Resultados da pesquisa por 'Julho das pretas'

    Mulheres negras e indígenas celebram o 25 de julho na capital paulista – SP, 25/07/2017

    Mulheres negras de várias regiões da cidade e indígenas das aldeias do Jaraguá e Parelheiros denunciam as múltiplas formas de violência machista, racista e de classe que enfrentam cotidianamente, e defendem o Bem Viver. Ato acontece no Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, e vai da Praça Roosevelt ao Largo do Paissandu. Do Instituto Patrícia Galvão (Agência Patrícia Galvão, 20/07/2017) Na próxima terça-feira, 25 de julho, a Marcha das Mulheres Negras de São Paulo realizará o ato “Mulheres Negras e Indígenas por nós, por todas nós, pelo bem viver”. A manifestação acontece no Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e Dia Nacional de Tereza de Benguela – liderança quilombola reconhecida no Brasil por meio da Lei Federal 12.987/2004. Uma data que une mulheres negras internacionalmente no enfrentamento a todas as opressões sofridas e pelo objetivo de superá-las. As mulheres, em especial as negras, sempre foram protagonistas dos movimentos ...

    Leia mais

    No mês de julho, Paraná discute discriminação contra mulheres negras

    A Rede de Mulheres Negras do Paraná, com apoio do Governo do Estado, promove neste mês o ‘Julho das Pretas PR’, uma extensa programação iniciada no dia 1º e que segue até o dia 29 com encontros, palestras, oficinas e apresentações culturais com o objetivo de estimular debate e reflexão para combater temas como racismo, sexismo, homofobia e demais formas de discriminação. Do Massa News A iniciativa também faz parte das comemorações do Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, celebrada no dia 25 de julho (no Brasil esta data representa o Dia Nacional de Teresa de Benguela). A data é um marco internacional da luta e da resistência das mulheres negras. “Esta é uma data muito importante. Mas acabar com o preconceito no país não é algo que deve ser feito em um único dia. É algo para fazermos constantemente. O racismo ainda é o principal fator que ...

    Leia mais

    Mais da metade das mulheres mortas pelas polícias entre 2005 e 2015 eram negras

    Agência Patrícia Galvão compila dados de violência contra as mulheres negras revelando o racismo patriarcal e estrutural por Luciana Araújo no Agência Patrícia Galvão Duas pesquisas divulgadas em junho evidenciam o peso do racismo patriarcal, institucional e estrutural na dinâmica da violência que atinge as mulheres negras no Brasil. O 3 de julho marca no Brasil o Dia Nacional de Combate à Discriminação Racial. Importante nesta data destacar que as 49 milhões de pretas e pardas que vivem no país, segundo dados do Censo 2010 do IBGE, têm estado historicamente sobrerrepresentadas em todos os índices de violações a direitos. Nessa mesma direção, os dados da pesquisa Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, realizada pelo DataSenado entre 29 de março e 11 de abril, com a participação de  1.116 entrevistadas por telefone, ressaltam como o racismo potencializa e torna ainda mais cruel as violências contra negras frente àquelas praticadas contra mulheres não negras. Já o Atlas ...

    Leia mais

    O mês das mulheres negras latino americanas e caribenhas

    O mês em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha contará com uma abertura lacradora. Em comemoração a data, dia 25 de julho, cantoras, percussionistas, dançarinas e dj’s se apresentam no Julho das Pretas: abertura das atividades para o #25DeJulho, dia 1 de julho, às 19h, no Aparelha Luzia. por Patrícia Gonçalves, do Catraca Livre Ao longo do mês, uma série de reportagens no Catraca Livre ilustram as demandas, cultura e curiosidades de várias mulheres que circulam entre fronteiras muitas vezes desconhecidas, através do #Afrolatinas. A marcação internacional do dia foi feita em 1992, após o  1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, criação da Rede que leva o mesmo nome. No Brasil, a data também sinaliza o Dia Nacional de Tereza de Benguela, líder quilombola que viveu no Estado de Mato Grosso durante o século XVIII. Aqui, o momento tem sido cada vez mais enfatizado pelas ativistas, ...

    Leia mais

    Em São Paulo, a Marcha das Mulheres Negras avança

    Focado na luta contra o racismo, o machismo e o elitismo, evento suprapartidário, interreligioso e horizontal acontece na sexta 2 na capital Em momentos de recrudescimento dos ataques à população negra, é preciso se aquilombar. Na foto, Marcha das Mulheres Negras em Brasília, em 2015 Por Djamila Ribeiro Do Carta Capital Na próxima sexta-feira 2, as mulheres negras da cidade de São Paulo estarão irmanadas no centro da cidade, na Alameda Nothmann, 1058, a partir das 18h30, na Marcha das Mulheres Negras. O evento marca o início de um novo momento de organização da marcha, que vem construindo e incidindo de maneira contínua na luta negra e feminista. Convidamos todas as mulheres negras a participarem do evento (mais detalhes aqui) Recentemente, acompanhamos em São Paulo a ação criminosa da prefeitura e do governo do estado na região da Cracolândia. A guerra às drogas é mais uma faceta do genocídio do povo ...

    Leia mais

    Zona AGBARA exorciza esteriótipos impostos a mulheres pretas e gordas

    Objetivo é promover a visibilidade e valorização da produção artística de mulheres pretas e gordas, tendo a Dança como ferramenta de transgressão e afirmação estética e social   por Anderson Hebreu, do  Noticiário Periférico   “AGBARA” no dialeto Yourubá significa potência e força. Um nome significativo e simbólico que batizou o novo projeto idealizado pela artista da dança Gal Martins. Ela juntou-se a Dandara Gomes, Luciene Barros e Fabiana Pimenta para criar a Zona AGBARA, um grupo de mulheres que expressam seus sentimentos pessoais e artísticos através da criação em dança como principal ferramenta de transgressão e afirmação estética e social. O propósito da Zona AGBARA é dar visibilidade e valorização a produção artística de mulheres pretas e gordas, para isso cria-se o Grupo de Pesquisas, Diálogos e Performances, onde serão discutidos diferentes temas relacionados o universo dessas mulheres.   O primeiro deles acontece no dia 11 de fevereiro, das ...

    Leia mais

    Sessão do filme “Estrelas Além do Tempo” vai reunir brasileiras empoderadas

    Filme Estrelas Além do Tempo conta a história de mulheres negras cientistas da NASA durante a  corrida espacial Do Juca Guimarães Do R7 Boas histórias de superação e quebra de paradigmas são essenciais nos roteiros dos filmes de sucesso do cinema americano. São também histórias inspiradoras que mudam a vida de milhares de pessoas, durante várias gerações, ao redor do mundo. É o caso do filme "Estrela Além do Tempo", baseado na história real de três mulheres negras que foram fundamentais para o programa espacial americano, em um período ainda marcado pela segregação racial e o preconceito. No filme, a luta das cientistas Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monae) é um poderoso exemplo de empoderamento e união para mulheres negras. Aqui no Brasil, um grupo seleto e combativo de mulheres negras também promovem a sua revolução de empoderamento coletivo, mas com um número ...

    Leia mais

    25 de julho: Mulheres Negras arrastam mais de 2 mil pelas ruas de São Paulo

    Entre as palavras de ordem estava “Fora Temer” e “queremos” o fim do racismo, sexismo, da violência doméstica e da cultura do estupro Agência Áfricas de Notícias – por Claudia Alexandre Em caminhada pelas ruas do centro de São Paulo, cerca de 2 mil mulheres participaram, nesta segunda-feira, da Marcha de Mulheres Negras. O evento marcou o 25 de Julho, Dia internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, que também motivou manifestações em todo o país. A concentração teve início às 17 horas, na Praça Roosevelt e por volta das 20 horas, seguiu pelas ruas da Consolação e Xavier de Toledo até o Largo do Paissandu, onde fica a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, um dos patrimônios da cultura afro-brasileira na cidade. A data marca a luta de resistência da mulher negra contra a opressão de gênero, raça e exploração de classe e foi firmado em ...

    Leia mais

    Feminismo jurídico: Advogadas criam coletivo de assessoria gratuita para mulheres

    Conectadas pela hashtag #MaisAmorEntreNós, no facebook, um grupo de advogadas se uniu com a iniciativa de criar uma assessoria jurídica gratuita para mulheres em situação de violência. O grupo intitulado TamoJuntas, depois de promover um primeiro Mutirão da Lei Maria da Penha no início de junho, se junta ao movimento nacional Julho das Pretas e dá continuidade à ação neste sábado (9/07), às 9h, na Igreja Batista de Nazareth, dando atenção especial às mulheres racializadas. Por Aratu Online O encontro pretende promover um espaço seguro para que mulheres em situação de vulnerabilidade ou que tenham passado por algum tipo de violência, tenha sido esta doméstica ou em espaços públicos, possam tirar dúvidas, ser orientadas, atendidas e assistidas em todas as fases do processo jurídico. Segundo uma das integrantes do TamoJuntas, a advogada Laina Crisóstomo, muitas mulheres querem apenas desabafar, falar sobre sua dor. Ser ouvida é a primeira dificuldade, e ...

    Leia mais

    Seminário, em salvador, trata das mulheres negras nos campos da mídia, representação e memória

    A atividade, organizada pelo Odara Instituto da Mulher negra, faz parte da programação da 4ª edição do Julho das Pretas No Instituto Odara Com o intuito de debater temas como representação, memória coletiva, e espaço político das mulheres negras, o Odara – Instituto da Mulher Negra realizará o “Seminário Mulheres Negras No Foco: Mídia, representação e Memória”, no Auditório da Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Barris), em Salvador, nos dias 7 e 8 de julho. As inscrições para o seminário podem ser realizadas através do email: [email protected]  até o dia 28 de junho. O evento faz parte da programação da 4ª edição do Julho das Pretas, na Bahia, e vai debater sobre as mulheres negras e o acesso ao direito à comunicação, representação política, construção dos discursos e narrativas de luta negra e feminista, estratégias e desafios para assegurar o registro e memória da história desta população. O objetivo do ...

    Leia mais

    Manifesto Coletivo Autônomo de Mulheres Pretas

    Nós, ADELINAS - Coletivo Autônomo de Mulheres Pretas, da grande São Paulo, formado em julho de 2015, por mulheres pretas e por elas representadas nos seus fenótipos negros: tonalidades de pele, texturas de cabelos, diferentes corpos e experiências comuns de opressão histórica. Do Coletivo Adelinas Por unanimidade, aprovamos e tornamos público o presente MANIFESTO: Quem é Adelina Sabe-se que a “Adelina, a charuteira” foi uma escravizada e abolicionista maranhense. Seu pai e proprietário prometeu libertá-la, mas não cumpriu a promessa, garantindo apenas que Adelina fosse alfabetizada. Enquanto escrava de ganho, Adelina vendia charutos por toda a cidade, inclusive para estudantes, tendo a oportunidade de assistir a comícios abolicionistas no centro da cidade. Pela facilidade com que andava pelos espaços, Adelina teve grande importância nesse movimento abolicionista por ser informante das ações da policia contra os ativistas, além de também ajudava na fuga de escravizados. Quem somos Somos oriundas das trajetórias ...

    Leia mais

    Marias Pretas no Mar de Copabana!

    Embalada pela trilha sonora que a DJ Bieta preparou para a nossa Pré-Marcha, flashes de vários momentos que vivi domingo (26 de julho), em Copacabana; olhos marejados com cada detalhe registrado e compartilhado nas redes sociais… o coração pulsa e ainda sinto a energia forte de cada abraço trocado, cada beijo dado nesse grande reencontro de mulheres de várias partes do Rio de Janeiro! Sim, estou tão emocionada com o nosso feito, que desde a noite de domingo, tento expressar o que foi participar da Pré-Marcha de Mulheres Negras, um momento histórico! Por Adriana Baptista Do Blogueiras Negras Arrisco dizer que Copacabana, símbolo internacional da exuberância da natureza do Rio de Janeiro e seus contrastes sociais, foi inundada por Marias Pretas! Tantas que não sou capaz de contar…mil, duas mil, um milhão? não sei! Tantas que nem sei o nome, mas que me reconheço em todas elas! Em seus rostos, suas ...

    Leia mais
    iStockphoto

    As Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação de Medicina e a Educação das Relações Étnico-Raciais

    Antonio Gomes da Costa Neto Mestre em Educação iStockphoto Este artigo tem por objetivo abordar as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Medicina (DCN de Medicina), destacadamente quando preveem, perante o projeto pedagógico do curso (PPC), que deverá contemplar nos temas transversais a “Educação das Relações Étnico-Raciais e História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Trata-se da Resolução nº 04/14, com o Parecer nº 116/14 da Câmara de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC), que tem entre seus objetivos dispor sobre o currículo dos cursos de graduação destinados ao bacharelado em Medicina (Parecer CES/CNE nº 25/14), portanto para o futuro exercício profissional do médico. Há de se destacar que as orientações do Conselho Nacional de Educação (CNE) de igual sorte trouxeram outros elementos agregadores ao currículo do curso, ou seja, diversas outras situações que deverão ser contempladas pelos novos profissionais da área da Saúde, ...

    Leia mais
    (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

    Por que reverenciamos o 25 de Julho, dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha?

    As mulheres negras nunca reconheceram o mito da fragilidade que sempre justificou os espaços subalternos que lhes foram dados. Aprenderam muito cedo o quanto duro é o trabalho nos espaços disponibilizados e acima de tudo que suas vidas valiam o que lutassem para ter.  O processo que desumaniza a população negra, fez com que o machismo sobre essas mulheres, tivesse um impacto maior do que nas demais, principalmente na mercantilização de suas vidas e corpos, além de sua  afetividade. Sabemos quais são as consequências da negação do papel da mulher negra na formação da cultura dos povos, especialmente na política partidária e na área social. Mesmo entre os movimentos feministas mais avançados e plurais, há ainda hoje uma dificuldade em reconhecer as mulheres negras que estiveram presentes nas lutas e movimentos sociais e principalmente na capacidade destas de ocupação de espaços “privilegiados”. As heroínas e intelectuais  negras,  são totalmente invisibilizada ...

    Leia mais
    negraecaribenha

    Convite à I Blogagem Coletiva 25 de julho, Dia da mulher afro-latina-americana e caribenha

    Mulheres negras de todos os cantos do Brasil, no dia 25 de julho, próxima quinta-feira, comemoramos o Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha. Essa data foi criada em 1992, após o I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, em Santo Domingos, República Dominicana. Este dia, mais do que celebrar nossa existência, é um modo de lembrar e de consolidar a luta e a resistência histórica da mulher negra, que continua, majoritariamente, ocupando os espaços mais marginalizados na nossa sociedade racista e machista. De escravizada a empregada doméstica, de escravizada a “mulata tipo exportação”, sofremos e continuamos sofrendo um duro processo de invisibilidade – e a visibilidade, muitas vezes, só ocorre a partir hiperssexualização de nossos corpos -, de apagamento da nossa existência, na medida em que, antes de sermos lembradas, ouvidas e valorizadas, somos sempre as primeiras a serem esquecidas e desprezadas, seja na realidade de todo o dia, seja ...

    Leia mais
    igualdade_racial

    LEI Nº 12.288, DE 20 DE JULHO DE 2010

    Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1o Esta Lei institui o Estatuto da Igualdade Racial, destinado a garantir à população negra a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais, coletivos e difusos e o combate à discriminação e às demais formas de intolerância étnica. Parágrafo único. Para efeito deste Estatuto, considera-se: I - discriminação racial ou étnico-racial: toda distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou exercício, em igualdade de condições, de direitos ...

    Leia mais
    Divulgação

    Lideranças femininas negras se reúnem em encontro transnacional

    Dezenas de mulheres negras de diversos países do mundo se encontram nesta terça e quarta-feira (28 e 29 de julho), no 1º Webnário Transnacional promovido pela Mahin – Organização de Mulheres Negras. A atividade acontece através de plataformas online, com transmissão ao vivo pelo Facebook e Youtube, das 11h às 15h. O encontro emitirá certificado para as participantes do dia 28, por meio de inscrição prévia no site www.negrasmahin.org. O Webnário integra as atividade do Julho das Pretas e conta com a parceria e apoio de instituições como a Cese, Coletivo Luiza Bairros, Fórum Marielles, Almaa, Rede de Mulheres Negras, Sindoméstico, Kilomba, Afroresistance, Malungu, Rede de Mulheres de Terreiro e os Comitês Comunitários de Enfrentamento a Covid-19 nos Bairros Populares e nas Religiões de Matriz Africana de Salvador. O Webnário Transcional, além de marcar o mês em que celebra a luta das mulheres negras latino-americanas e caribenhas, tem por objetivo ...

    Leia mais
    Policial pisa em pescoço de mulher durante abordagem em Parelheiros, zona sul de São Paulo
Imagem: Reprodução/TV Globo

    PM pisar no pescoço de mulher negra explicita que somos #AlvosDoGenocídio

    Julho das pretas. Desde 1992, no 25 de julho se celebra o Dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha. No Brasil, desde 2014 é também Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. Em todo o país, organizações de mulheres negras intensificam as atividades que promovem cotidianamente, voltadas à superação das desigualdades de gênero, raça e classe. Neste 2020, iniciamos os debates do julho das pretas com uma amostra de como a Polícia Militar de São Paulo, sob comando do governador João Dória, age em relação a mulheres negras. "Quanto mais eu me debatia, mais ele apertava a botina no meu pescoço", disse a mulher negra de 51 anos, comerciante, e moradora de Parelheiros, em entrevista veiculada pela TV no último domingo (12). Um vídeo, gravado em 30 de maio, cinco dias depois do assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos, registra a abordagem policial violenta sofrida por ela. ...

    Leia mais

    Confira atividades que celebram o Dia da Mulher Negra

    Entre os destaques estão duas apresentações da cantora Nãnan Matos Por Devana Babu, Do Correio Braziliense  Nãnan Matos se apresenta hoje, na Casa Akotirene, em Ceilândia e amanhã, na Caixa Cultural (foto: Bruno Pinheiro) Hoje é o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. A data é comemorada desde 1992, a partir do I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, na República Dominicana, e foi instituída por lei, no Brasil, em 2 de junho de 2014. Tereza de Benguela foi uma líder quilombola do século 18, cuja história de resistência e conquistas é lembrada na data. O Diversão & Arte selecionou algumas atividades da semana que continuam esse legado. Nãnan canta África A cantora Nanãn Matos, artista de destaque no DF, encerra amanhã, na Caixa Cultural, a temporada do espetáculo Nãnan canta África. Calcado na trajetória e na produção autoral da cantora, o ...

    Leia mais
    Leon Willner e Jorge Pereira Filho

    A primeira infância como responsabilidade de toda a sociedade

    Lançamento de livro coloca no centro do debate a importância da creche como um direito das crianças e das mulheres e um espaço coletivo de construção de pedagogias emancipatórias. Por Christiane Gomes no Fundação Rosa de Luxemburgo Leon Willner e Jorge Pereira Filho A crise que atinge a democracia e os direitos humanos em diversos cantos do mundo tem, obviamente, características próprias em cada território. No Brasil, discursos e ações liberais e de direita se afirmam ao mesmo tempo em que resistências se concretizam e se fazem presentes. Nesta disputa de narrativas, os feminismos populares se mostram como força motriz. As mulheres estão na linha de frente de grande parte das lutas sociais no Brasil e em outros países. Mas falar em mulher é também falar de maternidade (ou o direito a negá-la), de crianças e de seu acolhimento. E quando se fala em crianças, é importante ...

    Leia mais
    Página 2 de 7 1 2 3 7

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist