da história de vida de Vó Mera”, a necessidade de incentivo e disseminação de múltiplas práticas culturais, especialmente a de mulheres afro-brasileiras, no estado da Paraíba. Com a análise da trajetória da cirandeira Vó Mera, a pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) afirma que, em seu trabalho, buscou disseminar manifestações culturais paraibanas de mulheres e qualifica a artista popular como um símbolo da cultura de matriz africana. “Essas manifestações estão inseridas em diversos espaços da sociedade e fazem parte da memória e identidade ...

    Leia mais
    Imagem retirada do site

    Inserir Salário-Educação no Fundeb prejudica a alimentação escolar, diz nota técnica da Campanha

    Relatório, na prática, atende a demanda do Governo Federal e reduz “a quase zero” recursos disponíveis para a alimentação escolar No CNDE Imagem retirada do site CNDE O substitutivo à PEC 15/2015, que cria o novo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), inviabiliza orçamentariamente o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), prejudicando a aprendizagem e a saúde dos estudantes. É o que diz a nota técnica da Campanha Nacional pelo Direito à Educação que, entre outros pontos, critica o uso de recursos do Salário-Educação na complementação da União ao principal sistema de financiamento da educação básica pública, o Fundeb. Se isso for mantido, irá asfixiar o orçamento de programas complementares, conclui o texto. Entre esses programas, a redução mais drástica seria no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que é financiado por recursos do Salário-Educação. “Haveria ...

    Leia mais
    Campanha Nacional pelo Direito à Educação

    O Brasil está distante de um novo Fundeb capaz de consagrar o direito à educação

    Campanha Nacional pelo Direito à Educação defende alterações em substitutivo à PEC 15/2015 Da Campanha Nacional pelo Direito à Educação Foto: Campanha Nacional pelo Direito à Educação Posicionamento Público O Brasil está distante de um novo Fundeb capaz de consagrar o direito à educação Brasil, 20 de fevereiro de 2020. Posicionamento público sobre o substitutivo da Dep. Profa. Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO) à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 15/2015, que dispõe sobre o Fundeb permanente - Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação. O texto foi apresentado em 18 de fevereiro na Comissão Especial da Câmara dos Deputados dedicada à matéria. A rede da Campanha Nacional pelo Direito à Educação considera urgente a aprovação do novo Fundeb, mas manifesta discordância com três pontos estruturais do substitutivo de autoria da deputada Profa. Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO). Objetivamente, o novo ...

    Leia mais
    Policiais agridem jovens na Escola Estadual Emygdio de Barros – Foto: Divulgação

    Escola não é lugar de polícia e de militares: pelo direito à educação de qualidade e contra a criminalização de estudantes pobres e negros

    Entidades lançam nota de repúdio à ação truculenta da Polícia Militar de São Paulo na Escola Estadual Emygdio de Barros, zona oeste da cidade de São Paulo Da Plataforma DHESCA Policiais agridem jovens na Escola Estadual Emygdio de Barros – Foto: Reprodução/Facebook  A Plataforma DHESCA Brasil, a Rede Escola Pública e Universidade (REPU), o Centro de Estudos Educação e Sociedade (Cedes), a Campanha Nacional pelo Direito à Educação e a Fineduca – Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento Educacional vêm manifestar publicamente profunda indignação diante da ação truculenta da Polícia Militar de São Paulo na Escola Estadual Emygdio de Barros, zona oeste da cidade de São Paulo, nesta semana, que resultou em violência contra estudantes da instituição. Ao menos dois estudantes negros foram agredidos brutalmente por policiais militares, ação filmada por outros alunos que, aos gritos, pediam que a violência parasse. Diante da repercussão pública, os ...

    Leia mais
    Imagem retirada do site

    “Outra educação é possível: feminismo, antirracismo e inclusão em sala de aula “

    Obra discute educação e inclusão, e Jaycelene Brasil conta sua experiência em escolas de Xapuri Por TIÃO MAIA, , do ContilNet Imagem retirada do site ContilNet A coluna “Opinião” do UOL, um dos maiores sites de notícias do país, publica, nesta quarta-feira (12), artigo da professora acreana Jaycelene Brasil. Socióloga, militante de direitos humanos e pesquisadora das questões raciais e de gênero, Brasil escreve sobre o livro da também professora, historiadora mineira, mestra em educação e militante do movimento negro e feminista Luana Tolentino. O livro, intitulado “Outra educação é possível: feminismo, antirracismo e inclusão em sala de aula”, lançado pela editora Mazza em 2019, é, de acordo com a autora do artigo, “uma obra icônica de crônicas que evidenciam suas experiências vividas ao longo de dez anos à frente de turmas dos Ensinos Fundamental e Médio”. De acordo com Jaycelene Brasil, o livro “chama a ...

    Leia mais
    Imagem: iStock

    67% dos brasileiros apoiam educação gratuita a todos na universidade, diz Datafolha

    Pesquisa mostra ainda que maioria também defende ensino gratuito nas creches (70%) e no ensino fundamental e médio (79%). No G1 Imagem: iStock Pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (22) pelo jornal "Folha de S.Paulo" mostra que para 67% dos brasileiros o governo deve oferecer educação gratuita no ensino superior a todos os brasileiros. O levantamento mostra ainda que 70% dos entrevistados acreditam que a educação deve ser gratuita nas creches. No ensino fundamental e médio, 79% compartilham a opinião. A pesquisa foi realizada com 2.948 entrevistados em todo o Brasil nos dias 5 e 6 de dezembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais. 67% apoiam educação gratuita a todos na universidade — Foto: Guilherme Luiz Pinheiro/G1 A proporção dos que consideram que o Estado só deve oferecer educação a quem não pode pagar é de 18% no nível fundamental ...

    Leia mais
    O economista Ricardo Henriques, do Instituto Unibanco Foto: Marcos Ramos / Agência O Globo

    Educação em tempo de paixões tristes

    Críticas a Paulo Freire são fruto de obscurantismo Por Ricardo Henriques, da Folha de São Paulo O economista Ricardo Henriques, do Instituto Unibanco (Foto: Marcos Ramos / Agência O Globo) Vivemos tempos de paixões tristes. Inspirado no filósofo Baruch Spinoza (1632-1677), esse é o diagnóstico, feito pelo sociólogo francês François Dubet em seu novo livro “Le temps des passions tristes - Inégalités et populisme” (“O tempo das paixões tristes - Desigualdades e populismo”, em tradução livre). O regime de desigualdades múltiplas produziu na sociedade contemporânea um campo de ressentimento dos indivíduos e de baixo reconhecimento sobre a importância das lutas coletivas para enfrentar desafios de vulnerabilidade social existentes. Nesse contexto, observamos o aumento da xenofobia em diversos países europeus e do preconceito e exacerbação do racismo em sociedades como a brasileira, conectados à negação da história e a um certo saudosismo de momentos de obscurantismo na ...

    Leia mais
    Imagem: Getty Images

    Entenda o Pisa, que apresenta dados da avaliação mundial de educação

    Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês) é divulgado a cada três anos pela OCDE. Entenda o que é a prova e para que servem os dados. No G1 Imagem: Getty Images A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulga, a cada três anos, os resultados da prova do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês). Ele é realizadodesde 2000 – o Brasil é um dos países que participaram de todas as edições do programa (veja mais no vídeo acima). O Pisa tem o objetivo de ser um exame que qualquer estudante do mundo pode fazer. Ele não foca apenas em saber ou não se um estudante aprendeu um conteúdo na escola, mas também tenta ver se o jovem consegue aplicar esse conhecimento na vida real. Por isso, é possível comparar os níveis de aprendizagem de estudantes ...

    Leia mais

    Por uma educação Antirracista

    Com o objetivo de promover a cidadania e igualdade racial, alcançáveis por meio de uma educação antirracista, escola estimula atividades culturais e reflexão Por Natália Sena Foto: Priscilla Carneiro Alunos do ensino médio, da Escola Estadual Vinícius de Moraes, do município de Cotia, na Grande São Paulo, promoveram reflexões sobre a luta  das mulheres negras e do movimento negro para celebrar o mês da consciência negra. Diante da importância da data, a equipe gestora da escola que é composta pela coordenação pedagógica e professores desenvolveu uma agenda de trabalho durante  o ano letivo para abordar temas como racismo, cultura, igualdade racial, cidadania e educação antirracista. Foto: Priscilla Carneiro De acordo com a professora Priscilla Carneiro, a evolução  dos projetos feitos pelos alunos se dá pelo trabalho desenvolvido pela escola durante todo o ano “cada turma fica livre para abordar a questão racial ...

    Leia mais
    Cida Bento (Foto: Carolina Oms/Believe.Earth)

    Reivindicações do movimento negro beneficiam outros segmentos na educação

    Política é revolucionária por reivindicar equidade num sistema alimentado por desigualdades Por Cida Bento, da Folha de São Paulo Cida Bento (Foto: Carolina Oms/Believe.Earth) “Eu não quero ser tratado como alguém que usurpou a vaga de um estudante branco, como costuma ocorrer aqui na universidade. Por isso não disputei uma oportunidade pelo sistema de cotas.” Essa foi a resposta de um dos estudantes negros pesquisados por Oliveira, em 2017, em São Paulo, na sua dissertação de mestrado, em que buscava entender por que alguns jovens que poderiam concorrer pelas cotas não o fizeram. Assim, neste novembro, Mês da Consciência Negra, quero destacar o desconhecimento sobre o efeito “democratizante” das ações afirmativas no ensino superior. Não é comum as pessoas se atentarem ao fato de que os programas de ações afirmativas no ensino superior implementados no Brasil a partir da ação do movimento negro vêm beneficiando outros ...

    Leia mais
    Página 2 de 492 1 2 3 492

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist