Fórum da Noite dos Tambores: Encontro de Ritmo, Educação e Ancestralidade

Enviado por / FontePor Fernanda Menezes

Reunindo ritmo e ancestralidade, no dia 01 de dezembro, a 2ª edição do Fórum Tambor e Educação transformou a Fábrica de Cultura do Jardim São Luís, na Zona Sul de São Paulo, em um local de acolhimento e encontro para sete grupos de tambores e quilombolas da Paraíba, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e também da capital paulista, além de doze mestres de todo o Brasil. Realizado pelo grupo Umoja em parceria com a Macambira Sociocultural, o evento teve como tema ‘Como o seu tambor educa?’, que tem como proposta conectar o marco dos 20 anos da lei 10.639/03 com as manifestações de cultura popular que nascem dos tambores e são realizadas por estes grupos e mestres nas escolas públicas e comunidades dos seus e de outros território.

O Fórum foi marcado pela apresentação e integração dos grupos que transmitiram não somente seus batuques, mas também a história e as tradições de suas comunidades que, querendo reafirmar o toque na força do encontro das ancestralidades e da vida como potência criativa, serviu como uma forma de integração e reconhecimento dos coletivos que não conseguiam se conhecer durante as apresentações da Noite dos Tambores.

Além das apresentações e dinâmicas, o encontro foi marcado pela mandala dos saberes e fazeres, construída ao longo das apresentações de cada grupo/mestre com objetos significativos que dialoguem com suas histórias, fortalecendo ainda mais os laços.

Foro: Lucas Santos

“Este ano estamos celebrando dez edições da Noite dos Tambores. A primeira foi em 2011. Teve uma parada por conta da pandemia, e esta é a primeira edição pós-pandemia que começou com articulação dos grupos ao longo do ano para que tenham agenda e consigam estar aqui no festival e participem do Fórum para que eles se conheçam e se conectem e amanhã, no festival, não sejam mais estranhos entre si. Essa oportunidade de se conhecer, se conectarem e construir uma rede é aqui”, explicou Débora Venâncio, Gestora de projetos sociais e Sócia da Macambira Sociocultural.

Para Alânia Cerqueira, Gestora de Projetos Sociais e fundadora da Macambira, existia uma ausência de espaço de diálogo para os grupos que participam do evento, e segundo ela, essa ausência foi criando uma angústia dentro do Umoja, criadores da Noite dos Tambores, que sentiam a necessidade de conhecer ainda mais todos que passam pelo festejo. “A gente procurou entender essa ausência de espaço de diálogo dos grupos que vinham se apresentar. Eles vinham, se apresentavam, a gente fazia toda uma articulação com passagem, hospedagem, alimentação e eles iam embora e muitas vezes não sabíamos quem eram. Então falamos, ‘não, precisamos de um espaço’”.

A denominação “fórum” ainda está em debate, mas para um dos mestres convidados, o baiano Gabi Guedes, o nome pouco importa; o momento foi de encontro com grandes referências musicais. “Foi um momento super maravilhoso para mim ter encontrado várias referências, pessoas que eu sigo no meu dia a dia e venho seguindo para fortalecer a minha musicalidade e ancestralidade.”

Além de Guedes, os mestres Salloma Salomão, Sapopemba, Vitor Trindade, Caçapava, Spirito Santo, Alfredo, Penedo, Poeira e Rabi estavam presentes para fazer do fórum um momento que foi além de uma reunião de grandes nomes e grupos de tambores, mas um encontro para firmar ainda mais a importância de se ter conhecimento da sua própria história.

Para além de ser uma forma de encontro com a ancestralidade, a manifestação cultural dos tambores serve como uma forma de educação e resistência dentro das periferias e quilombos por todo o Brasil. Para o Mestre Rabi, educador social e um dos criadores da Noite dos Tambores, apesar de ser difícil falar sobre tambor, por conta de todo preconceito, é necessário resistir. “Eu acho que termos essas várias manifestações juntas de cultura popular e cultura brasileira que tenha tambor, trazendo essa coisa da ancestralidade, é importante porque a gente continua mantendo um legado de que os tambores fazem parte do nosso convívio, da nossa vida. Engrandece e enriquece nossa comunidade. Nosso povo preto.”

+ sobre o tema

Edson Cardoso, o Jacaré do É o Tchan, se firma como ator dramático

O baiano, que integra o programa 'Aventuras do Didi',...

Rapper angolano Malef ganha prémio em Festival Internacional de Hip Hop

O rapper Malef ganhou o prémio de melhor artista...

Olímpiadas 2012: Serena Williams na final após vitória arrasadora

A norte-americana Serena Williams está classificada para a final...

Mostra divulga produções artísticas da periferia de São Paulo

Por: Camila Maciel São Paulo – Cantar, recitar,...

para lembrar

Afirmação da cultura negra na capital

Por: Tássia Martins Turbante e outros acessórios resgatam tradições africanas em...

Identificação com a cultura negra através da literatura

A história dos negros no Brasil é marcada, desde...

Projeto turístico Guia Negro percorre monumentos históricos da cultura afro em Salvador

Uma caminhada por 13 pontos históricos de Salvador onde...

Festa da Boa Morte celebra tradição secular de mulheres negras na Bahia

As roupas de gala são bordadas com renda branca...
spot_imgspot_img

Chega a São Paulo Um defeito de cor, exposição que propõe uma revisão historiográfica da identidade brasileira por meio de uma seleção de obras em...

De 25 de abril a 1º de dezembro, o Sesc Pinheiros recebe "Um Defeito de Cor". Resultado da parceria entre o Sesc São Paulo...

Aos 76, artista trans veterana relembra camarins separados para negros

Divina Aloma rejeita a linguagem atual, prefere ser chamada de travesti e mulata (atualmente, prefere-se o termo pardo ou negro). Aos 76 anos, sendo...

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...
-+=